Pesquisar no Google:

Pesquisa Personalizada

Estude a Palavra de Deus Agora!

Estude a Palavra de Deus Agora!
Cursos e Estudos Bíblicos Gratuítos
Pesquisa personalizada

Postagens Populares:

Pesquisar no Blog:

quarta-feira, 15 de dezembro de 2004

A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA...

RESENHA - PEDAGOGIA DA AUTONOMIA

De: Paulo Freire


Freire introduz Pedagogia da autonomia explicando suas razões para analisar a prática pedagógica do professor em relação a autonomia de ser e de saber do educando. Enfatiza a necessidade de respeito ao conhecimento que o aluno traz para a escola, visto ser ele um sujeito social e histórico, e da compreensão de que “formar é muito mais do que puramente treinar o educando no desempenho das destrezas”... (p.. 15). Define essa postura como ética e defende a idéia de que o educador deve buscar essa ética, a qual chama de “ética universal do ser humano” (p. 16), essencial para o trabalho docente.
Não podemos nos assumir como sujeitos de procura, da decisão, da ruptura, da opção, como sujeitos históricos, transformadores, a não ser assumindo-nos como sujeitos éticos (...) É por esta ética inseparável da prática educativa, não a importa se trabalharmos com crianças, jovens ou com adultos, que devemos lutar (p. 17 e 19).
Em sua análise menciona alguns itens que considera fundamentais para a prática docente, enquanto instiga o leitor a criticá-lo e acrescentar a seu trabalho outros pontos importantes. Inicia afirmando que “não há docência sem discência” (p. 23), pois “quem forma se forma e reforma ao formar, e quem é formado forma-se e forma ao ser formado” (p. 25). Dessa forma, deixa claro que o ensino não depende exclusivamente do professor, assim como a aprendizagem não é algo apenas de aluno. “não há docência sem discência, as duas se explicam e seus sujeitos, apesar das diferenças que os conotam, não se reduzem à condição de objeto um do outro. Quem ensina aprende ao ensinar, e quem aprende ensina ao aprender” (p. 25).
Justifica assim o pensamento de que o professor não é superior, melhor ou mais inteligente, porque domina conhecimentos que o educando ainda não domina, mas é, como o aluno, participante do mesmo processo da construção da aprendizagem.
Segue sua análise colocando como absolutamente necessário o rigor metódico e intelectual que o educador deve desenvolve em si próprio, como pesquisador, sujeito curioso, que busca o saber e o assimila de uma forma crítica, não ingênua, com questionamentos, e orienta seus educandos a seguirem também essa linha metodológica de estudar e entender o mundo, relacionando os conhecimentos adquiridos com a realidade de sua vida, sua cidade, seu meio social. Afirma que “não ensino sem pesquisa nem pesquisa ensino” (p. 32). Esse pesquisar, buscar e compreender criticamente só ocorrerá se o professor souber pensar. Para Freire, saber pensar é duvidar de suas próprias certezas, questionar suas verdades. Se o docente faz isso, terá facilidade de desenvolver em seus alunos o mesmo espírito.
O professor que pensa certo deixa transparecer aos educandos que uma das bonitezas de nossa maneira de estar no mundo e com o mundo, como seres históricos, é a capacidade de, intervindo no mundo, conhecer o mundo (...) Ensinar, aprender e pesquisar, lidam com dois momentos: o em que se aprende o conhecimento já existente e o que se trabalha a produção do conhecimento ainda não existente (p. 31).
Ensinar, para Freire, requer aceitar os riscos do desafio do novo enquanto inovador, enriquecedor, e rejeitar quaisquer formas de discriminação que separe as pessoas em raça, classes... É ter certeza de que faz parte de um processo inconcluso, apesar de saber que o ser humano é um ser condicionado, portanto há sempre possibilidades de interferir na realidade afim de modificá-lo. Acima de tudo, ensinar exige respeito à autonomia do ser educando. O respeito à autonomia e à dignidade de cada um é imperativo ético e não um favor que podemos por não conceder uns aos outros (...) O professor que desrespeita a curiosidade do educando, no seu gosto estético, a sua inquietude, a sua linguagem, mais precisamente a sua sintaxe e a sua prosódia; o professor que ironiza o aluno, que o minimiza, que manda que “ele se ponha em seu lugar” a um mais tênue sinal de sua rebeldia legítima, tanto quanto o professor que se exime do cumprimento do seu dever de propor limites à liberdade do aluno, que se furta ao dever de ensinar, de estar respeitosamente à experiência formadora do educando, transgride os princípios fundamentalmente éticos de nossa existência (p. 66).
É importante que professores e alunos sejam curiosos, instigadores. “É preciso, indispensável mesmo, que o professor se ache repousado no saber de que a pedra fundamental é a curiosidade do ser humano” (p.96). faz-se necessário, portanto, que se proporcione momentos para experiências, para buscas. O professor precisa estar disposto a ouvir, a dialogar, a fazer de suas aulas momentos de liberdade para falar, debater e ser aberto para compreender o querer dos seus alunos. Para tanto é preciso querer bem, gostar do trabalho e do educando. Não com um gostar ou um querer bem ingênuo, que permite atitudes erradas e não impõe limites, ou que sente pena da situação de menos experiente do aluno, ou ainda que deixa tudo como está que o tempo resolve, mas um querer bem pelo ser humano em desenvolvimento que está ao seu lado, a ponto de dedicar-se doar-se e de trocar experiências, e um gostar de aprender e de incentivar a aprendizagem, um sentir prazer em ver o aluno descobrindo o conhecimento.
É digna de nota a capacidade que tem a experiência pedagógica para despertar, estimular e desenvolver em nós o gosto de querer bem, e o gosto da alegria sem a qual a prática educativa perde o sentido. É esta força misteriosa, as vezes chamada de vocação, que explica a quase devoção com que a grande maioria do magistério nele permanece, apesar da imoralidade dos salários. E não apenas permanece, mas cumpre, como pode, seu dever (p. 161).
Nessa obra portanto, expondo os sabores que considera necessários à prática docente, Paulo Freire oriente ao mesmo tempo em que incentiva os educadores e educadoras a refletirem sobre seus fazeres pedagógicos, modificando aquilo que acharem preciso, mas especialmente aperfeiçoando o trabalho, além de fazer a cada dia a opção pelo melhor, possibilidades de mudanças daquilo que sua visão necessita mudar.

Jorge Schemes - Teólogo e Psicopedagogo.

O SERVO SOFREDOR...

ANÁLISE LÉXICO-SINTÁTICA DE ISAIAS 53:11

Por: Jorge Schemes

Primeiramente é interessante considerar várias versões do texto sagrado para que tenhamos uma idéia geral de seu sentido básico.
“Depois de tanta aflição verá a luz, e ficará satisfeito. Com seu conhecimento meu servo justo justificará a muitos, e levará as iniqüidades deles” (Versão de N.R.V.).
“Pelas fadigas de sua alma verá a luz e se contentará. Por suas desfeitas justificará meu servo a muitos e as culpas deles ele suportará” (Bíblia de Jerusalém – Edição Espanhola).
“Verá o fruto do trabalho de sua alma e ficará satisfeito: com seu conhecimento meu justo servo justificará a muitos, pois ele mesmo carregará com suas iniqüidades”. (Santa bíblia, Versão Moderna, Sociedade Bíblica Americana).
“Depois de tanta aflição ele verá a luz, e ficará satisfeito ao sabê-lo, o justo servo do Senhor libertará a muitos, pois carregará a maldade deles”. (Versão Popular da Bíblia em Espanhol – Dios Habla Hoy).
“Livrada a sua alma dos tormentos verá, e o que verá satisfará a sua alma e seus desejos, o Justo, meu servo, justificará a muitos, e carregará com as iniqüidades deles”. (Sagrada Bíblia, Biblioteca de Autores Cristãos).
“Verá o fruto das preocupações de sua alma e ficará saciado. Este mesmo justo, meu servo, diz o Senhor, justificará a muitos com sua doutrina e pregação, e carregará sobre si os pecados deles”. (Bíblia Sagrada Versão Catelhana de Félix Torres Amat – Revista Católica).
“Ele verá o fruto das fadigas de sua alma, ele estará completamente satisfeito. Por seu conhecimento meu servo justo justificará a muitos, e ele levará os pecados deles”. (Minha Versão baseada em: The Interlinear Hebrew/Greek English Bible, Vol. 3).
Minha Versão em Hebraico em transliteração da Bíblia Hebraica (Isaias 53:11):
“ME AMAL NAPESHO YIRE ET YISEBO BEDA ETTO YASEDDYK ABEDDY LORABBYM WA AONOTAM HU YISEBBEL”.
Faremos uma análise das palavras AMAL = trabalho; e EVED = servo.

1. AMAL (trabalho) – É uma palavra que significa trabalho mas com os olhos na sua dificuldade. É trabalhar duramente com demasiado esforço. É o esforço de trabalhar suas mãos para terminar uma tarefa, mas sempre com uma atenção particular nas dificuldades. AMAL tem o significado do ato em si mesmo, mas também é o resultado do ato; que neste caso é o fruto ou produto do trabalho. O servo do Senhor não teria que sofrer por nada ou de graça, mas haveria uma recompensa por seu esforço.
Os cantos do servo são uma seqüência e há uma progressão que leva ao clímax em Isaias 52:13-53:12; no quarto canto do servo. Parece que o trabalho do servo é sem resultado, mas ele espera em Deus sua recompensa; é isso o que indica a palavra AMAL. Como exemplo temos a experiência de Jesus quando estava sofrendo na cruz e não havia ninguém que estivesse crendo nele, mas um dos ladrões foi sem dúvida o primeiro fruto do trabalho do Messias (Cf. Luc. 23:39-42).
Sem dúvidas Jesus Cristo “trabalhou tendo os seus olhos fixos não apenas nas dificuldades, mas também, e muito mais nos resultados”. (Cf. Mat. 26:36-46). Quando no Getsemâni sua humanidade reinou por um momento diante do sofrimento, mas com os olhos cheios de amor ele olhou ao futuro e viu os resultados de seu esforço, ele viu a cada um de nós.

2. EVED (servo) – Em Isaias a palavra, servo, aparece 61 vezes e destas 53 vezes ela está relacionada com YHWH, ou seja, “servo de Yahweh”. A raiz da palavra pode também ser traduzida como escravo. Além disso a palavra servo está determinada em seu sentido como conceito oposto (ADON) Senhor. Como conceito relacional, EVED adquire seu pleno significado, ou seja: servo subalterno, súdito, ministro.
Que um homem se denomine como servo de Deus, ou se chame servidor de Deus no AT é conseqüência natural da concepção de Deus como Senhor. A associação primária da palavra EVED não é a de estar submetido, mas a de pertencer ao Senhor e estar protegido por ele. A única diferença essencial na relação do servo entre os homens e entre o homem e Deus consiste em que o servo de um homem pode significar também uma gravíssima diminuição da existência, enquanto que ser servo de Deus significa sempre ter um bom Senhor. Nunca pode significar escravidão em sentido negativo.
Mais especificamente o significado de servo de YHWH nos cantos do servo de Deus (Isaias 42:1-53:12) só é possível esclarecer pelo conjunto dos textos. O sofrimento do servo (52:13-53:12) está estreitamente ligado com a atuação de Deus na história humana. Há comentaristas que sugerem que o servo de Deus descrito na perícopa é Ciro, ou Zorobabel ou mesmo o próprio Israel. Mas, temos de considerar que no texto o profeta fala claramente do servo como uma figura distinta de Ciro, Zorababel e Israel. O servo é retratado como uma figura individual, e além disso devemos considerar que ao ter fracassado o serviço de Israel a Deus, o próprio Deus se encarrega de eliminar o pecado do povo. Através de seu serviço atua YHWH como confirma o texto de Isaias 52:13-53:12.
De acordo com muitos comentaristas, muito se tem escrito sobre a identificação do servo do Senhor apresentado em Isaías 40-55; ainda que a expressão ocorra apenas em Isaías 42:19. Uma ampla relação do sentido da palavra servo tem sido feita, mas temos que considerar que o sentido e o uso da palavra servo no AT segue em textos do NT. Na LXX EVED é mais traduzido como DOULOS = escravo. De maneira muito significativa, Jesus é chamado de servo do Senhor (Cf. Atos 3:13, 26; 4:27,30), provavelmente identificado aqui como o servo de Isaías 53:11. O próprio Cristo se colocou em posição de servo, se humilhou até a morte e morte de cruz (Cf. Filip. 2:6-8), mas obteve a vitória eterna (V. 9-11). Baseado em atos 8:26-40 o servo de Isaías 53 é nada menos que o próprio Jesus (V. 35).

Bibliografia:

Archer, Gleason. Merece Confiança o Antigo Testamento? São Paulo: Vida Nova, 1991.

Davidson, Benjamin. The Analytical Hebrew and Choldee Lexicon. Michigan: Zondervan P.H., 1970.

Stuart, Douglas. Old Testament Exegesis: A Primer for Students end Pastors. Philadelphia: Westminster Press, 1984.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2004

HEGEL...

A FILOSOFIA DE HEGEL
Por: Jorge Schemes

A filosofia de Hegel é a tentativa de considerar todo o universo como um todo sistemático. O sistema é baseado na fé. Na religião cristã, Deus foi revelado como verdade e como espírito. Como espírito, o homem pode receber esta revelação. Na religião a verdade está oculta na imagem; mas na filosofia o véu se rasga, de modo que o homem pode conhecer o infinito e ver todas as coisas em Deus.
O sistema de Hegel é assim um monismo espiritual mas um monismo no qual a diferenciação é essencial. Somente através da experiência pode a identidade do pensamento e o objeto do pensamento serem alcançados, uma identidade na qual o pensar alcança a inteligibilidade progressiva que é seu objetivo. Assim, a verdade é conhecida somente porque o erro foi experimentado e a verdade triunfou; e Deus é infinito apenas porque ele assumiu os limitações de finitude e triunfou sobre elas. Similarmente, a queda do homem era necessária se ele devia atingir a bondade moral. O espírito, incluindo o Espírito infinito, conhece a si mesmo como espírito somente por contraste com a natureza.
O sistema de Hegel é monista pelo fato de ter um tema único: o que faz o universo inteligível é vê-lo como o eterno processo cíclico pelo qual o Espírito Absoluto vem a conhecer a si próprio como espírito (1) através de seu próprio pensamento; (2) através da natureza; e (3) através dos espíritos finitos e suas auto-expressões na história e sua auto-descoberta, na arte, na religião, e na filosofia, como Um com o próprio Espirito Absoluto.
O compêndio do sistema de Hegel, a "Enciclopédia das Ciências Filosóficas", é dividida em três partes: Lógica, Natureza e Espírito. O método de exposição é dialético. Acontece com freqüência que em uma discussão, duas pessoas que a princípio apresentam pontos de vista diametralmente opostos depois concordam em rejeitar suas visões parciais próprias, e aceitar uma visão nova e mais ampla que faz justiça à substância de cada uma das precedentes. Hegel acreditava que o pensamento sempre procede deste modo: começa por lançar uma tese positiva que é negada imediatamente pela sua antítese; então um pensamento seguinte produz a síntese. Mas esta síntese, por sua vez, gera outra antítese, e o mesmo processo continua uma vez mais. O processo, no entanto, é circular: ao final, o pensamento alcança uma síntese que é igual ao ponto de partida, exceto pelo fato de que tudo que estava implícito ali foi agora tornado explícito, tudo que estava oculto no ponto inicial foi revelado.
Assim o pensamento propriamente, como processo, tem a negatividade como um de seus momentos constituintes, e o finito é, como a auto-manifestação de Deus, parte e parcela do infinito mesmo. O sistema de Hegel dá conta desse processo dialético em três fases:
Lógica: O sistema começa dando conta do pensamento de Deus "antes da criação da natureza e do espírito finito", isto é, com as categorias ou formas puras de pensamento, que são a estrutura de toda vida física e intelectual. Todo o tempo, Hegel está lidando com essencialidades puras, com o espírito pensando sua própria essência; e estas são ligadas juntas em um processo dialético que avança do abstrato para o concreto. Se um homem tenta pensar a noção de um ser puro (a mais abstrata categoria de todas), ele encontra que ela é apenas o vazio, isto é, nada. No entanto, o nada "é". A noção de ser puro e a noção de nada são opostas; e no entanto cada uma, quando alguém tenta pensá-la, passa imediatamente para a outra. Mas o caminho para sair dessa contradição é de imediato rejeitar ambas as noções separadamente e afirma-las juntas, isto é, afirmar a noção do vir a ser, uma vez que o que ambas vem a ser é e não é ao mesmo tempo. O processo dialético avança através de categoria de crescente complexidade e culmina com a idéia absoluta, ou com o espírito como objetivo para si mesmo.
Natureza: A natureza é o oposto do espírito. As categorias estudadas na Lógica eram todas internamente relacionadas umas às outras; elas nascem umas das outras. A natureza, no entanto, é uma esfera de relações externas. Partes do espaço e momentos do tempo excluem-se uns aos outros; e tudo na natureza está em espaço e tempo e assim é finito. Mas a natureza é criada pelo espírito e traz a marca de seu criador. As categorias aparecem nela como sua estrutura essencial e é tarefa da filosofia da natureza detectar essa estrutura e sua dialética; mas a natureza, como o reino da "externalidade", não pode ser racional seqüencialmente, de modo que a racionalidade prefigurada nela torna-se gradualmente explícita quando o homem aparece. No homem a natureza alcança a autoconsciência.
Espírito: Aqui Hegel segue o desenvolvimento do espírito humano através do subconsciente, consciente e vontade racional. Depois, através das instituições humanas e da história da humanidade como a incorporação e objetivação da vontade; e finalmente para a arte, a religião e filosofia, na qual finalmente o homem conhece a si mesmo como espírito, como Um com Deus e possuído da verdade absoluta. Assim, está então aberto para ele pensar sua própria essência, isto é, os pensamentos expostos na Lógica. Ele finalmente voltou ao ponto de partida do sistema, mas no roteiro fez explícito tudo que estava implícito nele e descobriu que "nada senão o espírito é, e espírito é pura atividade".
Nos trabalhos políticos e históricos de Hegel, o espírito humano objetiva a si próprio no seu esforço para encontrar um objeto idêntico a si mesmo. A Filosofia do Direito cai em três divisões principais. A primeira trata da lei e dos direitos como tais: pessoas (isto é, o homem como homem, muito independentemente de seu caráter individual) são o sujeito dos direitos, e o que é requerido delas é meramente obediência, não importa que motivos de obediência possam ser. O Direito assim é um abstrato universal e portando faz justiça somente ao elemento universal na vontade humana. O indivíduo, no entanto, não pode ser satisfeito a menos que o ato que ele faz concorde não meramente com a lei mas também com suas próprias convicções conscientes. Assim, o problema no mundo moderno é construir uma ordem política e social que satisfaça os anseios de ambos. E assim também, nenhuma ordem política pode satisfazer os anseios da razão a menos que seja organizada de modo a evitar, por uma parte, a centralização que faria os homens escravos ou ignorar a consciência e, por outra parte, um antinomianismo (argumentação que se desenvolve por meio de antinomias: as proposições mutuamente excludentes) que iria permitir a liberdade de convicção para qualquer indivíduo (liberalismo) e assim produzir uma licenciosidade que faria impossível a ordem política e social.
O Estado que alcançasse essa síntese, haveria de apoiar-se na família e na culpa. Seria talvez diferente de qualquer estado existente nos dias de Hegel; é uma forma de limitada monarquia, com governo parlamentarista, julgamento por um júri, e tolerância para judeus e dissidentes. Seria diferente de qualquer estado existente nos dias de Hegel.
Na Filosofia da História Hegel pressupôs que a historia da humanidade é um processo através do qual a humanidade tem feito progresso espiritual e moral e avançado seu auto-conhecimento. A história tem um propósito e cabe ao filósofo descobrir qual é. Alguns historiadores encontraram sua chave na operação das leis naturais de vários tipos. A atitude de Hegel, no entanto, apoiou-se na fé de que a história é a representação do propósito de Deus e que o homem tinha agora avançado longe bastante para descobrir o que esse propósito era: ele é a gradual realização da liberdade humana.
O primeiro passo era fazer uma transição da vida selvagem para um estado de ordem e lei é a revolução. Em muitos pontos o pensamento de Hegel serviu aos fundamentos do marxismo, e um deles é sua concepção de que os Estados têm que ser encontrados por força e violência pois não há outro caminho para fazer o homem curvar-se à Lei antes dele ter avançado mentalmente tão longe suficiente para aceitar a racionalidade da vida ordenada. Alguns homens aceitarão as leis e se tornarão livres, enquanto outros permanecerão escravos. No mundo moderno o homem passou a crer que todos os homens, como espíritos, são livres em essência, e sua tarefa é, assim, criar instituições sob as quais eles serão livres de fato.



quarta-feira, 8 de dezembro de 2004

JUVENTUDE OU JUVENTUDES?

JUVENTUDE OU JUVENTUDES?
Acerca de como olhar e re-olhar as juventudes de nosso continente

Resenha do Texto de: klaudio Duarte Quapper

Por: Jorge Schemes

Em nosso continente latino-americano há duas concepções a respeito do mundo juvenil. Primeira: Conservadora e funcionalista baseada nas ciências sociais e médicas, afetando os imaginários coletivos. Segunda: Integral e progressista (contraposição), abrindo espaços no mundo acadêmico, nas sociedades e entre educadores envolvidos em setores empobrecidos atingindo os jovens. Estas duas concepções (versões) a respeito das juventudes convivem juntas.
A incapacidade de muitas instituições públicas e privadas de responder as demandas e necessidades dos jovens tem levado a juventude a buscar e suprir suas necessidades e sonhos fora dos canais tradicionais ou institucionalizados. Estes jovens têm criado fórmulas próprias de expressão de seus interesses coletivos e individuais. Há uma distância entre o mundo juvenil e o mundo adulto, nas famílias, nas escolas, nas comunidades locais, organizações e nos próprios grupos de jovens. É preciso construir olhares que integrem as diferentes visões, incluindo o que os próprios jovens dizem de suas necessidades, sonhos, estilos de vida, expressões, agrupações, resistências, etc. Outra questão a ser considerada é que termo usar: juventude ou juventudes? A epistemologia do juvenil exige um olhar deste mundo social a partir da diversidade, do reconhecimento da heterogeneidade no universo juvenil, pois o jovem rico não é o mesmo do empobrecido, e a mulher jovem não é a mesma que o homem jovem. A construção de um olhar, sobre a juventude do nosso continente sob uma nova ótica não tradicional, é necessária.
Há vários sentidos simultâneos quando se fala em juventude em nossa sociedade. Primeiro: clássico ou tradicional - O qual define a juventude como uma etapa da vida, neste sentido há duas concepções: 1. Uma etapa distinta de outras no ciclo de vida humano, como a infância, vida adulta e velhice. As mudanças próprias da puberdade que assinalam o ingresso a um novo momento de desenvolvimento do ciclo vital. 2. Preparação para o ingresso no mundo adulto. Os dois sentidos estão intimamente ligados. Maturidade sexual e orgânica, essa maturação fisiológica seria a causa da integração adequada ao mundo adulto, mas também as possibilidades que cada jovem tem de participar no mercado da produção e do consumo. O problema é que esta idéia trata igualmente os (as) jovens e não considera a diversidade de situações do cotidiano social. No imaginário coletivo o mundo jovem é uma mudança e um preparo para o mundo adulto. Esta é a idéia central nos discursos das ciências sociais e médicas por décadas. Desta forma, o juvenil perde importância em si mesmo, pois sempre será avaliado em função dos parâmetros estabelecidos pelos adultos.
Segundo: A juventude é classificada por faixa etária ou idade. A idade é um dado manipulado e manipulável. Exemplo: o fato de se referir aos jovens como uma unidade social com interesses comuns, com condutas e responsabilidades esperadas de acordo com a idade.
Terceira: Versão que se refere à juventude como um conjunto de atitudes diante da vida (espírito empreendedor e jovial). O que é moderno é que é jovem, a partir de uma referência de matriz adultocêntrica de compreensão e autocompreensão do mundo e em suas relações sociais. O mundo adulto é o responsável de formar e preparar as gerações futuras visando sua adequação ao desempenho das funções no mundo adulto, como trabalhadores, cidadãos, chefes de família, consumidores, etc. No caso das escolas de Ensino Médio, os estudantes e seus professores têm uma relação de estudantes e docentes, e não enquanto pessoas jovens, perdendo assim a possibilidade de aprender dos jovens e de construir junto à comunidade. O problema é que o mundo adulto olha para os jovens e as jovens a partir de uma aprendizagem que impõem a socialização adultocêntrica em que nossas culturas se desenvolvem. Ao mesmo tempo, muitos jovens internalizam estas imagens e discursos e se conformam em ser como dizem que são.
Quarta: Versão que surge da anterior, a qual coloca a juventude como a geração futura. Esta versão tende a instalar preferencialmente os aspectos normativos esperados das jovens e dos jovens como indivíduos em preparação para o futuro. Outra forma de desalojar e desistorizar os (as) jovens é estabelecer a idéia de que a juventude é o momento da vida em que se pode provar. Desta idéia surge o discurso permissivo de que a juventude é a idade da irresponsabilidade e também um discurso repressivo que pretende manter os (as) jovens dentro das margens e limites impostos.

Armadilhas Para Compreender e Autocompreender-se no Modo de Vida Juvenil:
Temos denominado esta matriz adultocêntrica (adultrocentrismo) como aquela que situa o adulto como ponto de referência para o mundo juvenil em função do que deve ser e do que deve fazer para ser considerado na sociedade (amadurecimento, responsabilidade, integração ao mercado de consumo e de produção, reprodução da família, participação cívica, etc). Isto se trata de uma corrente de pensamento e ação social que discrimina e rejeita formas propriamente juvenis de viver a vida. (Há no mínimo quatro armadilhas (concepções equivocadas) que apresentam esta forma adultocêntrica de conceber a juventude dentro da sociedade: 1ª) A universalização como homogeneização, ou seja: “os jovens são todos iguais”. O conceito de que existe uma só juventude, singular e total ao mesmo tempo. No entanto, o reconhecimento da heterogeneidade, a diversidade e a pluralidade são eixos para um novo olhar das juventudes em nosso continente. 2ª) As versões tradicionais se referem a permanente estigmatização que se faz do grupo social da juventude e de suas práticas e discursos, apresentando os jovens como um problema para a sociedade. Esta concepção está fundamentada nos preconceitos e estereótipos. 3ª) A terceira armadilha consiste na parcialização da complexidade social como mecanicismo reflexivo. A divisão por etapas do ciclo vital responde a uma visão instalada com força nos imaginários sociais em nossas sociedades latino-americanas. 4ª) A quarta armadilha está relacionada com a idealização da juventude como os salvadores do mundo. Se lhes atribui uma responsabilidade como os portadores das esperanças de mudanças e transformações das distintas esferas da sociedade pelo simples fato de serem jovens.
Estas distintas armadilhas revelam o fato de que se tem estabelecido com força a certeza da existência de uma só juventude que pretende englobar o que na realidade é um complexo e entrelaçado universo social, impossível de significar com um conceito que assume múltiplos sentidos. A juventude sempre foi vista com uma lente que a observou como uma unidade indivisível, uniforme e invariável. Este olhar dominante é que tem sustentado por longo tempo que existe uma só juventude. Na verdade esta juventude não existe e nunca existiu como tal, senão na construção feita por aqueles que a olham e na versão que é produzida como resultado deste olhar unilateral. A juventude é uma construção cultural, intencionada, manipulável e manipulada, que não consegue dar conta de um conjunto de aspectos que requer um olhar integrador e profundo a respeito de sua complexidade. Se a sua construção tem sido por meio da homogeneização, a estigmatização, a parcialização e a idealização, entre outras armadilhas, é possível estabelecer o desafio epistemológico de construí-las desde outros parâmetros que humanizem aqueles que vivem sua vida como jovens.

Pistas para um novo olhar das juventudes:
Uma primeira pista se refere à necessidade de aprender a olhar e conhecer as juventudes como portadoras de diferenças e singularidades, as quais constroem sua pluralidade e diversidade nos distintos espaços sociais.
A segunda pista está relacionada com a necessidade de focar olhares caleidoscópios até ou desde o mundo juvenil que permitam reconhecer a riqueza da pluralidade juvenil. Isso exige esforço, pois exige deixar de lado o telescópio, aquele instrumento que permite imagens fixas, para começar a usar o caleidoscópio, aquele que permite olhares múltiplos, diversos, ricos em cores e formas a cada movimento. Para capturar a complexidade das juventudes em nossas sociedades, é vital a realização cada vez mais profunda e precisa deste exercício de olhar caleidoscopicamente seus mundos, suas vidas, seus sonhos, etc.
Uma terceira pista vinculada à anterior, tem relação com deixar de lado o telescópio usado para olhar os (as) jovens. Por muito tempo os olhares predominantes têm sido os das instituições, as quais se distanciaram dos (as) jovens. O que se requer neste novo esforço epistemológico é sair às ruas, vincular-se com os (as) jovens, ouvir suas falas, olhar suas ações, sentir seus aromas, perceber sua presença.
Uma quarta pista, busca a superação da rigidez mecanicista com que se tem olhado e se tem falado da juventude. Há a necessidade de estabelecer conceitos em torno do mundo juvenil, não com a pretensão de gerar categorias totalizantes e universalizadoras, mas conceitos dinâmicos e flexíveis que se aproximem progressivamente dos sujeitos e sujeitas que são objetos de estudo, ou seja, os (as) jovens, as juventudes, as expressões juvenis e os processos de juvenilização.
A partir destas pistas se faz necessário estabelecer eixos que devem ser considerados na leitura do mundo juvenil:
1º Eixo: Considerar que o mundo juvenil se constitui a partir de um certo modo de viver-sobreviver diante da tensão existencial. Trata-se de um momento da vida, o qual não depende da idade, e que se encontra fortemente condicionado pela classe social a qual pertence, o gênero que se possui, a cultura na qual está inserido cada jovem e seus grupos.
2º Eixo: Considerando a produção do mundo juvenil, tem relação com os distintos modos de agrupar-se no espaço, que se caracterizam basicamente pela tendência ao coletivo com uma certa organização própria que os distingue e que geralmente não segue os canais tradicionais.
3º Eixo: Considerando a construção do mundo juvenil em nosso continente refere-se aos novos modos de participar na sociedade.
Estes três eixos em torno da existência das juventudes em nosso continente compõem em conjunto o processo de construção de identidade que hoje se dá entre os (as) jovens. As juventudes cobram vida, se mostram, nos mostram seus diferentes estilos e estéticas, e podemos assumir uma epistemologia integradora, ampla e compreensiva do mundo juvenil. Se conseguirmos mudar nossos olhares, certamente estaremos em condições de nos aproximarmos mais dos grupos juvenis e entender melhor suas expressões próprias de sonhos, esperanças, conflitos, temores e propostas.

Jorge Schemes:

Bacharel em Teologia Línguas Bíblicas (Grego e Hebraico)
Licenciado em Pedagogia - Habilitação em Administração Escolar e Séries Iniciais.
Pós-Graduado em Interdisciplinaridade na Formação de Professores com Especialização em Metodologia do Ensino Superior.
Pós-Graduado em Psicopedagogia Clínica e Institucional.
Licenciado em Ciências da Religião - Licenciatura Plena em Ensino Religioso.
Técnico Pedagógico na Gerência da Educação e Inovação de Joinville, SC.






sexta-feira, 29 de outubro de 2004

SÍMBOLOS RELIGIOSOS

O USO DE SÍMBOLOS RELIGIOSOS NAS ESCOLAS PÚBLICAS

Por: Jorge Schemes*


A Lei nº 9.475, de 22 de julho de 1997 dá nova redação ao Artigo 33 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabeleceu as diretrizes e bases da educação nacional, ou seja: “O Ensino Religioso, de matrícula facultativa, é parte integrante da formação básica do cidadão, constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, vedadas quaisquer formas de proselitismo”. - Grifo nosso. (Entenda-se a palavra proselitismo como a intenção de conseguir adeptos para serem convertidos a uma outra religião, crença ou doutrina). Sendo assim, a prática da ação pedagógica do Ensino Religioso nas escolas da rede pública do Brasil merece cuidados e atenção especial.
O Artigo 33 da LDBEN (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional) é claro quando afirma que o Ensino Religioso não deve ser norteado por nenhuma forma de proselitismo. Como formas de proselitismo dentro da Unidade Escolar podemos mencionar algumas, tais como: catequese (entenda-se por catequese o ensino religioso sistemático adotado pelas igrejas cristãs visando ao aprofundamento teórico e prático da fé evangélica); a preferência por determinada religião ou doutrina em detrimento das demais; o estabelecimento de juízo de valor entre as religiões, definindo qual é a religião verdadeira ou melhor e quais são as falsas ou tidas como heréticas.
O(A) professor(a) de Ensino Religioso é a peça central nesta questão, e acima de tudo deve ser ético e imparcial. Por essa razão, primeiramente precisa estar muito seguro(a) de sua crença (entenda-se por crença a convicção íntima e pessoal a respeito de algo que se tem por certo e verdadeiro. Fé religiosa). Também precisa receber formação específica, ou seja: graduação em Ciências da Religião com Habilitação e Licenciatura Plena em Ensino Religioso, pois o Ensino Religioso é uma área do conhecimento humano historicamente elaborado. Segundo o PCNER (Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Religioso), “a escola, por sua natureza histórica, tem uma dupla função: trabalhar com os conhecimentos humanos sistematizados, historicamente produzidos e acumulados, e criar novos conhecimentos. Todo o conhecimento humano torna-se patrimônio da humanidade. A sua utilização, porém, depende de condições sociais e econômicas bem como das finalidades para as quais são utilizadas. Nem todo o conhecimento é de interesse de todos. Um conhecimento político ou religioso pode não interessar a um grupo, mas, uma vez produzido, é patrimônio humano e como tal deve estar disponível. O conhecimento religioso é um conhecimento disponível e, por isso, a escola não pode recusar-se a socializá-lo. Por questões éticas e religiosas, e pela própria natureza da escola, não é função dela propor aos educandos a adesão e vivência desses conhecimentos, enquanto princípios de conduta religiosa e confessional, já que essas são sempre propriedades de uma determinada religião”. – grifo nosso. Diante disso, fica claro que a função da escola, enquanto instituição de ensino, não é a de promover as práticas religiosas ou incentivar a adesão e a vivência dos conhecimentos religiosos, isso seria uma forma de proselitismo. Outra questão que precisa ser analisada é a que diz respeito a adoção e o uso de símbolos religiosos pela escola. Antes, porém, é importante fazer algumas considerações sobre o significado do símbolo.
Antes da linguagem está o símbolo. Primeiro vêm os símbolos depois os conceitos. Mesmo o esoterismo e o arcano (segredo guardado) necessitam dos símbolos. O símbolo é a mediação do homem e o transcendente. O símbolo dá um segundo sentido às coisas profanas, o primeiro sentido é o que é, o segundo sentido é constituído pelo ser humano. O símbolo transignifica, ou seja; tem um significado além do que significa. O símbolo substitui palavras, representa, ilustra, reduz e amplia o significado. O símbolo é feito. O símbolo é polissêmico, ou seja: tem vários significados (polivalente). O símbolo é sintético quando deixa de ser polissêmico e passa a ser apenas um. O símbolo é relacional para quem experimenta o mistério que ele representa. O símbolo é permanente mas pode ser extinto pelo que são e como são. O símbolo geralmente é universal, pois há símbolos particulares. O símbolo é pré-hermenêutico (interpretação), lingüística e extralingüística. Por ser pré-hermenêutico o símbolo é signo aberto, interpretado dentro de uma determinada cosmovisão. O símbolo é totalizador. Translúcido nas coisas como são. O símbolo não pode ser forçado, tem que ter uma lógica. O símbolo tem uma função social. É gerador de um vínculo entre os seres humanos. A existência do símbolo é um ato social e um fato social como linguagem.
Diante disso, faz-se necessário o questionamento do uso de símbolos religiosos dentro das unidades escolares da rede pública de ensino? Não é incomum algumas escolas pendurarem crucifixos nas salas de aula, secretaria e sala dos professores. Seria isso uma forma de proselitismo? O fato é que nem todos dentro das escolas públicas são membros da Igreja Católica Apostólica Romana, e por diversas razões não aceitam este símbolo. E o que dizer dos professores que iniciam suas aulas com uma oração ou prece específica de alguma religião? E quanto ao sinal da cruz? Quem é evangélico não tem o hábito de fazê-lo. Como podemos perceber, o assunto é delicado, porém a LDBEN é esclarecedora quanto ao proselitismo.
O que está acontecendo na França pode servir de exemplo e alerta no que diz respeito ao uso de símbolos religiosos dentro das unidades escolares da rede pública de ensino. Depois de repudiar o véu islâmico usado por alunos, as escolas públicas da França rejeitaram também o turbante usado por alunos Sikhs. A nova Lei proíbe o uso nas escolas de qualquer sinal religioso considerado ostensivo – como o solidéu judaico ou a cruz católica – os Sikhs não escaparam. Eles usam um enorme turbante na cabeça porque a religião proíbe que cortem os cabelos. Ou seja, o turbante é um sinal de religiosidade. Alguns alunos estão sendo expulsos e outros proibidos de entrar em sala de aula por se negarem a tirar o turbante. Isso causou um impasse judicial, o qual levou o Governo Francês a sugerir a criação de Conselhos Disciplinares dentro das unidades escolares, abrindo espaço para o direito de defesa dos alunos que se sentirem excluídos ou discriminados.
A princípio, a decisão do Governo francês “parece” coerente com o que propõe o Artigo 33 da LDBEN, mas não é. Devemos considerar duas dimensões: a Unidade Escolar, enquanto instituição pública de ensino; e o aluno, enquanto cidadão pleno em seus direitos e deveres. Um símbolo religioso, quando adotado oficialmente pela Unidade Escolar enquanto Instituição Pública, pode causar constrangimento às minorias religiosas representadas no corpo discente, docente e demais funcionários, bem como constituir uma forma de proselitismo. Todavia, quando um símbolo religioso é usado individualmente por determinado aluno ou aluna, o critério deveria ser diferente. Na sociedade brasileira a liberdade de crença é um direito individual garantido na Constituição Federal Brasileira, em seu Artigo 5º - VI, o qual diz: “É inviolável a liberdade de consciência e de crença...”. Assim, é um direito dos alunos e alunas, bem como de professores (as) das escolas públicas usarem símbolos religiosos sem sofrerem qualquer discriminação por isso, mas esse direito não pode ser usado para a prática do proselitismo. Quanto a escola, na condição de órgão público, não pode adotar oficialmente nenhum símbolo religioso para fazer parte de seu cotidiano pedagógico. Por outro lado, enquanto espaço de diversidades culturais e religiosas, a escola deve aproveitar as diferentes manifestações simbólicas presentes na vida de seus alunos para um fazer pedagógico interdisciplinar, estabelecendo e promovendo o diálogo inter-religioso, com ênfase no respeito pelo diferente e na ética da alteridade. As ações pedagógicas do Ensino religioso precisam ser direcionadas partindo da realidade dos alunos e da comunidade local, no sentido de construir uma cultura de paz e respeito entre as diferentes manifestações religiosas, promovendo o estudo do fenômeno religioso (Entenda-se por fenômeno religioso algo que se mostra, revela ou manifesta-se na experiência humana; é o resultado do processo de busca que o homem realiza na procura do transcendente. O fenômeno religioso pode ser explicitado pela existência de um núcleo em que se realizam experiências, vivências, acontecimentos, busca de um sentido, de significado último, que atingem a vida em sua globalidade, em sua radicalidade, com intensidade).
Também é pertinente considerar que, quando o Parlamento Francês proibiu o uso de símbolos religiosos ostensivos nas escolas públicas, o fez em defesa do caráter laico do Estado. Essa visão e postura discriminatória em relação ao uso de símbolos religiosos por parte dos alunos, reduz a escola a um santuário, uma espécie de igreja, na qual os alunos têm de tirar tudo que representa o sagrado. Mas outros símbolos podem entrar livremente, como Nike, Coca-Cola e propagandas políticas. A preservação da laicidade é uma obrigação da escola enquanto espaço público, logo, quem representa o Estado tem a obrigação de ser neutro, não o aluno, pois sua liberdade de consciência deve ser respeitada. A Lei francesa sobre o uso de símbolos na escola pública está privatizando o espaço escolar, transformando-o em santuário, o que é perigoso. Quando alguém entra numa mesquita (templo muçulmano), tira o sapato, mas quando o aluno entra na sala de aula, a mística é pedagógica, pois a mesquita pertence aos muçulmanos, é um lugar de culto e tem uma mística espiritual, enquanto que a escola pertence aos cidadãos. A escola é um lugar para todos, indistintamente, um lugar de todos os cidadãos com todas as suas diferenças e especificidades. O Estado aceita as diferenças de diversidades culturais religiosas com a condição de que se respeitem as regras de convivência comuns a todos. E não há nada nos símbolos religiosos usados por alunos que vá contra essas regras comuns.
Portanto, diante desta realidade, o Ensino Religioso destaca-se enquanto área do conhecimento dentro do contexto escolar, atuando como mediador de conflitos e construtor de uma cultura de paz e solidariedade entre as diferenças manifestadas no uso individual de símbolos sagrados. Pois o Ensino Religioso não vê a diversidade e os símbolos religiosos como obstáculos, mas como recursos pedagógicos a serem utilizados no diálogo inter-religioso, objetivando a formação de cidadãos solidários e comprometidos com a efetivação dos direitos humanos universais.
*Jorge Schemes:
Licenciado em Ciências da Religião pela FURB - Blumenau, SC.

quinta-feira, 28 de outubro de 2004

POESIAS...

SEGREDOS...

São pequenas e grandes...
São bonitas e diferentes...
São boas e puras...
São simbólicas e reais...

São corretas e verdadeiras...
São sinceras e importantes...
São brilhantes e iluminadas...
São lindas e especiais...

São únicas e preciosas...
São inspiradas e compreensivas...
São grandiosas e esplêndidas...
São humanas e divinas...

São metáforas e comparações...
São poesias e versos...
São calmas e harmônicas...
São refúgio e fortaleza...

São consoladoras e amigas...
São companheiras e otimistas...
São soluções e saídas...
São inesquecíveis e marcantes...

São as palavras que, em segredos...
...Vêm de você!
Jorge Schemes
Joinville, 11/03/2002.

MORTE

Intensidade...vontade de viver...força e poder!
Futuro...tudo é planos...ao olhar o infinito...
Olhar distante....cheio de sonhos, esperanças e vitórias!
Oh...Suas glórias...parecem perdidas ante a dor e a realidade da morte...
Triste sorte...morte...é cedo para chegares, mas estás diante de nós!

Jorge Schemes
17/05/1991 - Florianópolis, SC
GOSTARIA DE SER POETA...

Querida e amada estrela que brilha e ilumina minhas trevas...
Gostaria de ser poeta...
...e expressar em palavras fortes e eloqüentes...
Gostaria de ser poeta...
...e expressar em rima algum verso...
Gostaria de ser poeta...
...mas o que sinto dentro de mim é pura poesia...
Gostaria de ser poeta...
...como entendê-la?...
...basta ser poeta...
...basta ter sentimentos e emoções...
Gostaria de ser poeta...
...e expressar nas palavras o líntimo da alma...
Gostaria de ser poeta...
...para dizer que te amo e sem você não poderia ser...
À você...minha vida...minha amada...estrela que brilha nas minhas trevas...

Jorge Schemes
18/05/1991 - Florianópolis, SC

O QUE SOU...

O que penso...o que sei...e até o que não sei...
Isso faz de mim o que sou!
Sorrir...chorar...amar...odiar...viver e morrer...
Isso faz de mim o que sou!
Amigos...costumes...defeitos e virtudes...
Isso faz de mim o que sou!
Quem somos...o que seríamos?
Depende de cada um de nós ser...
Depende do correto uso da energia vital...
Depende do correto uso da mente...
Depende do correto uso de poder escolher...
Isso fará de mim o que desejo ser!

Jorge Schemes
18/05/1991 - Florianópolis, SC

OLHE...

Olhe para baixo e fixe o olhar na terra...
Olhe para os lados e perceba o mundo...
Olhe para trás e não cometa os mesmos erros...
Olhe para frente e prossiga com fé e otimismo...
Olhe para o alto e creia que existe Deus!

Jorge Schemes
18/05/1991 - Florianópolis, SC

SORRISO LINDO...

Lembranças de um sorriso lindo...meigo...feminino...
Sorriso que iluminava meu coração...
Sorriso lindo e brilhante como as estrelas...
Amo o seu sorriso...ainda...e jamais vou equecê-lo!
Minha menina linda...sorria...eu te amo...
Sorria para mim mais uma vez...o teu sorriso tem poder...
Querida...amada...amo o teu sorriso...sorria...

Jorge Schemes
19/05/1991 - Florianópolis, SC

QUEM É VOCÊ...

Quem é você que titubeia em seu coração?
Ser tão frágil...semelhante és ao pó!
Perecível...passageiro...cheio de glórias temporais!
Quem é você para colocar o coração na dúvida?
Dúvida da existência de alguém imortal...
Quem é você que levanta arrogantemente os punhos cerrados?
Desafiarias a eternidade? Tu que és mortal e finito...
Compreenderias tudo a respeito do imaterial?
Se ao menos fosses capaz de compreender o que vês?
Quem é você que luta em seu coração contra a fé?
Não sejas incrédulo...creia...Deus existe!

Jorge Schemes
04/06/1991 - Florianópolis, SC.

VENTO...

Vento...vento...vento que sopra com poder...
Vento...vento que demonstra seu querer...
Vento que afliges o desamparado...
Que perturba a paz noturna...
Que sopra com poder...
Vento...vento...vento que sopra no calor...
Vento...vento que atormenta com rigor...
Vento que magoa a alma nua...
Que traz aflição ao coração...
Que sopra com energia...
Vento...vento...vento que viola os direitos...
Vento...vento que é senhor do ar...
Vento que cogela o pobre...
Vento que traz dor ao coração...
Que assusta e destrói...
Que sopra e se vai...

Jorge Schemes
31/07/1991 - Florianópolis, SC.

LUGAR SOLITÁRIO...

Fui a um lugar solitário...
Subi no alto de uma montanha...
Fui a um retiro secreto e me tornei único...
Unido apenas ao som do mar...
Ao sopro constante do vento...
Ouvindo o cântico dos pássaros...
Podia sentir as batidas de meu próprio coração...
Lugar solitário...no cume do monte...
Na beira do mar...junto às aves...ao som do oceano...
Lugar solitário...nos braços da paz...
Podia ouvir o som do mar...do vento...dos pássaros e as batidas do meu próprio coração...solitário...

Jorge Schemes
28/12/1991 - Florianópolis, SC.

LEMBRANÇAS...

Lembranças de um passado colorido e distante...
Lembranças...lembranças...alegrias...tristezas...
Diante de nós sempre presentes no quadro da vida...
Nos acompanham...nos deixam vivos...
Sem lembranças...não haveria o momento presente...vida...
Lembranças...não são apenas lembranças...pensamentos...
O momento...presente...para ser vivido...vivido bem...
Lembranças estão sempre vivas diante de nós...
Trazem alegrias...lágrimas...tristezas...e a vida que passa rapidamente...
Passa...como um vento...se vai e nos deixa com lembranças...
Lembranças que fazem de nós o que somos...
Lembranças que abrem nossos olhos para as oportunidades...
Oportunidades perdidas...momentos vividos...a história da nossa vida...
Diante de nós está o presente...para ser vivido...o agora...
O nosso hoje...trará à nossa mente o amanhã...lembranças...

Jorge Schemes
31/12/1991 - Florianópolis, SC.

VIVER INTENSAMENTE...

Viver intensamente é viver o presente...o momento...
É sentir a vida fluir dentro de nosso ser...é querer...
Viver intensamente é se envolver...é procurar...
Cada gota de vida é preciosa...cada fragamento de tempo é único...
Vivemos intensamente quando nos interessamos...quando realizamos...
Viver intensamente significa viver de maneira... inteligente...envolvente...
É vontade...é poder...é desejo de crescer...
Sonhar e pensar...agir e sentir...
Sentir cada momento...
Colocar cada pedaço do nosso ser naquilo que fazemos...
É sentir o prazer de viver...de falar...de olhar...
É a alegria de tocar...perceber...ser...
Perceber o que nos cerca e não se inquietar...
Viver intensamente...mas não esquecer que há uma razão superior...
Que merece nossa atenção...nosso coração...
Vivemos intensamente quando o interesse nasce dentro de nós...
Quanto maior o número de pessoas e coisas nos interessar...
Mais intensa a vida será...
Viver intensamente é viver...o presente...o momento...

Jorge Schemes
20/03/1992 - Joinville, SC

PODEMOS CRIAR...

Todos na vida têm a oportunidade de criar...
Criar alegrias e satisfações...
Criar fatias de amor e pedaços de ternura...
Criar momentos inesquecíveis nos corações...
Criar a paz e a boa vontade...
Criar o que é verdadeiramente eterno...
Criar virtudes e valores...
Criar atitudes que não têm preço:
Um sorriso...um aperto de mão...palavras de apreciação...
Podemos criar...criar...criar...
Criar coisas boas e eternas...

Jorge Schemes
20/03/1992 - Joinville, SC

NOSSA HISTÓRIA...

Cada vida é uma história...
História marcada...pela luta...pelo sofrimento...pela dor...pelo prazer de viver...
Marcada muitas vezes por decepções e amarguras...
Há momentos de alegria e satisfação...
Cada vida é única...
Histórias com capítulos de esperança...

Jorge Schemes
22/03/1992 - Joinville, SC

ENCONTRO...

Palmilhando a rua escura pela noite à fora...
O vento batia com força a face desnuda...
Frio...gélido...endurecia a alma...
Andava errante sem saber meu rumo...
Porém ao ouvir a voz do Mestre...
Senti calor e alegria...
Sabia...eu não estava só...
Jesus...o calor da vida comigo ia...
Hoje...a paz e a segurança...
São resultados deste encontro...
Encontro cheio de emoção...
Quando lhe entreguei meu coração...

Jorge Schemes
18/04/1992 - Joinville, SC

MÃE...

Mãe...mulher de coragem...
Lutadora...guerreira...
Meiga...doce...forte e destemida...
Disposta...sempre altaneira...
Mãe...minha eterna gratidão...
Por todo amor concedido...
Pelas preces constantes...
Pelos conselhos cheios de sabedoria...
Por todo tempo cedido...
Mãe...mulher de coragem...
Lutadora...vencedora...
Agora não vejo mais o teu sorriso...
Os teus olhos adormeceram...
O teu corpo sofrido descansa em paz...
Sinto saudades...
Há dor no coração deste teu filho...
Mas jamais haverá esquecimento de ti...

Jorge Schemes
30/05/2002 - Joinville, SC

IMORTALIDADE...

Cada segundo é precioso...é tempo que não volta mais...
A vida se constitui de momentos...situações...loucas e especiais...
Talvez você não perceba ainda...mas tudo é fugaz...
Diante da realidade da morte...somente Cristo satisfaz...
Quando penso nesta vida...tão frágil e incerta...
A qualquer momento um acidente...uma bala nos acerta...
A violência aumenta...e com ela o amor não desperta...
Há uma realidade maior do que aquela que vemos...
Por esse motivo lemos a bíblia e cremos...
Que um dia para o lar celestial iremos...
Pela graça do nosso Deus...imortais seremos...

Jorge Schemes
09/07/1993 - Florianópolis, SC

SOLIDÃO...

Minha alma está fria...o vento da solidão a congelar...
Invade meu ser cada espaço...cada milímetro...
Meu corpo...minha mente...meu coração...minha vida...
Solidão cruel...fria...gélida...minha alma está fria...
O vento gelado da solidão...ninguém...alguém...
Todos...me sinto só...estou triste...estou aflito...
Só ouço o vento da solidão entre as paredes...dentro do meu coração vazio...
Solidão...ele diz...sopra e diz...solidão
Não há ninguém...não há nada...apenas solidão...solidão...solidão...solidão...solidão...solidão...

Jorge Schemes
26/06/1994 - Florianópolis, SC

ESTOU SÓ...

O que significa viver?
A vida é um caos...`
É vazio cheio de angústia e solidão...
É um espaço insignificante e tedioso...
É dor interior...medo...desilusão...desamor...
É um vazio cheio de solidão...solidão...solidão...
Não há ninguém...nenhum amigo em toda multidão...
Não se estende nenhuma mão...
Só há dor...a dor da solidão...com sua mão fria e vazia...
Mesmo quando há gente por todos os lados...
Passando pra lé e pra cá...
Só há a solidão sem emoção...sem coração...estendendo a mão...
Só resta a mão fria e vazia da solidão...
Solidão que consome...que causa dor...que mata a alma...
A vida é morte...é eterna solidão...até encontar alguém que estenda a mão...

Jorge Schemes
17/07/1994 - Florianópolis, SC

JESUS...

O que dizer diante do seu glorioso nome?
Jesus...nome poderoso...rei universal...imperador da paz...
Teu nome Senhor...é único...Jesus...Jesus...Jesus é o nome sem igual...
É tudo que satisfaz...minha alma almeja vê-lo...
Com desvê-lo...devoção e amor...Jesus é o Senhor...Senhor...
Jesus é o que precisamos...a cada instante...a cada instante...
Teu nome Senhor...levarei comigo...eternamente te louvarei...
Jesus...nome capaz e onipotente...eternamente exaltado no universo...
Anjos majestosos em poder...exaltam o nome que está acima de todo nome...
Jesus...nome eterno que tudo traduz: paz...amor...poder redentor...
Jesus...único nome salvador...desejo tê-lo sempre comigo...como meu melhor amigo...
Minha vida o exaltará...e para sempre o louvará...Jesus...Jesus...Jesus...

Jorge Schemes
14/11/1994 - Florianópolis, SC

FORÇA UNIVERSAL...

Há uma força poderosa no universo...
Capaz de dividir e capaz de unir...
Não é apenas energia e poder...
Porém é capaz de criar, de fazer renascer...
Está presente em todos os lugares...
Dentro da mente e do coração...
É capaz de trazer paz, perdão e restauração...
Porém pode afligir até matar...
É mais forte do que a morte...mas se embala com uma canção de ninar...
É suave...é ternura...é uma força que perdura...a qual nada pode abalar...
Tem o poder de mudar...de transformar...
Aqueles que por esta força são dominados...nunca mais serão os mesmos...
Ela causa um choque...uma emoção...
É tão poderosa que convence a razão...mas não é irracional...
É energia vital...capaz de ressuscitar...
Jamais adormecerá...jamais acabará...é uma força eterna...imortal...
É a força do amor...a força universal!

Jorge N. N. Schemes
15/11/1994 - Florianópolis, SC

ACREDITE NA VIDA

Acredite na vida, acredite em você...acredite e confie...vale a pena viver...
Viva a vida, sugue cada gota...ela é como um orvalho precioso...a cair sobre um deserto sequioso...Beba a vida...como um sedento no deserto árido...
Beba a vida e se delicie...a vida á para ser vivida...viva a vida a cada instante...
Ela é como a corrente de águas que percorre a terra seca...inóspita...
Ela é quem refrigera a alma resequida...é a essência de tudo...é a vida!
Aproveite bem o dia...acredite na vida...acredite em você...acredite e confie...

Jorge N. N. Schemes
15/11/1994 - Florianópolis, SC

quarta-feira, 13 de outubro de 2004

A INFLUÊNCIA DA TV

A INFLUÊNCIA DA TELEVISÃO NO DESENVOLVIMENTO
BIOPSICOSOCIAL DA CRIANÇA

Por: Jorge Schemes

CAPÍTULO I

O ADVENTO DA TELEVISÃO

Depois do gigantesco passo dado pelos irmãos Lumière e do impacto do cinema na vida de milhões de pessoas, a televisão foi outra “revolução visual” que marcou as nações de todo o planeta, e trouxe profundas transformações no pensamento, cultura, costumes e valores, principalmente das sociedades mais desenvolvidas, afetando direta ou indiretamente a educação. O advento da televisão, bem como a sua rápida popularização, tornando-se no principal meio de comunicação de massa e formação de opinião, conquistou lares e corações e causou um segundo impacto na maneira de “ver” o mundo.
“A TV pode ser considerada como uma invenção relativamente recente. Em 1926, o escocês John Logie Baird (1888-1946) fez a primeira demonstração pública da televisão. Três anos antes, porém, o engenheiro russo-americano Vladimir Zworykin (1889-1982) inventara o tubo eletrônico de câmera (iconoscópio), que é a base dos aparelhos de televisão usados até hoje” (ENCICLOPÉDIA ILUSTRADA DO ESTUDANTE, 1997:567).

A TV começou com o formato de um grande tubo, cheio de válvulas e no máximo em duas cores, preto e branco. Adquiriu popularidade nas décadas de 40 e 50, quando ela começou a ser aperfeiçoada. Não demorou muito para que ela se tornasse o objeto dos sonhos de consumo dentro das sociedades capitalistas, contrariando as previsões mais pessimistas, como a do Cineasta Americano Darryl F. Zanuck (1902-1979), o qual disse que a televisão não poderia se manter muito tempo no mercado. Pois as pessoas logo se cansariam de passar a tarde olhando um “caixote”. Assim, vencendo a expectativa de Zanuck, inicialmente a TV foi implantada nos países mais ricos como os Estados Unidos, Inglaterra e França, para depois chegar aos países em desenvolvimento como o Brasil, que desde a década de 50, com o surgimento da TV Tupi, começou a industrializar televisores num ritmo sempre crescente. Como era de se esperar, a TV também conquistou o coração e os lares do povo brasileiro, segundo estatísticas:
“Existem hoje mais de 800 milhões de aparelhos de televisão num mundo de quase 6 bilhões de habitantes. Mais de 90% dos lares europeus e norte-americanos têm um receptor. No Brasil, cerca de 75% das casas possuem televisor” (SUPERINTERESSANTE, Janeiro de 1993:70).

Não é por acaso que, pelo menos uma parcela do povo brasileiro, prefere tomar água morna (falando de maneira irônica) do que deixar de ver TV. Isso porque o nosso país tem mais televisão do que geladeira, apesar do clima tropical. São mais de 33 milhões de aparelhos de TV. Segundo pesquisa por amostra de domicílios, realizada em 1996 em todo território nacional, e divulgada na revista Veja, em novembro de 1997: “o número de domicílios com aparelho de TV era de 84,3%. E com geladeiras, 78,2%” (VEJA, 19 de novembro de 1997:31).
A televisão passou a ser mais importante do que qualquer outro eletrodoméstico. Nunca ouvimos falar que outro aparelho merecesse e tivesse sua salinha exclusiva com cadeiras cativas. As tevês dão tantas alegrias, provocam tantas emoções, “ensinam” tanta coisa às pessoas que não podem simplesmente ser chamadas de aparelhos. Às vezes fazem mais companhia do que um ser humano, outras, chegam a se tornar fetiches. No Brasil não é incomum barracos de favelas (onde muitas vezes se passa fome) possuírem antenas parabólicas para uma melhor recepção de TV.
Se em nosso país há mais televisores dentro de casa do que geladeiras, nos Estados Unidos da América o número de lares que possuem um aparelho de televisão é maior do que o de casas com água encanada. E na maioria deles, o televisor fica ligado cerca de sete horas por dia. E o que é pior, um em cada oito adultos confessa ser viciado em televisão, segundo relatório do periódico americano New Yorker. No Brasil a dependência da TV não parece muito diferente da realidade americana. Como será analisado noutro capítulo, segundo estudos divulgados pela UNESCO, a média brasileira está entre as maiores do mundo, quatro horas por dia na frente da telinha.
O surgimento das antenas parabólicas e, sua aplicação doméstica nos Estados Unidos na década de 70, proporcionando a seus usuários o privilégio de acompanhar o que vai pelo mundo das imagens no mesmo instante em que entram no ar, provocou uma verdadeira revolução nas comunicações. A febre contagiou todo mundo. O fato dessas antenas permitirem captar emissões de TV do mundo inteiro, abriu espaço a mudanças culturais capazes de influir profundamente no perfil das sociedades do futuro. Quando um aparelho de TV está ligado a uma antena parabólica e ela está voltada para a órbita de determinado satélite, é como se uma verdadeira avenida se abrisse para as ondas eletromagnéticas. Elas partem da estação rumo ao espaço, atingindo o satélite que as reflete para a terra, onde são colhidas pelo prato da antena parabólica. Essa trajetória está livre de interferências, e o resultado obtido é mais nitidez na imagem e no som. Tal vantagem nem sempre é o principal motivo que leva alguém a adquirir uma parabólica. A televisão a cabo, que surgiu por volta de 1948 nos Estados Unidos e no Brasil em 1976, é outro sistema de transmissão de TV que trafega pelos fios, como um telefonema, por isso propicia muito mais qualidade de imagem, pois o sinal segue diretamente do estúdio ao aparelho de TV, sem intermediações de qualquer espécie. Se é assim, parece que a razão pela qual muitos preferem instalar a parabólica em casa está mais relacionada com a cultura do que com a técnica. Na visão de Alvin Toffler, autor de A Terceira Onda, o homem do final do século XX está criando o que ele denominou de infosfera, isto é, independente de fronteiras, nacionalidades ou correntes políticas, um número crescente de habitantes do planeta Terra está se aproximando via informação” (1980:78). Por exemplo, saber o que está acontecendo a todo momento ao redor do mundo, já passou a fazer parte do nosso cotidiano.
Certamente que os meios de comunicação eletrônica já estão influenciando e influenciarão mais ainda a educação e o prcesso de ensino e aprendizagem. Por essa razão, é imperativo que os pais, a escola e seus professores, estejam conscientes da necessidade urgente de educar para a mídia, ensinando seus filhos e alunos a desenvolverem uma visão cada vez mais crítica dos conteúdos veiculados na telinha da televisão, nos games e na Internet.

CAPÍTULO II

TV, MUDANÇA SOCIAL E SOCIALIZAÇÃO

TV: UM FATOR DE MUDANÇAS SOCIAIS

A tecnologia mudou a imagem do nosso planeta. Quando o astronauta americano Neil Armstrong pisou pela primeira vez o solo lunar, em julho de 1969, milhões de pessoas em todo o mundo acompanharam o fato ao vivo em seus televisores. Isso, parecia coroar o que o canadense Marshall McLuhan (1911-1980) havia teorizado, que o planeta caminhava a passos largos para se tornar uma “aldeia global”, em que, “de um pólo ao outro, gostos, hábitos e idéias seriam cada vez mais parecidos – e todos induzidos pela influência cada vez mais onipresente da televisão” (MCLUHAN, 1964:147). Todavia, as tecnologias das telecomunicações que se desenvolveram após a transmissão ao vivo do primeiro passo do homem na lua, tecnologias como a TV por cabo e as antenas parabólicas de uso doméstico, tendem a revelar que McLuhan estava certo e ao mesmo tempo equivocado. Certo na medida em que as novas tecnologias ampliam cada vez mais o lugar da tela de TV na vida de cada um e, com isso, a dependência das pessoas em face dela. Equivocado na medida em que os mesmos avanços tecnológicos aumentam o leque de emissões à disposição do espectador, o que tende a diminiuir a dependência do público em relação às grandes redes de emissoras de TV.
Inegavelmente vivemos numa era de avanço tecnológico constante, onde estagnar significa retroceder. O rádio, os aparelhos de som de alta definição, a tevê convencional, as tevês a cabo por assinatura, os canais via parabólica, a TV interativa, o vídeo e, futuramente o holovídeo; juntamente com o DVD player, os “bichinhos virtuais”, os games e microcomputadores cada vez mais potentes e “inteligentes”, que estão aí, ganhando cada vez mais popularidade, todos vieram para ficar. As diversões eletrônicas fascinam crianças, jovens e adultos. A família moderna parece estar cada vez mais agregada em torno de aparelhos de comunicação.
As opções de entretenimento desta nossa era eletrônica parecem intermináveis. O termo entreter significa prender a atenção, distrair, divertir. ele deriva do latim, e seu sentido básico é estar entre ou deter. Não é de admirar que o mundo se empenhe tanto em utilizar sua arrojada tecnologia eletrônica para produzir todo tipo de entretenimento. As pessoas acolhem bem essas diversões porque parecem precisar delas desesperadamente. E, essa busca incessante de distrações, é para muitos, uma tentativa de preencher um vazio interior.
Indubitavelmente há muitos benefícios na moderna tecnologia informativa, hoje é possível visitar museus famosos de qualquer país via internet. Recebemos as notícias do mundo todo, simultâneamente e a cores, dentro de nossa própria casa. A própria informação se tornou numa verdadeira avalanche, tão grande que é impossível acompanhar tudo o que ocorre no planeta, mesmo estando disponível através de telas coloridas e cheias de movimento.
Não resta dúvidas de que os aparelhos eletro-eletrônicos de comunicação trazem o mundo para perto de nós, mas principalmente a televisão (por causa de sua popularidade), funciona como uma “janela” para o mundo, ampliando sobremaneira o universo cultural de crianças, jovens e adultos. Mas a sua influência não se limita apenas ao “universo cultural.” Especialmente a TV, por ser o principal meio de comunicação de massa, tem contribuído muito para as mudanças sociais verificadas principalmente nos hábitos, costumes e valores da sociedade e, consequentemente da família, de maneira especial nas crianças e adolescentes.
Inquestionavelmente, a TV tem modificado grandemente os conceitos educacionais, assim como o modo de viver das pessoas. Ela é uma poderosa força sociológica. Na qualidade de “janela cultural”, ou seja, como instrumento educativo e de ensino, a TV deve grande parte de seu êxito ao fato de que ela reúne, em um só instrumento de comunicação, uma combinação única de visão, sons, cores e movimento. A TV é animada! Esta conjunção de estímulos auditivos e visuais tem revelado que ela pode modificar a conduta humana. A TV forma atitudes, modifica esquemas mentais, estabelece e nutre normas culturais e éticas, plasma a opinião pública, educa (em raras exceções), informa e entretém. Essas são algumas razões que levam as pessoas a dedicarem mais tempo a TV que a qualquer outro meio de comunicação, em média, quatro horas por dia.
Uma mudança social não ocorre de uma hora para outra (exceto numa revolução), pelo contrário, ocorre com relativa lentidão. Por exemplo, mudança nas funções da família, na estabilidade do casamento e mudança de valores, ocorrem lentamente e imperceptivelmente, mudando aos poucos o comportamento das pessoas sem que muitas vezes elas se dêem conta disso.
Seria ingenuidade responsabilizar apenas os meios de comunicação de massa, especialmente a TV, pelas mudanças sociais. Há outros fatores envolvidos nesse processo. Porém, embora não seja o único fator e nem a causa das mudanças em si, a TV é um fator que acelera muito e facilita a aceitação dessas mudanças.
Até mesmo os lugares mais conservadores acabam sucumbindo à influência da televisão e alterando seus costumes e sua escala de valores. Para mencionar apenas um exemplo, destaco uma pequena nota editada no jornal Folha de São Paulo sob o título: “TV agita a vida no ‘cafundó’.” A matéria conta a história da chegada da luz elétrica e da televisão no interior do município pernambucano de Vitória de Santo Antão e a reação das pessoas. Aos 56 anos, o agricultor Josué Firmino de Macena ligou pela primeira vez uma TV (preto-e-branco do Paraguai) na sua casa. Isso foi possível graças a energia elétrica instalada. Todavia, apesar de seus benefícios, há quem tema a energia elétrica por conta de eventuais mudanças de comportamento que a luz possa provocar. Na opinião de francisco Tavares, outro agricultor beneficiado com a luz, a TV já começou a “desmantelar” a cabeça das pessoas na região. Se referindo as novelas que já conquistaram principalmente a audiência feminina, ele afirma: “O diabo da novela é uma imoralidade. Só tem esculhambação, gente nua, mulher traindo o marido e filhos desobedecendo aos pais” (FOLHA DE S. PAULO, 06 de julho de 1998:1-9). Há aqueles que dizem que as novelas deixam as moças vagabundas, outros não se entusiasmam, mas não se incomodam com possíveis mudanças nos costumes, revela a Folha. Apesar da simplicidade dessa gente, pode-se perceber um senso crítico bastante apurado quanto ao conteúdo e a influência da TV, pelo menos por enquanto.
As mudanças de hábitos, costumes e valores são veículados rapidamente pela mídia eletrônica e assimilados com a mesma rapidez pelo público. Um exemplo claro são as famosas novelas. Ao apresentar o liberalismo sexual e a instabilidade no casamento como modelos (para citar dois aspectos), o comportamento e a escala de valores de crianças e adolescentes vai sofrendo um desgaste e alteração, até aceitar os novos padrões de comportamento estabelecidos pela mídia como estilo de vida.

TV: INSTRUMENTO SOCIALIZADOR E/OU ALIENADOR?

É muito difícil dimensionar com precisão a capacidade socializadora da televisão sobre os jovens. Há muitos debates e muita discordância dos estudiosos quanto ao assunto. Mas de uma coisa ninguém discorda, de que a televisão tem a capacidade de criar modelos de comportamento, difundir atitudes e transmitir valores de um modo peculiar. Na família, escola, igreja e nos grupos de amigos, a socialização é praticada através de contatos diretos, com leis que estabelecem recompensas e punições que servem para orientar o comportamento nos moldes estabelecidos em cada um dos grupos sociais. Além disso, por mais que a estrutura dos grupos seja rígida, há sempre a possibilidade de uma negociação constante a respeito da aplicação das normas e dos valores que orientam suas decisões e ações. Isso é possível graças a interação direta entre os seus membros.
No caso específico da televisão, o processo de socialização é distinto, porque o tipo de interação que a TV propicia, é indireta. Ou seja, é por meio da audiência que, especialmente crianças e jovens, recebem as mensagens que lhe são enviadas, passivamente. A capacidade de interferir sobre o conteúdo das mensagens é bem limitada, o que torna a transmissão via TV, até certo ponto, autoritária. Não raro, a interpretação dos fatos é apresentada como sendo o próprio fato. Além disso, a TV não dispõe de mecanismos próprios de recompensas e sanções, embora tenha poder de orientar o comportamento. Ninguém precisa ser sociólogo para perceber a força dos modelos divulgados pela televisão. Por meio das suas programações, comerciais e propagandas, são estabelecidos padrões de consumo, comportamentos, atitudes e valores que atuarão como modelos a serem seguidos, principalmente pelas crianças e adolescentes.
Inquestionávelmente, a televisão alterou profundamente o comportamento das pessoas de um modo geral, seja na vida pessoal, na família, na igreja, na vizinhança ou na sociedade como um todo. Percebe-se com essas transformações que a TV desenpenha um importante papel na socialização dos indivíduos. O processo de socialização do ser humano envolve diferentes fontes de influência como a família, a vizinhança, a escola, a igreja e inegavelmente a TV. Sendo que essa última, na maioria das vezes, é a mais influente. De acordo com os estudiosos na área da educação e comunicação, uma pessoa recorda 10% do que lhe é transmitido por meio dos ouvidos; 50% por meio dos olhos; 70% por meio da boca e 90% por meio das mãos. A televisão talvez esteja numa porcentagem acima dos 70%, seu poder de penetração e influência é tão amplo ao ponto de formar uma geração de pessoas que não gostam e não sabem pensar por si mesmos.
Os meios de comunicação, e a TV em particular, vieram transformar radicalmente as condições do processo de socialização. Hoje a televisão é o primeiro e maior (no sentido de amplitude e alcance) contato das pessoas, especialmente as crianças, com o mundo externo. Em apenas cinco minutos, ela vai do Irã a manaus, vê um desenho inglês, uma novela mexicana, etc. É, portanto, considerada por muitos pedadogos como um excelente meio de educação. Há quem defenda a idéia de que a televisão enriquece o universo da criança pré-alfabetizada ao fazê-la ouvir outras vozes além das dos familiares, ao mostrar mais do que os limites das quatro paredes da casa. Mas é uma pena que ainda seja tão mal explorada, principalmente pela família e pela escola.
As crianças nascidas depois da era televisiva sofreram uma profunda transformação. Antes a família desenpenhava bem seu papel de formar hábitos e valores, uma vez que o ambiente familiar era a fonte primária dos mesmos, bem como a maior influência para a formação social e moral da criança. Hoje elas dispõem de uma fonte que lhes permite vivenciar ou experimentar emoções novas, assimilar valores, crenças, idéias e filosofias diferentes das defendidas pela sua família. Isso significa que desde a mais tenra idade, justamente no período mais importante para a formação de seu caráter, as crianças são alvo de poderosos “holofotes” de influências múltiplas, com mensagens muitas vezes contraditórias, chocantes e absurdas, sobre temas que elas não compreendem devido a sua precocidade.
As crianças mais novas não entendem, por exemplo, as mudanças súbitas de ângulo, os efeitos visuais e o efeito zoom, de aproximação e afastamento da câmera. Também não percebe que seu desenho foi interrompido para um comercial. Fica achando que tudo faz parte de um só programa, que está mandando ela comprar alguma coisa. Só para se ter uma idéia, da frequência com que uma criança sofre esse tipo de abordagem, estatísticas revelam que “antes de completar 5 anos, uma criança terá visto não menos do que 1000 comerciais” (VEJA, 13 de maio de 1998:89).
É fato inegável que muitas das mudanças ocorridas pós-televisão, dentro das famílias, foram para pior. Principalmente no que diz respeito à educação das crianças, adolescentes e jovens; bem como os valores éticos, morais e espirituais. Se for assim, devemos diante dessa realidade, refletir e fazer um auto-questionamento: Será que como seres humanos, racionais que somos, pensantes, deveríamos dar tanta atenção e preferência à televisão e seu conteúdo, sem ao menos questioná-lo? Será que pais e mães deveriam transferir suas responsabilidades quanto a educação dos filhos para um aparelho cheio de todo tipo de informação, sem ao menos selecioná-las? Deveria a escola continuar demonstrando tão pouco interesse em educar seus alunos para uma leitura crítica da TV?
A penetração da mídia eletrônica nos lares, também causou uma ruptura entre a vida privada da família e a vida pública, ou seja, a família como agente número um do processo de socialização foi destronada, suas orientações, regras, leis, código de ética e valores, outrora restritos no circulo familiar e inquestionáveis, passaram a ser questionados pela opinião da mídia. Isso levou a atual geração a ter uma visão relativista dos valores e das coisas, criando um universo de idéias pluralistas e, na maioria das vezes, não questionadas.

MONÓLOGO TELEVISUAL NA FAMÍLIA

Apesar de toda essa tecnologia informativa e cheia de recursos cada vez mais sofisticados, em muitas famílias de nosso século já não existe mais tempo para o diálogo, muito menos qualidade com o pouco que restou, porque principalmente a TV, além de interferir no conteúdo das conversas, colocou um “esparadrapo” na boca de todos, criando um monólogo televisual. São famílias que não desenvolveram um espírito crítico em relação aquilo que vêem na TV. E muito menos tranformaram o seu conteúdo em temas para debates ou diálogo dentro do círculo familiar. Embora devamos admitir que há temas que não valem a pena nem mesmo mencionar o título.
Há uma anedota sobre dois pesquisadores que desejavam comprovar como a força do hábito de ver TV, alterava a quantidade de tempo dedicada à comunicação em família. Eles tentaram determinar se, ver menos televisão levaria a um crescimento na comunicação familiar. Entraram em contato com oficinas de consertos de televisão, para obter os nomes das pessoas que haviam mandado consertar seus aparelhos. Uma vez que essas pessoas ficariam sem televisão por mais ou menos uma semana, os pesquisadores planejaram entrevistar essas famílias, para ver se conversavam mais na ausência da televisão. Contudo, tal hipótese estava errada. “Quando as pessoas levam um aparelho de TV para a oficina, sempre dão um jeito de arranjar outro emprestado.”
O fato concreto é que a comunicação em família foi afetada com a chegada da televisão. Há um conselho de que quando os problemas com a comunicação surgirem ou forem percebidos, é hora de fazer uma perguntinha que pode ser fundamental para resolver a situação, principalmente quando a desculapa é falta de tempo, a pergunta é: “O que estamos fazendo com aquelas horas na frente da tevê?” É claro que as pessoas não ficam 100% mudas diante da telinha, mas quanto maior for o grau de interesse pelo que está sendo apresentado na TV, menos amistosas as pessoas se sentem a respeito de uma interrupação.
É evidente que existe, em menor ou maior grau, um envolvimento afetivo do telespectador com os personagens e situações da televisão. É preciso lembrar todavia que as mensagens televisuais atuam por impregnação, agindo sobre o inconsciente e o imaginário, que distrai e cativa a pessoa, paralizando por assim dizer sua capacidade de ação e reflexão. Talvez seja esta a razão por que há tantas famílias que no "horário nobre" estão demasiado fascinadas com o que assistem, que não têm tempo para ouvir, falar ou atender a pedidos. E quando alguém ousa interromper a programação favorita, acaba ocorrendo uma verdadeira “guerra”. Em certas ocasiões, até mesmo quando chega visita a indiferença é demonstrada, e o “aparelho das fantasias”, muitas vezes ignorante, inculto e irreligioso, continua tendo a suprema veneração.
De acordo com o relatório anual do AD Council (www.adcouncil.org. - entidade americana pró-lar e família), publicado na revista Seleções (em inglês - junho de 1998), “50% dos lares americanos deixam a televisão ligada durante o jantar em família.” Para o Dr. William J. Doherty (Ph.D.), autor do livro: “Intentional Family: How to build Family Ties in Our Modern World”, assistir TV na hora da refeição é lamentável, pois o tempo do jantar é frequentemente o único momento do dia quando há uma oportunidade para toda família estar junta e sentir um senso real de conexão e unidade. Sem um frequente reforço, a conexão familiar pode se perder, e principalmente as crianças, começarão a se sentir isoladas. Por essa razão, o relatório do AD Council dá algumas sugestões de como aproveitar o tempo das refeições e desenvolver o diálogo em família:
• Faça da refeição uma hora especial, desligue a TV.
• Acenda algumas velas e não comece o jantar até todos estarem presentes. Se a sua filha adolescente está no telefone e vocês começam sem ela, vocês estão dizendo que ela não é importante o suficiente para ser aguardada no jantar.
• Todos devem permanecer à mesa até que o último membro da família tenha acabado de comer.
• Se os conflitos e brigas tornarem o jantar em família impossível, seja criativo, pense em alternativas como um picnic à luz do luar.
• Se não há como ter um jantar em família pelo menos uma ou duas vezes na semana, transforme o café da manhã aos sábados ou domingos em momentos especiais.
• Algumas vezes saia com toda família para comer em um restaurante típico, onde não tenha televisão ligada. Lembre-se: o objetivo é manter a conexão familiar.
• Procure transformar a hora da refeição num ritual em família, fazendo do diálogo um hábito.

DESENVOLVENDO VALORES NA FAMÍLIA

Instilar valores fortes no caráter de uma criança é a única maneira de torná-la inócua contra as muitas influências negativas a que elas estão expostas a cada dia. Mas essa não é uma tarefa fácil, onde dar presentes e brinquedos caros seja sufuciente. De acordo com Harriet Heath (Ph.D.), autor do livro Planning: The Key to Meeting the Challenge of Parenting, “são os pequenos atos de amor demosntrados a cada dia, cheios de apoio e orientação, que fazem uma enorme diferença na vida da criança” (READER’S DIGEST, June of 1998:304). Todavia, a mídia é um dos maiores obstáculos e a mais poderosa influência, que na maioria das vezes, vai diretamente contra a educação das crianças.
Allan Bloom, em seu livro “O declínio da Cultura Ocidental”, analiza de forma objetiva a principal causa do fracasso das famílias pós-modernas, tanto no que diz respeito ao relacionamento interpessoal entre os seus membros, como na sua estrutura e educação cristã. Há quem defenda o uso irrestrito da TV no lar, alegando que quando ocorre reuniões de família por exemplo, o convívio é mais pacífico se a televisão está ligada. Essa “paz” ocorre porque os membros da família podem focalizar todsa sua atenção na televisão, em vez de uns nos outros, e desta forma avitam discusões e indelicadezas.
Ao escrever sobre a religião e a família, Bloom observa que existe um paradoxo religioso na atual geração. Enquanto a sociedade cai no modismo do respeito ao sagrado, a religião propriamente dita, e de maneira mais específica o conhecimento da Bíblia, foram diminuídos até o ponto de fuga. Para ele, até algumas gerações passadas, a família estava muito bem alicerçada na prática religiosa, a qual consistia em cultos familiares, assiduidade à igreja, reflexões sobre a lei moral de Deus, bem como nos heróis bíblicos (verdadeiros modelos de virtudes), recomendações ao amor fraternal, orações à hora da mesa e recitações de passagens bíblicas, que literalmente ecoavam na mente das crianças. Tudo isso formava um modo de vida, uma responsabilidade familiar. O ensino moral correspondia ao ensino religioso. Tanto as lições morais como os limites éticos eram norteados pela Bíblia Sagrada.
Todavia o quadro em que se apresenta a família hoje não é o mesmo. Para Bloom,

“a perda do esteio da vida interior concedido àqueles que eram alimentados pela Bíblia deve ser primeiramente atribuída não às escolas ou à vida política, mas sim à família, a qual, com todos os seus direitos à privacidade, se demonstrou incapaz de manter todo e qualquer conteúdo próprio. A melancolia da paisagem espiritual da família é inacreditável. É tão monocrática e tão alheia a quem vive nela como as estepes desérticas freqüentadas por nômades, os quais extraem sua mera subsistência e vão embora. O delicado tecido da civilização, no qual as sucessivas gerações se entrelaçam, desfiou-se; e os filhos são criados, mas não educados” (BLOOM, 1987:71)

Para um grande número de pais, a educação de seus filhos recebe toda prioridade, além de sua sincera devoção material.

“Acontece porém que não têm nada para dar aos filhos em termos de uma visão do mundo, de elevados modelos de conduta ou de profundo senso de relação com os outros. A família exige a mais delicada mistura de natureza e de convenções, do humano e do divino, para que subsista e preencha suas funções. Na base dela está a mera reprodução fisiológica, mas a sua finalidade é a formação de seres humanos civilizados”. (IDEM,71)

Bloom ainda expõe o fato de que a família precisa se alimentar de livros,

“os quais falam do que é justo e injusto, bom e mau, explicando porque é assim. A família requer certa autoridade e sabedoria quanto aos caminhos dos céus e dos homens...a família tem de ser uma unidade sagrada, crente na permanência daquilo que ensina...quando a crença desaparece, conforme ocorreu, a família guarda na melhor das hipóteses uma unidade transitória. As pessoas jantam, brincam e viajam juntas, mas não pensam juntas. É raro que haja vida intelectual em qualquer residência, muito menos uma vida que inspire os interesses essenciais da existência”. (IDEM,72)

O abandono das “tradições” na família, dos conhecimentos “antigos”, e da própria Bíblia, trouxeram o desaparecimento gradativo e inevitável da fé em Deus, que é a base mais sólida para as tradições familiares. Com essa perda, pais e mães perderam a noção de que o mais elevado legado que poderiam fornecer aos filhos seria a sabedoria, e principalmente aquela que vem do alto. Porém, tudo o que mais almejam é a formação especializada e o sucesso profissional de seus filhos. Essa perda das tradições familiares tem levado os pais a uma perda de autoridade e da confiança em si próprios como educadores dos filhos.
“Simultaneamente, com as constantes novidades e incessantes deslocamentos de um lugar para o outro, primeiro o rádio e depois a televisão assaltaram e transormaram a intimidade do lar...a qual permitia o desenvolvimento de uma vida superior e mais independente dentro da sociedade democrática. Os pais já não conseguem dominar a atmosfera domiciliar e até perderam a vontade de o fazer. Com grande sutileza e energia, a televisão entrou não só na sala, mas também nos gostos tanto de jovens quanto de velhos, apelando ao imediatamente agradável e subvertendo tudo quanto não se conforme com ela. Nietzsche dizia que o jornal substituíra a oração na vida do burguês moderno, querendo dizer que o mundano, o vulgar, o efêmero tinham usurpado tudo o que restava do eterno na sua vida diária. Hoje em dia, a televisão substituiu o jornal”. (IDEM, 73-74)

Em um discurso proferido do Vaticano em 1994, o Papa João Paulo II, comentando a influência da TV sobre as famílias ao redor do mundo, definiu a televisão como “a pior ameaça para a vida familiar”e a responsabilizou por “glorificar o sexo e a violência”.
Segundo H. Arendt, não se pode mais dizer que os lares de hoje são as quatro paredes onde se desenrola a vida da família. Muito menos de que o lar é uma proteção contra o mundo, e em particular contra o aspecto público do mundo. Como já dissemos, ao longo do processo de socialização as crianças são o objeto da ação de várias instituições especializadas: a família, a escola, a igreja, a mídia. Todavia nada pode substituir a relação sócio-afetiva da criança e sua interação com o meio. Se a TV tem certa importância no desenvolvimento sociológico da criança como já vimos que tem, é preciso porém ter o devido cuidado para não exagerar nessa importância. Isso porque a TV não substituí a interatividade da criança com os outros, especialmente a família, bem como os coleguinhas, e enfim: todas as pessoas que fazem parte de seu universo existencial.

AS INSTITUIÇÕES SOCIALIZADORAS E A TV

Uma pesquisa entitulada “Alguns aspectos da audiência infantil aos meios de comunicação”, realizada pelo grupo de mídia de São Paulo e divulgada pela Fundação Carlos Chagas, revelou que o segmento da população paulistana entre 4 e 14 anos é um dos principais grupos de consumo de programações de TV. Embora os padrões de exposição à TV sejam diferenciados, variando por dia da semana e por camada sócio-econômica, as crianças e adolescentes gastam em média 3 horas por dia assistindo TV. As camadas sócio-econômicas menos favorecidas tendem a um padrão mais intenso de exposição que as camadas de maior poder aquisitivo. Emquanto os pobres assistem tevê em média 22 horas semanais, os de classe média-alta assistem 15 horas por semana. Isso revela que a televisão, tornou-se um agente socializador tão importante quanto a família e os grupos de amigos.
Se a televisão está adquirindo cada vez mais importância no processo de socialização da nova geração, e de forma mais acentuada nas classes mais desfavorecidas da sociedade, é necessário pensar um pouco, pelo menos, no porquê e onde as demais instituições socializadoras têm falhado. Entre os muitos aspectos da vida que o hábito de ver televisão afetou, estão três grupos sobrepostos de relacionamento: a família, a vizinhança e a igreja. Por várias razões, esses relacionamentos não estão indo muito bem. A TV está longe de ser a causa principal, mas tem a sua parcela de contribuição. Por exemplo, muitos já não sabem mais o que significa passar algumas horas com os vizinhos, geralmente o pensamento que a maioria tem é de que conversar com o vizinho não é considerado suficientemente importante para privá-los de ver televisão. Ver TV acaba sendo considerado até menos trabalhoso do que ter que conversar com a senhora que mora na frente. Vale lembrar, como disse Kevin Perrota, que “a subtração que a TV faz do nosso tempo com os parentes e vizinhos pode tornar nossas vidas mais fáceis. Mas, no final das contas, faz-nos mais pobres” (PERROTA, 1985:97).
O tempo passado com a televisão não reduz apenas as oportunidades de relacionamentos interpessoais significativos, mas reduz também a oportunidade de educar as crianças. Além disso, também interfere em sua educação. Desde a década de 70 os educadores têm estado preocupados com indicações de que as crianças não estão aprendendo tanto como “antigamente”. Pesquisas realizadas nos Estados Unidos constataram que os escores, ou pontos médios, alcançados nos testes escolares de admissão para avaliar os alunos matriculados, começou a baixar já na década de 60, continuando em queda na década de 70, e assim suscessivamente. Os alunos sabiam cada vez menos sobre ciências e matemática. Os professores começaram a perceber que disciplina, concentração, raciocínio lógico e outras habilidades intelectuais estavam diminuindo. Os educadores não demoraram a apontar a televisão como a culpada. O argumento principal era de que as oportunidades estavam sendo perdidas. As crianças preferiam passar o seu tempo assitindo tevê, em vez de lendo um livro ou fazendo as tarefas escolares. Certo educador da Universidade de Stanford chegou a afirmar que aquela geração de estudantes era a primeira mais afetada depois da chegada da televisão.
Embora não seja regra geral, o uso da TV geralmente substitui outras atividades. O tempo dedicado à TV interfere no estudo sério e de qualidade. Muitos estudantes só podem fazer seus deveres se ela estiver ligada. Aqueles que assistem muito à televisão acabam indo tarde da noite para a cama e não conseguem se concentrar nos trabalhos escolares; os viciados em tevê não lêem nem buscam propósitos mais educacionais ou culturais. Não há dúvida de que o excesso de televisão reforça atitudes e padrões que impedem o estudante de melhorar o seu desempenho escolar. Como foi abordado, apesar de não ser regra geral, pelo menos em algumas circunstâncias, existe uma relação de causa e efeito entre ver televisão e o desenvolvimento escolar mais lento. Uma pesquisa feita por Robert C. Hornik, da Universidade de Stanford, constatou que de fato as crianças consumidoras de TV não têem o progresso que delas é esperado na escola. Hornik concluiu que,

“há uma forte associação negativa da exposição à televisão com as habilidades de leitura a longo prazo.” Em outras palavras, a televisão causou uma desaceleração no processo de leitura, que é um instrumento básico para o aprendizado e desempenho global dos alunos na escola. Segundo Hornik, “o grau em que a televisão parecia afetar o progresso da leitura não era muito alto, cerca de 10%. No entanto, considerando a importância vital da leitura, devem os pais permitir que seus filhos caiam em 10%, de onde estariam, no desenvolvimento de sua capacidade de leitura? Em doze anos de educação básica, uma perda de 10% atinge mais do que um ano de desnvolvimento acadêmico” (PERROTA, 1985:44).

Se por um lado, a televisão é um obstáculo ao desenvolvimento global de muitos estudantes, e alterou a maneira como eles estudam em casa; por outro, o que se percebe com as escolas, principalmente as não confessionais, é que elas tendem a perder terreno no que se refere à formação integral da personalidade, uma vez que se preocupam em buscar a especialização na transmissão dos conhecimentos. A ênfase dada é nas aptidões exigidas pelo mercado de trabalho. Entretanto, como alguém ironicamente disse: “especialização é saber cada vez mais a respeito de cada vez menos”. Assim, debates para educar os alunos para a mídia, praticamente inexistem nas escolas. Os alunos não são incentivados, como deveriam, a fazer uma análise crítica dos conteúdos veiculados na mídia eletrônica, e tampouco são orientados em como aproveitar melhor o seu tempo de estudo, sem a tevê.
Outra instituição que tem perdido o rumo educacional é a própria família. Que na realidade perdeu suas raízes culturais judeu-cristã num processo de perda de valores, materialização e vazio espiritual. A crescente urbanização, o capitalismo desenfreado somado aos baixos salários, a injustiça e discriminação social e racial, a ausência de ideais cristãos elevados, bem como o afastamento dos princípios tradicionais do cristianismo bíblico, têm levado as famílias modernas a experimentar uma desestruturação no que diz respeito as suas funções educativas. Ela própria passou a fazer das imagens da telinha uma válvula de escape para os seus problemas. Em muitos casos a TV se tornou a única fonte onde se busca “conhecimento”, levando à negligência de fontes mais nobres, como o livro por exemplo.
Quanto às igrejas, parece que uma parcela de cristãos a têm encarado mais como um clube do que como uma fonte de crescimento e vida espiritual. Muitas vezes essa visão distorcida do que é a igreja, e qual é o seu papel, se deve ao fato de que em seus púlpitos não está sendo proclamado o evangelho, que é “o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê.” As pessoas têm ouvido o que querem ouvir, mas não o que realmente necessitam ouvir. Da mesma maneira que a TV tem contribuído para o enfraquecimento das relações interpessoais na família, escola e vizinhança, ela tem enfraquecido também a comunhão espiritual e os relacionamentos entre os crentes. Embora não seja a força principal por trás desse enfraquecimento, ela tem contribuido para acelarar os processos de isolamento e solidão. A tevê distrai da oportunidade de servir às muitas pessoas que estão à nossa volta mesmo dentro da igreja. Seria muito simplista alegar, que o simples ato de desligar a TV, resolvesse os problemas de relacionamento na igreja. Mas, tal atitude pode ser o começo para que “sobre” mais tempo à oração, ao testemunho pessoal, à visitação e à comunhão para buscar o Espírito que pode mudar tudo, o Espírito santo de Deus.
No que diz respeito ao papel sociológico e educacional, as igrejas parecem ter dificuldades para atrair os jovens, uma vez que suas mensagens não são transmitidas em forma de espetáculo audiovisual, os adolescentes não suportam ouvir o que para eles parece uma eterna monotonia. Talvez por isso muitas igrejas estejam usando telões com tanta freqüência e tornando seus cultos, em alguns casos, num verdadeiro show pictográfico-religioso, perdendo a interatividade entre membros e liderança. Em alguns casos os instrumentos tecnólogicos têm assumido a própria função do pregador, causando um distanciamento ainda maior nas relações interpessoais e no carisma cristão.
Considerando que a televisão faz parte de um vasto sistema de mídia que se dirige a diferentes públicos, dentre os quais as crianças e adolescentes são um verdadeiro filão de mercado, sua principal meta é formar consumidores. Todavia não podemos negar que além dos objetivos comerciais, e ao mesmo tempo junto com eles, a TV não é nêutra em questões morais e éticas. Juntamente com os produtos oferecidos, diria que no bojo de toda publicidade, são veiculadas imagens, informações, valores, crenças e modelos que são assimilados pelas mentes ainda em formação. É por essa razão que a televisão interfere no processo de socialização, do mesmo modo que a escola e a família, e em muitos casos, mais do que essas instituições.
É evidente que precisamos levar em consideração, nesse processo de socialização, o nível sócio-cultural da família, bem como a sua estrutura. Porém, uma coisa podemos admitir: a TV tem causado um impacto muito grande na formação social, moral, ética, educacional e até mesmo religiosa de milhares de crianças e jovens, de todas as classes sociais. Uma vez que a televisão é o veículo mais popular entre a garotada, fica fácil descobrir a razão. Porém é bom lembrar que , enquanto as instituições estabelecidas por Deus não cumprirem fielmente seus papéis educacionais, bem como suas tarefas socializadoras, a TV continuará exercendo suprema autoridade e domínio.
Por essa razão, os estímulos oferecidos à criança no lar, na escola e na igreja, devem proporcionar atividades e oportunidades variadas, para que a criança exerça suas práticas de aprendizagem e interatividade com o mundo real que a rodeia. Quanto mais desafiadoras forem essas oportunidades, menos importante será a televisão, uma vez que as crianças terão outras experiências, e consequentemente passarão menos tempo em frente à telinha.

O SENSO CRÍTICO É FUNDAMENTAL

Na maioria daz vezes, contudo, o problema quanto ao relacionamento exagerado que se tem com a TV dentro das famílias, não está com as crianças e muito menos com a TV propriamente dito, mas com seus responsáveis. São pais que não estabeleceram limites ao uso da TV, nem para si mesmos e muito menos para os seus filhos, deixando o acesso à mesma totalmente liberado. Essa atitude de indiferença acaba estimulando crianças e adolescentes, que têm muito tempo livre para gastar, a gastá-lo frente à telinha. Outra razão é que estes pais não formaram nos filhos um espírito crítico daquilo estão vendo na televisão. Talvez porque eles mesmos são frequentadores assíduos de seus programas, sem questionar a qualidade daquilo que vêem.
Pode-se dizer portanto, que a família não representa um espaço que estimule os jovens a desenvolver uma atitude ativa e crítica frente à televisão. Tais pessoas desejando se justificar sobre o uso que fazem da TV, bem como ao conteúdo a que assistem, usam a mesma desculpa: “nós só precisamos saber usar a TV e controlá-la”. Quando essas pessoas são confrontadas sobre o baixo padrão de certos programas, respondem que a maldade está com quem vê, basta olhar as coisas com “bons olhos”. Tais desculpas, além de revelar fraqueza moral, demonstram uma reação de fuga diante do compromisso ético de julgar e avaliar o conteúdo da TV.
A violência e o sexo não são os únicos problemas no conteúdo veiculado pela mídia televisiva. Os maiores problemas repousam nas maneiras como a televisão alimenta a vida das pessoas com padrões seculares e pensamentos mundanos. O fato é que, infelizmente, nem todo telespectador consegue dominar a "fera", a grande maioria parece ficar paralizada, dopada, anestesiada e impotente para apertar o botão que desfaz as cenas que ofendem a moral, a religião e o próprio valor familiar. Comentando os resultados de uma pesquisa sobre o papel da televisão no processo de socialização, a pedagoga Maria Luíza Belloni, afirma que os telespectadores parecem desenvolver o que ela definiu como o ‘rito da telinha’, como exemplo Belloni declara que,
“a maioria dos adolescentes assiste sempre aos mesmos programas, o que revela uma atitude passiva e pouco curiosa frente à telinha....As novelas, como os seriados e desenhos animados infantis, são exemplos mais típicos de escuta ritualizada. Enquanto narrativas-sequênciais, estes programas propiciam a criação de relações afetivas entre seus personagens e os jovens. Criam também fortes expectativas quanto ao desenrolar da ação (do enredo) assegurando um público cativo todos os dias. As telenovelas parecem ter uma importância muito forte na vida dos jovens estudados (sua escuta ritualizada se torna muitas vezes compulsiva)” (BELLONI, 1992:8).

Apesar de muitos terem consciência dos aspectos positivos e negativos da televisão, não está ocorrendo uma avaliação sistemática da qualidade do conteúdo apresentado na tela. Como já dissemos, a grande maioria já perdeu o senso de crítica e julgamento ético diante da TV. Se tornaram telespectadores compulsivos, sem nenhum critério de seleção ou avaliação. O que fazer? Não cabe a mim recomendar algum mandamento, porém, como seres criados a imagem e semelhnaça de Deus e cristãos, devemos analizar alguns fatores e tomar nossa própria decisão. E que ela seja para o bem da família, da igreja e para a honra de Deus. Como escreveu Paulo: “Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus” (I Coríntios 10:31).
Diante dessa necessidade de desenvolver o senso crítico diante da telinha, o doutor em ciências da computação José Manoel Moran (1991:69), elaborou algumas técnicas de análise dos meios de comunicação, das quais irei me valer para fazer uma adaptação e elaborar um modelo de questionário que serve tanto para fazer uma auto-avaliação quanto para avaliar os programas de TV, principalmente os de ficção, como é o caso das novelas e filmes futuristas. As seguintes perguntas devem ser respondidas com sinceridade, e podem ser aplicadas em grupo ou individualmente:
• Sobre o relacionamento com os meios de comunicação:
- Quais os meios de comunicação preferidos (em ordem de importância)?
- Quantas horas de TV você assiste em média?
- Cite três programas preferidos e por quê o são?
- O que a televisão tem de positivo? O que me leva a ver tevê?
- O que me afasta da televisão? O que você rejeita na TV?
- O que poderia ser melhorado na qualidade da programação televisiva?

CAPÍTULO III

BABÊ NÃO PRECISA DE TV

TV NÃO É BABÁ

O ambiente familiar é extremamente importante na formação da personalidade e caráter infantil. Para isso as etapas do desenvolvimento infantil precissam ser respeitadas e devidamente estimuladas. Todavia, atualmente parece que não existem mais crianças, no sentido literal da palavra, pois a televisão parece ter envelhecido e amadurecido precocemente a todas elas. Muitas dessas crianças, já não têm mais seus pais, pois foram adotadas pelos apresentadores e “heróis” da televisão, os quais são imitados e copiados em questões de moda, costumes, comportamento, valores e até mesmo crenças ideológicas.
Parece que nos lares de nosso século já ocorreu uma transferência de responsabilidade no que diz respeito a educação dos filhos. A televisão se tornou a grande babá, o “remédio” para toda criança chorona, a conselheira mais íntima, a grande saída para pais que já perderam o controle da situação. Porém, é bom lembrar, que nada substituí a responsabilidade que os pais têm perante a criação dos filhos.
É muito fácil para a família desenvolver um estilo de vida em que se usa a TV como se fosse uma babá que “cuida” das crianças enquanto os pais se ocupam de outras atividades dentro ou fora de casa, porém é bom lembrar que o uso da TV como babá regular pode levar a sérios problemas. Psicólogos têm chegado a conclusões alarmantes sobre a importância de estimular todo o potencial de desenvolvimento do cérebro infantil, principalmente nos primeiros anos de vida. Todo estímulo deve ser feito pelo contato direto dos pais com a criança, nada pode substituir essa relação interacionista e afetiva-emocional. Esse contato é fundamental para a saúde psicológica dos filhos e seu desenvolvimento. Pesquisas revelam que o cérebro só se desenvolve com estímulos, e o melhor estímulo para uma criança é brincar. Porém, o mais importante não é se o brinquedo é caro ou não, nem mesmo o tipo de brinquedo em si, mas o ato de brincar, ou a brincadeira. Uma simples sucata na mão de uma criança pode se transformar num brinquedo. É brincando, e não assistindo à TV, que as crianças desenvolvem a imaginação e as relações humanas.

FASES DO DESENVOLVIMENTO HUMANO

Alguns psicoterapêutas defendem o uso irrestrito do videogame como um método maravilhoso de aprendizado, uma vez que aumenta os reflexos, aprimora o raciocínio visual, estimula o desempenho da lógica, exatidão, rapidez e estratégia. Todavia há aqueles que o condenam por não favorecer à criança o desenvolvimento verbal, além de desestimular a leitura, a interação com o meio e a sociabilização.
Segundo o Biólogo francês Jean Piaget (1896-1980), o desenvolvimento da inteligência de uma criança ocorre pela interação com outras crianças, não com “máquinas”. Mesmo sem ter o diploma em psicologia, Piaget foi o pai da psicologia infantil e influenciou o que há de mais avançado em educação. Suas idéias sacudiram a pedagogia do século XX, decifrando como a criança raciocina. Depois de Piaget a pedagogia nunca mais foi a mesma, pois ele submeteu o ensino à necessidade do aluno e não o aluno ao ensino. Sua teoria biológica sobre a construção do conhecimento humano, denominada: Epistemologia Genética ou Teoria Psicogenética, é a mais conhecida concepção construtivista da formação da inteligência. Ele explicou detalhadamente e sistematicamente como o indivíduo contrói o conhecimento, desde o nascimento com suas formas mais simples de compreensão (reflexos neurológicos básicos), até a fase dedutiva e lógica (quando o raciocínio começa a elaborar hipóteses complicadas).
A vida desse “gênio educacional”, foi marcada desde cedo por realizações e produções literárias que o distinguiram dos demais colegas de escola. Dos 10 aos 84 anos, ele pesquisou da Biologia à inteligência humana, sempre estudando, lecionando e escrevendo. Foi um curioso insaciável, um daqueles meninos que os professores de hoje identificariam como um superdotado. Sua vida foi a de um pesquisador incansável, todavia, muito bem-humorado. Defendia o ensino e o aprendizado prazeroso, rompendo definitivamente com os métodos rígidos, impostos pela escola tradicional.
A revista Nova Escola (agosto de 1996:42-43), apresentou um resumo dos principais acontecimentos que marcaram a vida de Jean Piaget, e que acabaram revolucionando a pedagogia moderna:
• 1896 - Piaget nasce no dia 9 de agosto, na cidade suiça de Neuchâtel, filho de Arthur Piaget, professor de literatura.
• 1907 - Com apenas 10 anos, publica na revista da Sociedade dos Amigos da natureza de Neuchâtel, artigo sobre um pardal branco. Torna-se assessor do Museu de História Natural Local.
• 1915 - Forma-se em Biologia pela Universidade de Neuchâtel. Desde o ginásio já está interessado em Filosofia e Psicologia.
• 1918 - Aos 22 anos torna-se doutor em Biologia, com uma tese sobre moluscos e muda-se para Zurique para estudar Psicologia, principalmente psicanálise.
• 1919 - Muda-se para a França e ingressa na Universidade de Paris. É convidado a trabalhar com testes de inteligência infantil.
• 1921 - A convite do psicólogo Edouard Calparède, um dos principais nomes da Escola Nova, passa a fazer suas pesquisas no Instituto Jean-Jacques Rousseau, em Genebra, destinado à formação de professores.
• 1923 - Lança o primeiro livro sobre suas pesquisas, A Linguagem e o Pensamento da Criança.
• 1924 - Casa-se com uma de suas assistentes, Valentine Châtenay, com quem teve trâs filhos: Jacqueline (1925), Lucienne (1927) e Laurent (1931).
• 1925 - Começa a lecionar Psicologia, História da Ciência e Sociologia em Neuchâtel.
• 1929 - Passa a ensinar História do Pensamento Científico, em Genebra, e assume o Gabinete Internacional de Educação, dedicado a estudos pedagógicos.
• Anos 30 - escreve vários trabalhos sobre as primeiras fases do desenvolvimento, muitos deles inspirados na observação de seus três filhos.
• 1940 - Com a morte de Claparède, torna-se seu sucessor como professor e diretor do Laboratório de Psicologia.
• 1941 - Publica tabalhos sobre a formação dos conceitos matemáticos e físicos, com as pesquisadoras Bärbel Inhelder e Alina Szeminska.
• 1946 - Participa da elaboração da Constituição da Unesco, órgão das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura. Torna-se membro do conselho executivo e é várias vezes subdiretor geral, reponsável pelo Departamento de Educação.
• 1950 - Publica Introdução à Epistemologia Genética, a primeira síntese de sua teoria do conhecimento.
• 1952 - É convidado a lecionar na Universidade de Sorbonne, em Paris, sucedendo ao filósofo Merleau-Ponty.
• 1955 - Funda o Centro Internacional de Epistemologia genética, em Genebra, destinado a realizar pesquisas interdisciplinares sobre a formação da inteligência.
• 1967 - Escreve “Biologia e Conhecimento”, a principal obra da sua maturidade.
• 1980 - Morre em Genebra no dia 16 de setembro.
Como já vimos, Piaget descobriu que a atividade mental e a descoberta do aprendizado se organiza e se dá por etapas. Há fases da inteligência, e o ser humano evolui no conhecimento a partir da interação com o mundo. Os diferentes estágios (fases) que descrevem a evolução do raciocínio têm características próprias que devem ser respeitadas, são elas:
• Fase Sensório-Motor (0 a 2 anos) - A partir de reflexos neurológicos básicos, o bebê começa a construir esquemas de ação para assimilar mentalmente o meio. A inteligência é prática. As noções de espaço e tempo, por exemplo, são construídas pela ação. O contato com o meio é direto e imediato, sem representação ou pensamento. Por reflexo, o bebê “pega” o que está em sua mão, “mama” o que é posto em sua boca, “vê”o que está diante de si. Aprimorando esses esquemas, é capaz, afinal, de ver um objeto, pegá-lo e levá-lo à boca. Vejamos as diferentes etapas dessa fase:
• Até 1 mês
Comportamentos como respirar, chorar ou sugar o leite materno são determinados hereditariamente e manifestam-se sob forma de reflexos inatos.
• 1 a 4 meses
O toque físico permite as primeiras adaptações e o reconhecimento do ambiente. Repetições sucessivas testam as reações, cujos resultados são assimilados e incorporados a novas situações.
• 4 a 8 meses
Novos movimentos provocam ações sobre as coisas: toques sucessivos em móbiles, pequenos barulhos e movimentos que estimulam o interesse.
• 8 a 12 meses
O bebê aplica formas já conhecidas por ele para resolver situações novas: sentado no cadeirão, pega com as mãos os alimentos e joga objetos no chão provocando reações diferentes.
• 12 a 18 meses
As experiências com objetos ampliam os meios para entendimento de novas situações. A criança começa a considerar, por exemplo, que os objetos saem da visão, como uma bola atrás de uma almofada.
• 18 a 24 meses
Surgem combinações mentais e de ações. Os jogos de encaixa tornan-se instigantes. Há uma mudança qualitativa da organização da inteligência, que passa de sensível e motora para mental.
• Fase Pré-Operatório ou Pré-Operacional (2 a 7 anos) - A criança se torna capaz de representar mentalmente pessoas e situações. Já pode agir por simulação, “como se”. Sua percepção é global, sem discriminar detalhes. Deixa-se levar pela aparência, sem relacionar aspectos. Quando mostram-se duas bolinhas de massa iguais e dá-se a uma delas a forma de salsicha. A criança nega que a quantidade de massa continue igual, pois as formas são diferentes. Não relaciona as situações. É centrada em si mesma, pois não consegue colocar-se, abstratamente, no lugar do outro. Surgem pensamentos anímicos e intuitivos, sobre a natureza. Para a criança, tudo se comporta como ela: nuvens “choram”, pássaros voam “porque gostam”, e o sol tem “rosto”.
• Fase Operátorio-Concreto (7 a 11 anos) - nessa fase a criança já é capaz de relacionar diferentes aspectos e abstrair dados da realidade. não se limita a uma representação imediata, mas ainda depende do mundo concreto para chegar à abstração. Desenvolve também a capacidade de refazer um trajeto mental, voltando ao ponto inicial de uma situação. Começam as operações chamadas de lógico-concretas, nas quais as respostas baseiam-se na observação do mundo e no conhecimento adquirido. É a fase de escolarização, dos primeiros textos e operações matemáticas. Despeja-se a água de dois copos em outros, de formatos diferentes, para que a criança diga se as quantidades continuam iguais. A resposta é positiva. Ela diferencia aspectos e é capaz de “refazer”a ação.
• Fase Operacional-Formal (12 anos em diante) - A representação agora permite a abstração total. A criança não se limita mais à representação imediata nem somente às relações previamente existentes, mas é capaz de pensar em todas as relações possíveis logicamente. Desenvolvem-se as operações formais e proposicionais com raciocínio sustentado no conhecimento físisco e em hipóteses lógicas. Incorporam-se idéias abstratas e ideológicas, como justiça e ecologia. Se lhe pedem para analisar um provérbio como “de grão em grão, a galinha enche o papo”, a criança trablha com a lógica da idéia (metáfora) e não com a imagem real de uma galinha comendo grãos.
Pode-se perceber que é no período sensório-motor que a criança adquire a idéia e consciência do eu. O ponto de partida para o desenvolvimento intelectual é a posição egocêntrica, ou seja, aquela em que a criança não percebe nem distingue o mundo externo. Pois na sua visão ela e o mundo são um só. Nessa visão de mundo não existe nem espaço, nem objeto nem pessoas. Comentando a atitude psicológica do recém nascido, a Dra. Miriam David afirma que:

“Durante as primeiras semanas, a criança se encotra num estado de ‘nebulosa psíquica’, difícil de imaginar para nós. Não conhece nada do mundo que a cerca. Não tem noção de tempo, vive apenas o presente, não pode prever nem se lembrar; não se distingue do resto do mundo. Será preciso muito tempo para que saiba o que é seu corpo, para distinguir suas diferentes partes, para saber que lhe pertencem, que fazem parte dela” (DAVID, 1983:13).

Contudo, apesar de parecer indiferente ao que se passa ao seu redor, a criança nessa fase, tem uma capacidade de absorção fantástica. Na realidade, essa capacidade de sentir os estímulos e acontecimentos do meio que a envolve, já tem início no período pré-natal, quando o bebê ainda está no útero materno.
Todavia, até os dois anos de idade as janelas dos sentidos estão totalmente “escancaradas”, afirmam os psicológos. Há um forte espírito de aventura e descoberta, o ser está em ebulição. Existe uma atitude compulsiva para a exploração exterior. Por exemplo: quando o bebê está na fase denominada por Freud de “fase oral”, ele experimenta uma interação mão versus boca. O bebê está experimentando “o mundo”pela boca, ou seja, a textura, o volume, o gosto, a forma e a cor daquilo que leva à boca. Para a criança tudo é pura aventura e descoberta. Por essa razão Piaget incentiva o uso de atividades lúdicas (jogos) para estimular o desenvolvimento infantil, essa atividade interacionista desenvolve a criança em todos os níveis da vida. Piaget enfatiza a inteligência sensoriomotor, frisando o lado social (socialização) com atividades práticas, estímulos adequados e aproveitamento das “janelas escancaradas”. Para ele, a formação da personalidade é um processo Biopsicosocioespiritual, ou seja: envolve aspectos biológicos, psicológicos, sociológicos e espirituais, os quais precissam ser despertados na criança em suas diferentes etapas de desenvolvimento, mas principalmente nos primeiros anos de vida.
Resumindo, para Piaget o aprendizado é um processo gradual no qual a criança vai se capacitando a níveis cada vez mais complexos do conhecimento, seguindo uma sequência lógica, ou seja: 1- Sujeição. 2- Incorporação. 3- Assimilação. 4- Acomodação. 5- Adaptação ao meio. 6- Formação de um esquema mental (padrões de comportamentos organizados). 7- Maturidade intelectual (compreensão dedutiva e lógica - hipóteses complicadas).
Abordei alguma coisa da psicologia piagetiana do desenvolvimento, para revelar de maneira parcial a complexidade e a beleza que há no amadurecimento de um ser humano. Mas também para corroborar a conclusão de que:

“o contato excessivo com o videogame atrapalha o processo de socialização; Em alguns casos o videogame acaba privando a criança da capacidade de fazer amigos, além de incitar um modo de pensar muito mecanizado, é o que afirma a psicóloga Isolda Gunter e a psicoterapeuta Claudete Sargo” (ISTOÉ, 8 de janeiro de 1992:28).

Carlos Byngton, psiquiatra e analista, vê na nova geração eletrônica uma certa dificuldade emocional para amadurecer. No seu ponto de vista, se a criança se expõe demasiadamente ao game, ela corre o risco de incorporar o universo mágico à sua realidade particular. Por isso o analista recomenda que “os jogos eletrônicos sejam usados com moderação e balanceados com esportes e ensinamentos humanísticos” (IDEM:28).
Para a Professora de psicologia da USP, Maria Isabel Leme de Mattos, as crianças que vivem concentradas num universo de informações extremamente visual têm a tendência a tomar decisões de forma ‘impressionista’, ou seja, “são mais impulsivas e não refletem teoricamente sobre um problema, partindo para resolvê-lo de forma indutiva na base da tentativa e erro” (IDEM:27).
Se você deseja aprender mais sobre os primeiros anos de vida da criança e seu desenvolvimento, especialmente as novas pesquisas sobre o cérebro, você pode acessar o programa “I Am Your Child” na Internet. O endereço é: www.iamyourchild.org.

HUMANIZAÇÃO

Em seu livro “Psicologia Do Desenvolvimento”, a professora Ofélia W. Zielak, nos fala da influência que o meio exerce sobre o desenvolvimento e humanização da criança, bem como da importância de se demonstrar afeto, carinho e amor. Zielak menciona o caso de Patrick, uma verdadeira tragédia humana e científica.
“Quando Patrick foi finalmente descoberto ele contava com sete anos, vivia trancado num galinheiro que media 3m por 1,80m protegido por telas, o que o obrigava a empoleirar nos suportes de madeira. Esse pobre garoto se locomovia pulando com movimentos semelhantes ao das rãs. Suas unhas dos pés cresceram tanto que ele constantemente tropeçava nelas. Ele estava com mais de vinte fraturas consolidadas nas pernas e braços, seu rosto era pálido, suas canelas côncovas, sua alimentação básica consistia em cascas de batatas que sua desumana “mãe” atirava no chão do galinheiro, coberto de camadas de penas, excrementos e restos de sua comida. Patrick foi encontrado e tratado, uma cirurgia endireitou suas pernas e ele foi capaz de andar com passos irregulares. Nunca aprendeu a falar, o único som que emitia era o das galinhas do galinheiro vizinho, o qual havia ouvido desde pequeno. Depois de várias terapias Patrick começou a apresentar sinais de humanização, mas o tratamento foi abruptamente interrompido e encerrado quando ele foi removido para um orfanato onde imediatamente regrediu” (ZIELAK, 1996:33).

Outro caso, muito conhecido por aqueles que estudam psicologia ou sociologia, é o de Amala (ou Kama) e Kamala na Índia (1920), duas crianças que foram encontradas vivendo no meio de uma família de lobos. Elas se locomoviam de quatro, apoiando-se sobre os joelhos e cotovelos para os pequenos trajetos e sobre as mãos e os pés para os trajetos longos e rápidos. Eram incapazes de permanecer em pé. Na instituição onde foram acolhidas, passavam o dia acabrunhadas e prostradas numa sombra; eram ativas e ruidosas durante a noite, procurando fugir e uivando como os lobos. Nunca choravam ou riam. Kamala viveu oito anos na instituição que a acolheu, humanizando-se lentamente. Ela necessitou de seis anos para aprender a andar e pouco antes de morrer só tinha um vocabulário de 50 palavras. Atitudes afetivas foram aparecendo aos poucos. ela chorou pela primeira vez por ocasião da morte de Amala e se apegou lentamente às pessoas que cuidavam dela. Aprendeu a se comunicar primeiramente por gestos, depois por palavras de um vocabulário rudimentar. Morreu em 1929, tinha poucas características humanas e seu comportamento era exatamente semelhante àquele de seus “irmãos” lobos.
Esses relatos descrevem fatos verídicos e permitem entender em que medida as características humanas dependem do convívio social, da interação com outras pessoas, da satisfação de necessidades básicas, sejam de ordem física ou psicológica, tais como: alimentação, abrigo, proteção, carícias, incentivos, amparo, segurança, conhecimento, etc. É por meio do contato humano que a criança aprende e adquire a linguagem, passando por meio dela a se comunicar com outros seres humanos e a organizar seu pensamento. A criança aprende a ser humana quando há um contato “interativo-afetivo-emocional”, significativo. Quando ela é devidamente estimulada nas diferentes fases de seu desenvolvimento.
Diante desse quadro, se faz necessário alguns questionamentos para reflexão: será que o excessivo convívio com a TV não está “produzindo” uma geração “desumanizada” em certo sentido, quase “sub-humana” em alguns aspectos? Uma geração magnetizada pelas imagens sugestivas da TV? Vítima de um consumismo desenfreado e selvagem? Manipulada e imcapaz de pensar por si mesma? Vazia do verdadeiro conhecimento? Carente de afeto e demonstrações do verdadeiro amor? Desequilibrada emocionalmente e pobre em espiritualidade? Estas são algumas questões para se pensar, debater e dialogar no lar e na escola.
ESTÍMULOS VERSUS TV

Para provar a importância do aspecto afetivo-emocional no desenvolvimento e realizações humanas, o psicólogo e jornalista americano Daniel Goleman (Phd), autor do sucesso editorial: Inteligência Emocional; realizou pesquisas intensas em escolas, empresas e famílias, bem como em alguns dos melhores e mais reputados trabalhos na área de neurofisiologia; concluindo que:
“...a fórmula para o sucesso na vida repousa numa combinação bem temperada de pensamento racional agudo com controle e autoconhecimento emocionais. Mais do que isso, para Goleman, é nas emoções que está o fator preponderante” (VEJA, 15 de janeiro de 1997:66).

Não querendo entrar numa análise crítica da obra de Goleman, desejo apenas destacar a importância dos aspectos mencionados acima, e de como eles podem ser aplicados ao viver cristão. Diante dos “bloqueios” causados pelo uso excessivo da TV, tais como: ausência de relacionamentos interpessoais significativos, desinteresse social, pensamentos e idéias manipuladas, afastamento dos livros, insensibilidade diante do sofrimento alheio, incapacidade de demonstrar e receber afeto e carinho, pouca ou nenhuma comunicação, etc; Desejo apenas destacar a importância de uma educação contínua para a mídia, pois hoje em dia é fundamental a necessidade de desenvolver pleno controle das emoções no cotidiano, e ter consciência de como elas podem ser entendidas e moldadas para o pleno sucesso profissional.
Cada vez mais, empresas e escolas estão aplicando métodos psicológicos para medir o estado emocional de seus funcionários e alunos. O princípio é simples, conforme o nível emocional do indivíduo, será a sua reação a determinadas situações. Logo, quando há uma concientização de todos, de que tal colega de trabalho ou de escola, não está bem emocionalmente, (as causas podem ser variadas) isso é levado em consideração, nos momentos de interatividade e na maneira de praticar o relacionamento interpessoal com essa pessoa. Todos são beneficiados, começando pelo próprio indivíduo que tem mais facilidade para se abrir emocionalmente, devido ao ambiente psicologicamente favorável. Por que não usar esse método dentro do lar e da escola? Por que não transformar o lar e a escola em ambientes totalmente favoráveis para a prática da interação emocional?
Considerando que a TV não contribui de maneira satisfatória para a formação afetivo-emocional das crianças e para essa abertura emocional, se torna imperativo a necessidade de relacionamentos interpessoais significativos para o seu desenvolvimento integral. E quanto mais cedo as crianças forem estimuladas pelos pais e por aqueles que a cercam, melhor.
O primeiro ano de vida é decisivo no desenvolvimento do cérebro da criança e no despertar de seus potenciais. De acordo com especialistas na área de psicologia, a interação entre herança genética e o estímulo do meio ambiente, é que definirão o ser humano. Fruto dessa interação entre o que é herdado e os estímulos do ambiente, no primeiro ano de vida o cérebro do bebê triplica de tamanho, chegando a cerca de um quilo (uma arrancada decisiva, visto que o cérebro de um indivíduo na idade adulta é pouco maior, pesando algo em torno de 1,350 quilo). Além do florescimento das células da glia, que são estruturas de sustentação e nutrição dos neurônios, o ganho de peso é explicado pelo aumento do número de sinapses, uma espécie de elo que une os neurônios. Quanto mais um indivíduo executa atividades sensoriais, físicas ou intelectuais, maior o número de sinapses que irá desenvolver. Aos oito meses de idade, a criança atinge seu número máximo, cerca de 100 trilhões. O desafio está em conseguir mantê-las, lutando contra a natureza, que, sozinha, se encarrega de reduzi-las à metade antes que a criança atinja os cinco anos. De acordo com o neurologista infantil Erasmo Casella, do instituto da criança do hospital das clínicas da Universidade de São Paulo,

“...quando há uma habilidade que não é utilizada, a sinapse correspondente a ela tende a desaparecer”, por isso, explica Casella, “na guerra pela sobrevivência das sinapses, a estimulação é uma arma poderosa” (ISTOÉ, 5 de março de 1997:52).

Porém, o que os especialistas querem dizer quando falam sobre a necessidade de estimular o bebê? Será que significa, por exemplo, forçar uma criança a aprender a falar antes mesmo dela saber sequer balbuciar algum som? A resposta é negativa. Estimular o desenvolvimento do bebê não significa apressá-lo, mas estimulá-lo na hora certa, no período apropriado. Tudo tem um tempo certo. O desenvolvimento infantil normal e sadio acontece gradualmente. Considerando a importância da formação cerebral no primeiro ano de vida, bem como a necessidade de estimular o bebê nessa fase, é fundamental saber quais são as principais etapas do desenvolvimento do bebê em sua primeira infância (0 a 3 anos):
• Reconhece feições - Já no primeiro mês.
• Segue objetos com os olhos - Do primeiro mês ao início do segundo.
• Sorriso social - Entre o primeiro mês e o segundo.
• Ergue a cabeça de bruços - Do primeiro mês ao início do segundo.
• Desnvolvimento sócio afetivo - Do primeiro mês ao início do segundo.
• Desenvolvimento motor - Do primeiro mês ao início do segundo.
• Firma a cabeça - Entre o terceiro e o quarto mês.
• Brinca com as mãos - No quarto mês.
• Leva objetos à boca - No quarto mês.
• Pega objetos com as mãos - Entre o quarto e o sexto mês.
• Senta com apoio - Entre o final do terceiro mês e o início do sexto.
• Senta sem apoio - Entre a metade do sexto mês ao final do nono mês.
• Expressa as primeiras sílabas sem significado - Do sétimo ao nono mês.
• Brinca com imagem no espelho - Do final do sétimo mês ao oitavo mês.
• Entende o seu nome e o sentido de “não” - Do final do sétimo mês ao décimo.
• Segura objetos com dedos em pinça - Entre o nono e o décimo mês.
• Anda com o apoio das duas mãos - Entre o final do oitavo mês ao final do décimo primeiro mês.
• Expressa as primeiras sílabas com significado - Do décimo mês ao décimo segundo mês.
• Anda com o apoio de uma mão - Do décimo mês ao décimo segundo mês.
• Coopera no vestir - Entre o final do décimo primeiro mês ao décimo segundo.
• Anda sozinho - Entre o décimo segundo mês até o décimo oitavo mês.
• Anda na ponta dos pés - Até o trigéssimo mês.
• Sobe escadas alternando os pés - Até o trigéssimo quinto mês.
Os pais devem considerar que, “a capacidade de expressão no primeiro ano de vida da criança é limitada, mas seu poder de apreensão é enorme, é muito grande nos primeiros meses, principalmente pela percepção de sons, diz o neurologista infantil Luiz Celso Vilanova, da Universidade Federal de Medicina de São Paulo” (IBIDEM).
Deste modo, é fundamental que os pais desenvolvam desde cedo uma comunicação correta com seus filhos. Usando um vocabulário correto e não repetindo as palavras mal pronunciadas do bebê. Uma estimulação auditiva deficiente pode gerar problemas no processo de alfabetização dessas crianças mais tarde, uma vez que elas terão dificuldades em associar a sequência de fonemas à grafia das palavras, conclui o neurologista.

ESTIMULANDO SEM A TV

Ao contrário do que se pensa a estimulação da criança não exige aparatos especiais, muito menos o uso da TV com desenhos animados bonitinhos e coloridos. O que toda a criança realmente precisa é de muito carinho e contato pessoal com seus familiares, principalmente com a mãe. O ambiente familiar, com pessoas em redor do recém-nascido, conversando com ele, é um ótimo começo. A mãe, ao segurar a criança no colo, alimentá-la, cuidar de sua higiene e livrá-la de alguma dor, transmite o que é fundamental nesse primeiro ano. O afeto cria a predisposição para o desenvolvimento cognitivo. Por outro lado, atitudes intempestivas e bruscas, podem produzir distúrbios cujas consequências só serão sentidas bem mais tarde, na idade adulta. Hoje existem pesquisas que associam, por exemplo, quadros de obesidade à amamentação em ambientes tumultuados.
“As atitudes afetivas, principalmente da mãe, determinam durante a infância, não só a qualidade e o ritmo de desenvolvimento físico, intelectual e afetivo da criança, como também, em casos extremos, a sua morte. Enquanto bebê, a mãe é a fonte vital da qual fluem a experiências e as satisfações mais primárias e, depois, durante toda a infância, ela será um centro permanente de estímulos e de segurança. O recém-nascido é totalmente dependente da mãe, há uma ligação biológica e psicológica muito forte entre a criança e a mãe (diáde). Quando o pai está inserido nessa ligação, forma-se o que se denomina de tríade. O ideal é que ele esteja inserido. É fácil, portanto compreender que qualquer atitude afetiva, principalmente da mãe, em termos de indiferença e rejeição, desencadeia peturbações afetivas na criança. deve-se acrescentar ainda que estas perturbações não ocorrem apenas no plano das emoções, mas inclusive em termos físicos e intelectuais. Spitz forneceu um quadro já considerado clássico sobre as relações entre a atitude materna e a reação da criança:

Atitudes Maternas Efeitos na Criança
Manifesta repulsa afetiva Coma do recém-nascido
Rejeição ativa e explícita Vômitos e doenças respiratórias
Solicitude anisosa excessiva Cólicas
Hostilidade e angústia Neurodermatite infantil
Oscilação entre mimos e hostilidade
(inconstância nas demonstrações afetivas) Hipermotibilidade (abalos e rítmos fora dos padrões da normalidade)
Saltos de humor cíclicos Jogos fecais
Hostilidade recalcada
(procedimento e atitudes compensatórias) Hipertimia agressiva
Privação afetiva parcial Depressão
Lprivação afetiva total Marasmo e indiferença

A carência afetiva poderá causar lesões irreparáveis. Tanto o abandono afetivo como a separação podem provocar a apatia, a depressão, a indiferença, a angústia e até mesmo a morte. Inversamente, os cuidados exagerados e a superproteção, no fundo compensatórios, denunciam uma ansiedade mesclada de culpa, o que pode originar na criança perturbações digestivas, enurese, insegurança e angústia. São bastante freqüentes os casos de crianças com insônia infantil, anorexia, atrofias musculares e atrasos motores originados de uma situação carencial. Quanto ao comportamento, as crianças apresentam-se ora hiperativas e agressivas, ora inertes, apáticas e indiferentes” (SCHEMES, 28 de outubro de 1997, ACE - Associação Catarinense de Ensino - Joinville, SC)

Perrota , cita Alexander Löwen, médico psicoterapeuta, o qual chamou a depressão de doença do século. Ele afirmou que “a depressão quase sempre começa no útero materno. Crianças ou mesmo adultos deprimidos, geralmente tiveram mães gestantes deprimidas” (PERROTA, 1985:51).
“Um estudo realizado por Mihaly Csikszentmihalyi, cientista da Universidade de Chicago, comprovou que de fato, o ato de ver TV é uma das causas de depressão” (PERROTA, 1985:52).

Entretanto, diante da realidade histórica da demanda das mulheres no mercado de trabalho, uma boa parcela de filhos e filhas não estão recebendo os devidos estímulos, tão necessários ao seu desenvolvimento pleno. O pior de tudo é que, em muitos casos, essa tarefa tão sagrada, a de estimular, educar e moldar o caráter da criança, é confiada, quase que integralmente, aos cuidados de pessoas despreparadas que na maioria das vezes, passam essa responsabilidade para o aparelho de televisão. Ocorrendo assim um círculo vicioso de “transferência de responsabilidade”. Contudo, é bom lembrar, que nada ou ninguém, pode substiuir o que compete aos pais fazê-lo.

LINGUAGEM VERSUS TV

Estudos científicos têm demonstrado que as experiências durante a infância alimentam os circuitos nervosos e determinam o futuro da inteligência. Essa é mais uma boa razão para os pais se empenharem na educação de seus filhos.

“Pesquisadores de diversas partes do mundo estão descobrindo que há etapas definidas para o desenvolvimento do cérebro das crianças, e informam que a inteligência, a sensibilidade e a linguagem podem e devem ser aprimoradas na escola, no clube e, especialmente dentro de casa. E a maior surpresa: o gosto pela ciência, pela arte e pelas línguas ocorre muito mais cedo do que se imaginava.” (VEJA, 20 de Março de 1996:84).

Esse estudo ainda revela que, as primeiras experiências da vida são tão importantes que podem mudar por completo a maneira como as pessoas se desenvolvem. Essas diferentes etapas de desenvolvimento são denominadas de ‘janelas da oportunidade’. A revista americana Newsweek usa uma imagem que pode parecer assustadora, mas que reflete bem o que os cientistas estão dizendo: a cada velinha de aniversário que uma criança assopra, é como se ela estivesse fechando janelas de oportunidade, que jamais serão abertas uma segunda vez. Múltiplos centros de pesquisa exploraram essa hipótese, e confirmaram o seguinte: musicalidade, raciocínio lógico-matemático, inteligência espacial, capacidades relativas ao movimento do corpo, entre outras, dependem de circuitos que são plugados logo na primeira infância, época em que a criança aprende a aprender. O tempo, nesse caso, é essencial. Principalmente o tempo que os pais dedicam a seus filhos antes de atingirem a adolescência.
Para citar apenas um exemplo das pesquisas realizadas, estudos na área da linguística mostram que a “janela aberta” para a habilidade da linguagem vai do nascimento aos dez anos de idade.
“O que se sabe é que por volta do primeiro ano de vida, os circuitos no córtex auditivo, responsáveis pela transformação dos sons em palavras, estão conectados. Aos poucos, as crianças perdem a capacidade para identificar sons ausentes de sua língua nativa escutada desde o nascimento. A partir dos 10 anos, o aprendizado de um idioma estrangeiro torna-se, por isso, mais penoso. Aos 2 anos, quanto mais palavras a criança ouvir, mais rico será seu vocabulário” (IDEM: 86).

Essa pesquisa ainda sugere que a melhor maneira de desenvolver as habilidades linguísticas na criança é por meio de um recurso simples e eficaz: conversar. Por isso, os pais que desejam que seus filhos falem corretamente com um bom vocabulário e/ou aprendam uma segunda língua, devem começar o ensino antes dos 10 anos.

“Quando uma criança começa a falar (2 a 3 anos), o vocabulário dela passa de cerca de 50 palavras chegando até 500 palavras. Até os 5 anos pode chegar a 5.000 palavras, se ela for devidamente estimulada. Por isso os pais devem estimular a criança sensório (sentidos), motor (movimentos), no início da sua existência, quando as janelas de oportunidades estão escancaradas” (SCHEMES, 28 de outubro de 1997, ACE - Associação Catarinense de Ensino - Joinville, SC)

Por outro lado, estudos realizados pela Dr. Sally Ward, especialista Britânica em linguística, confirmam que:

“televisão em excesso antes do primeiro ano de vida, pode prejudicar o desenvolvimento linguístico das crianças. A overdose de TV leva-as a começar a falar e reconhecer palavras básicas mais tarde que as demais crianças. Ward acredita que os programas infantis impedem que a criança se interesse por seus brinquedos. E quanto mais tempo passa diante da TV, menos o adulto que ‘toma conta’ desenvolve o hábito de conversar e estimular sua percepção. Resultado: Um reduzido vocabulário infantil” (JORNAL DA TARDE, 25 de outubro de 1997:C5-7).

Uma criança que permanece várias horas diante da TV a absorver como uma esponja tudo o que é apresentado, ante a redundância verbal do veículo, não lhe sobra outra alternativa a não ser a emudecida inércia. Durante o tempo todo postada diante do foco hipinótico, ela é desestimulada a falar, dialogar ou desenvolver qualquer atividade motora. Vygotski, neurologista e psicólogo russo, fez estudos na área da linguística, e comprovou que a criança necessita de uma inteligência prática de interação com o meio para desenvolver plenamente a habilidade da fala. Isso se dá por meio da manipulação de instrumentos, demonstrações e brincadeiras. Nas crianças pequenas essas atividades práticas são de particular importância, uma vez que são estimuladoras do seu desenvolvimento linguístico e emocional.

“Ora, a criança consumidora de tevê, durante várias horas por dia, é privada de duas oportunidades fundamentais ao seu desenvolvimento pleno: falar e agir. Reduzida à comtemplatividade, é sempre ouvinte-vidente; o fantoche que não concorda nem discorda, ouve e vê, mas não escuta nem observa, e muito menos duvida ou contesta” (REZENDE, 1993:21).

Na minha opinião o pior resultado na vida de uma criança “consumidora de TV”, é aquele que está relacionado com a capacidade crítica de pensar por si mesma. O direito de escolha, regido pelo poder da vontade, é um dom exclusivo da raça humana. E ao perdê-lo, o homem se coloca ao nível de um irracional. Telespectadores passivos, contemplativos, ouvintes atentos e sem nenhum espírito crítico, estão se colocando na posição de meros refletores do pensamento alheio, não importando a qualidade desses pensamentos. Definitivamente, posso afirmar, que a televisão não ensina a pensar, ela apenas ensina a receber o pensamento de outros, assimilando suas ideologias, valores e crenças.

CAPÍTULO IV

TELEVISÃO E SAÚDE

CUIDADO! TV VICIA

A análise de inúmeros estudos sobre o hábito de assistir televisão vem demosntrando o que os pesquisadores já desconfiavam há mais de duas décadas: assistir TV pode causar uma dependência semelhante à provocada pelo álcool ou outros medicamentos. Como já dizia Santo Agostinho: ‘o hábito não refreado logo se tranforma em vício’. Os estudos indicam que os viciados assistem TV duas vezes mais do que o telespectador médio. Conforme o psicólogo Robert Kubey,

“é comum as pessoas dizerem que vêem televisão seletivamente, mas na verdade elas ligam o aparelho para assistir apenas um programa e só se levantam três horas depois.” Outra revelação do estudo foi de que “embora a maioria diga que relaxa enquanto assiste televisão, as pessoas acabam se sentindo bem mais relaxadas quando desligam o aparelho.” (DECISÃO, março de 1991:14)

Outro fator que se deve levar em conta é que, diante de um mundo cada vez mais globalizado, a necessidade de dominar a arte da boa comunicação, seja oral ou escrita, tem se tornado uma obrigação para quem deseja o sucesso profissional. A criatividade, a capacidade de raciocínio e um pensamento aguçado são requisitos indispensáveis na hora de procurar um bom emprego. Cada vez mais o poder de argumentação e a expresão verbal fluente vem adquirirndo papel essencial na vida das pessoas. Definitivamente não podemos afirmar que a televisão está contribuindo para desenvolver tais habilidades. A prática constante da leitura, e principalmente da boa leitura, é que permanece como campeã para o desenvolvimento de tais habilidades. Podemos afirmar que o hábito de ler se constitui na mola propulsora do pensamento criativo, enquanto o hábito de ver TV leva à preguiça mental, muitas vezes crônica.
Em artigo publicado na revista Mocidade (1991:12), sob o título “A TV VICIA”, foram apresentadas várias advertências para os telemaníacos, revelando que a TV não combina com os livros e os estudos, nem com um bom papo entre amigos. O professor francês Marcel Rufo fez estudos sobre a relação entre o estresse e a TV no meio estudantil, e chegou a algumas conclusões surpreendentes:
• A TV é uma das causas do estresse na escola. Ela é responsável, também, por problemas nervosos e falta de atenção.
• Em muitos casos a TV funciona como um “medicamento social”, levando as pessoas à apatia. Muitas crianças e adultos recorrem à televisão como meio de preencher um vazio cultural e social em suas vidas.
• Assistir televisão regularmente deixa a pessoa agitada, instável, e com um enorme problema de concentração.
• A TV leva o indivíduo a esperar uma linguagem “televisual”, não importa onde ele esteja. No sistema televisual tudo acontece em forma de show, isso significa que se não há espetáculo, não interessa - ainda que seja algo essencial para a vida.
• Por influência da TV muitas pessoas não conseguem discutir um tema em profundidade; mudam de papo de uma maneira surpreendente.
• A TV torna o indivíduo passivo em relação ao estudo e à leitura, que são coisas ativas. Por isso, já se estudam até formas televisuais de aprendizagem e exames. É para atender os “viciados”.
• A TV bloqueia o desenvolvimento linguístico, uma vez que não pede que o telespectador fale, o indivíduo pode ter dificuldades para se comunicar. Diante disso, não é recomendável passar muito tempo na frente da telinha, talvez a razão maior de muitos estudantes acharem tudo monótono na escola, com relação aos livros e até amigos, seja o fato de dedicarem mais tempo e atenção ao aparelho das fantasias. (FONTE: MOCIDADE, dezembro de 1991:12)
Muito mais do que um víco, a TV pode se constituir uma verdadeira “droga eletrônica”. Com as mudanças sociais ocorridas pós-televisão, houve também uma mudança na forma como as pessoas se relacionam. A era moderna é marcada por uma incidência cada vez maior de problemas emocionais e de relacionamento. As indicações disso estão à nossa volta. Basta verificar as taxas crescentes de abuso de álcool, drogas, suicídio e outros sinais de depressão, os quais indicam que a vida de muita gente não anda nada bem. A televisão está dentro de um padrão de atividades que fornece alívio temporário para as dificuldades que a sociedade pós-moderna tende a produzir. A TV é um remédio tecnológico para os problemas de uma sociedade tecnológica. À ela são atribuídas falsas virtudes tais como: relaxar o tenso, estimular momentâneamente o sem propósitos, entreter o entediado, oferecer fuga para os inseguros e tímidos, ser uma companheira para os solitários, etc. O que ela não faz, contudo, é ajudar de fato a lidar, sequer superficialmente, com as causas da tensão, dos complexos, solidão, angústia, vazio existencial, ou qualquer que seja o problema de que a pessoa possa estar procurando escapar ao ver TV. Pelo contrário, a televisão é como uma droga. Todavia, é uma droga que mascara os sintomas. Se ver televisão pode ser uma maneira de fugir dos problemas, isso se torna mais grave quando assitir TV é um ato de fuga ainda mais sério, fuga de Deus.

TV, STRESS E OBESIDADE

A Universidade de Chicago realizou um estudo com um grupo de voluntários adultos. O objetivo era constatar como eles utilizavam o seu tempo e como se sentiam a respeito do que estavam fazendo. Cada um recebeu um “beep”, que era acionado em determinados horários, nos quais eles deviam registrar o que estavam fazendo naquele momento e como estavam se sentindo. O resultado revelou que os voluntários passavam mais tempo vendo televisão do que em qualquer outra atividade de lazer, mas também revelou que eles tendiam a sentir-se fracos, passivos, sonolentos, solitários, desconcentrados e rejeitados na frente da telinha. Nenhuma outra atividade praticada por eles fazia com que se sentissem tão mal. A princípio os pesquisadores não sabiam se as pessoas começavam a ver TV por sentirem-se passivas e vazias, na esperança de que a televisão as animasse, ou se era o ato de ver TV que causava tal passividade e sentimento de solidão. Após analisarem os dados novamente, os cientistas constataram que, realmente, era o ato de ver TV que causava depressão nos voluntários.
Que a TV é um instrumento que promove a passividade no telespectador não há dúvidas, mas a questão que precisa ser levantada é: “até que ponto a televisão é de fato relaxante?” Muitas perguntas poderiam ser feitas a respeito da passividade diante da telinha, mas, desejo analisar se de fato a TV é tão relaxante, como muitos alegam. Primeiramente é necessário lembrar que não é na passividade que se encontra um relaxamento das tensões e do stress, mas em atividades diferentes daquela a que se está acostumado, ou seja, atividades que levam você a sair da rotina. Deste modo, pode-se afirmar que, o que de fato relaxa é o contraste de atividades, e não a inatividade. Por exemplo, a fim de relaxar, executivos jogam tênis, operários vão pescar, estudantes praticam esportes, etc. Todavia, para uma grande maioria, a TV é encarada como uma fonte legítima de distração e relaxamento.
Entretanto, deve-se questionar se essa fonte é de fato tão legítima. Confiar na televisão para relaxar, passando várias horas em sua frente, é um padrão de comportamento que trará sérios prejuízos. A inatividade física e mental diante da telinha priva as pessoas das oportunidades de praticar formas mais adequadas e ativas de relaxamento e usufruir de seus benfícios. Ver televisão, mesmo com a justificativa de que é para relaxar, não tonifica os músculos nem prepara para um sono reparador de qualidade, como aquele que vem após o exercício físico, por exemplo. Por outro lado, a leitura, os “hobbies”, os esportes, a música, os relacionamentos interpessoais, o diálogo, enfim, todas as formas ativas de relaxamento, têm a vantagem e a possibilidade de produzir um senso de realização, seja por conhecimento adquirido, amizade alimentada, temores superados, projetos executados, abilidades desenvolvidas ou adquiridas. Portanto, confiar na televisão para relaxar, significa no mínimo, privar-se dos lucros e benefícios que formas mais ativas de relaxamento têm para oferecer. Qualquer outra atividade em que você possa pensar, será mais positiva do que ver TV, mas todas exigem esforço e risco. Como muitos não querem correr riscos nem se esforçar, preferem ver televisão por ser algo “seguro” e fácil. Diante da TV não há como fracassar. Além do mais, a TV está sempre à disposição, sempre que se desejar. Ela faz com que as pessoas se sintam como se estivessem fazendo algo, participando, quando, na realidade, não estão. Nesse sentido, a TV é, acima de tudo, uma grande ilusão. Por essa razão não é de admirar que algo tão seguro e passivo seja insatisfatório e deprimente como forma de relaxamento do stress.
Enquanto as formas ativas de relaxamento podem ser chamadas de recreação; as formas passivas podem ser denominadas de descanso. A televisão tem o poder de fazer com que o corpo e a mente entrem num estado de neutralidade, mas de maneira nenhuma isso significa descanso. Quando se fala em descanso, logo vem à mente o ato de dormir, que muitas vezes está relacionado com o ato de ver televisão. Há quem descreva o ato de ver TV como um estado de “quase-sono”, o qual induz os espectadores ao sono. Por essa razão muitos chegam a usar a TV como sonífero ou relaxante, antes de ir para a cama. Todavia, tal atitude não garante um sono profundo e reparador como aquele que vem após a leitura, por exemplo.
Se por um lado a TV não serve como relaxante do stress e é causadora de depressão, por outro, ela também é culpada por induzir o telespectador ao consumo de produtos supérfluos e estimular um estilo de vida pouco saudável, principalmente às crianças. Para os pordutores de marketing, há um forte interesse em atingir o público infantil, não só com programas adequados à sua idade, mas também com propagandas, e para isso são feitos investimentos milionários. Para transformar crianças de 0 a 14 anos em pequenos consumidores, os responsáveis pelo marketing na TV levam em considração as características inerentes à idade infanto-juvenil, ou seja: o fato das crianças apreciarem o mundo da fantasia e do faz de conta; o fato delas amarem os heróis da TV e fazerem deles seus exemplos; o fato das crianças quererem viver só de diversão; o fato de serem egocêntricas e capazes, a partir de certa idade, de tomar suas próprias decisões e fazer escolhas. É se aproveitando dessas carcterísticas, falando na sua própria linguagem e fazendo uso de músicas e histórias para chamar a atenção e divertir, que os programas e comerciais são produzidos e apresentados, passando a ser assimilados e imcorporados no cotidiano infantil. Essa assimilação não ocorre por acaso, pois de acordo com estatísticas recentes, “antes de completar 5 anos, uma criança terá visto não menos do que 1.000 comerciais na TV.” (VEJA, 15 de maio de 1998:89).
Há uma verdadeira indústria que obtém grande lucro às custas da audiência do público infantil, pois é justamente esse público que consome grande parte dos produtos apresentados na TV. Esses produtos incluem música infantil (algumas com palavrões e muita malícia), brinquedos com nome de personagens de TV e personagens de filmes e desenhos animados, calçados, roupas, jóias, revistas, guloseimas, hamburguer, etc. As crianças são estimuladas a consumir, mas, na maioria das vezes, elas mesmas acabam sendo consumidas e até mesmo prejudicadas.
Outro fator que deve ser levado em consideração, é o que está relacionado com a saúde física. A razão é óbvia, o ato de assistir televisão geralmente vem acompanhado de um “bom” refrigerante, pipoca, salgadinhos, biscoitos, sorvete, chocolate, enfim, “alguma coisa” para comer. Especialmente para as crianças e adoelscentes é difícil ficar diante da TV sem comer e beber seus produtos preferidos. Baseado nesse comportamento, Kurt Gold, pediatra da Universidade da Califórnia, em Irvine (EUA), realizou uma pesquisa experimental com 1.066 crianças, e concluiu que, “as crianças que passam pelo menos duas horas por dia assistindo TV têm duas vezes mais chances de ter alto nível de colesterol no sangue do que as que gastam menos tempo nessa atividade” (DECISÃO, Abril de 1991:13). Outro estudo médico feito na Inglaterra concluiu que,

“uma criança que assistir à tevê inglesa por uma hora diária verá em uma semana 92 anúncios de comida e bebida. E isto está mudando os seus hábitos alimentares para pior. Os produtos mais anunciados, em geral ricos em açucar e gorduras, têm uma participação cada vez maior nas dietas das crianças”. (JORNAL DA TARDE, 11 de Fevereiro de 1993:4).

Mas, não é só o hábito de comer diante da telinha que causa obesidade, a própria tecnologia em si tem contribuído para que as pessoas ganhem uns quilinhos. Por exemplo: o simples ato de usar o controle remoto para trocar de canal, representa uma economia de aproximadamente 50 calorias. Ou seja, se ao invés de usar o controle, as pessoas levantassem do lugar e trocassem de canal manualmente, elas estariam perdendo nesse ato, cerca 50 calorias. Eis aí, mais uma, das muitas razões, para o aumento de peso relacionado ao uso da TV.

TV, PREGUIÇA MENTAL E CÉREBRO ATIVO

Ver televisão é uma maneira fácil de permitir que outras pessoas exponham os produtos de suas imaginações, através de nossa consciência, para seus próprios fins. É como se a mente entrasse numa espécie de “devaneio televisivo”, onde o telespectador tem imagens na mente, mas está numa condição totalmente passiva, inconsciente do mundo exterior ao de suas imagens. Pesquisas tem indicado que quando as pessoas estão assistindo aos programas de televisão que lhes interessam, suas ondas cerebrais estão em estado alfa, o que indica que estão recebendo o conteúdo de modo passivo. Estado alfa são padrões de ondas cerebrais que ocorrem quando você não se orienta em direção a algo. Essa técnica é utilizada nas meditações transcendentais para obter relaxamento, mas também ocorre quando você vê TV. Assim, uma pessoa que assiste um comercial por exemplo, pode direcionar sua mente integralmente à TV e não às diferenças de conteúdo. Estar em alfa, é aprender de forma passiva, essa “aprendizagem” ocorre quando a pessoa não está nem concentrada nem opondo resistência à fonte de informação. Suas faculdades críticas estão em repouso, não há confrontação de problemas ou idéias. Deste modo a informação chega à pessoa, mas ela não reage a ela. Todavia, essa informação fica “armazenada na mente”, e talvez mais tarde haja uma reação a ela, sem que a pessoa saiba a que está reagindo. Deste modo, as sugestões feitas enquanto a pessoa está mentalmente relaxada em estado alfa, são mais prováveis de serem seguidas posteriormente. Desta maneira há um paradoxo entre o estado alfa (passividade), promovido pelo ato de ver a imagem eletrônica na TV, e o seu conteúdo informativo, repleto de sons e imagens. O parodoxo é que, ao mesmo tempo que informa, a televisão freia a nossa capacidade de desenvolver o senso crítico e processar a informação. A TV multiplica o número de informações recebidas pela visão e audição, abrindo as janelas do mundo, mas ao mesmo tempo, diminui a capacidade de lidar conscientemente e inteligentemente com essas informações, além de bloquear o desenvolvimento da comunicação falada e do diálogo.
Por isso, nada melhor para desenvolver a arte da boa comunicação do que o hábito da leitura, que além de trazer conhecimentos culturais, pode “prevenir” doenças degenerativas do cérebro. Alguns alegam que a leitura causa sono e cansa os olhos. Mas, de acordo com Jordi Cervos, diretor do Instituto de Neuropatologia da Universidade Livre de Berlim, Alemanha, o hábito de ler retarda o envelhecimento do cérebro.

“Exercitar a “massa cinzenta”é um hábito que se deve ter desde a juventude. Especialmente importante na terceira idade, a leitura é uma das melhores formas de manter o cérebro ativo, evitando a degradação provocada por vários tipos de demência senil, como o mal de Alzheimer” (MANCHETE, 18 de novembro de 1995:32).

Cientistas têm investigado se pessoas com maior grau de escolaridade estão mais protegidas do mal de Alzheimer. Muitos têm visto o estudo, e principalmente a leitura, como um “remédio” preventivo para esse mal.
Alzheimer é uma doença que tem como os primeiros sintomas a perda de memória e alterações de comportamento, levando as suas vítimas a sofrer uma degeneração das capacidades mentais. Foi diagnosticada pela primeira vez em 1906, sendo responsável por até 50% dos casos de demência, aparecendo na velhice, segundo as estatísticas sobre “o avanço do alzheimer:
• No Brasil há 1,5 milhão de portadores.
• Nos EUA, 4 milhões.
• Pessoas com mais de 65 anos têm 10% de chance de desenvolver o mal. Aos 85 anos, as chances aumentam para até 50%.
(FONTE: ISTOÉ, 5 de março de 1997:54).
Desde 1992, a Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, vem publicando trabalhos que sugerem a teoria de que um intelecto mais estimulado forneceria uma reserva contra a proliferação do Alzheimer. Com base em pesquisas desenvolvidas nos Estados Unidos, na Europa e na China, os cientistas encontraram algumas evidências de que um nível educacional mais alto pode servir de protetor contra a degeneração dos neurônios promovida pelo Alzheimer. Na verdade não impediria a doença de se desenvolver. No entanto atrasaria a sua progressão. O oposto também vem sendo investigado, ou seja, se a baixa escolaridade é capaz de precipitar o avanço dessa enfermidade. Essa teoria “revela que um fator social pode interagir com o biológico e até mesmo determinar a organização de uma estrutura cerebral” (IBIDEM).
Mas a questão é:

“de que maneira um bom nível escolar protegeria o cérebro? Em expriências com camundongos, os cientistas encontraram mais terminações nervosas e conexões entre neurônios (sinapses) em ratos estimulados com objetos e mais bem nutridos. Cogita-se que nos seres humanos haja um processo semelhante. Ou seja, em um número maior de conexões, o Alzheimer teria de percorrer um caminho maior até conseguir degenerar uma quantidade de neurônios razoável para incapacitar o partador” (IBIDEM).

Se Deus nos deu a capacidade de ler, devemos usá-la com todas as nossas energias mentais, não apenas para trazer vigor e saúde ao nosso cérebro, mas para crescermos intelectualmente e acima de tudo entendermos o plano da salvação e o conjunto de verdades que foram a nós reveladas na Bíblia. É por meio da leitura da Santa Palavra de Deus que estaremos protegidos contra os efeitos degenerativos do erro e do pecado.
Roberto pompeu de Toledo, em artigo publicado na revista Veja sob o título: “A Televisão e a Volta às Cavernas” (25 de junho de 1997:126) comenta todavia, o fato de que nossa sociedade hoje parece viver num tempo de culto da imagem deixando de lembrar do valor inestimável da palavra escrita. Ele faz sérias críticas ao uso exclusivo e indiscriminado dos meios de comunicação, inclusive o telefone, afirmando que o homem que pensa de verdade escreve cartas aos amigos. Toledo faz menção a Lorde Thomson of Monifieth, um inglês que já presidiu a Independent Broadcasting Authority (órgão de supervisão do sistema de rádio e televisão na Grã-Bretanha) que disse certa vez numa conferência que lamentava não ter surgido na história da humanidade primeiro a televisão, e depois os tipos móveis de Gutenberg.

“Penso que imprimir e ler representam formas mais avançadas de comunicação civilizada do que a transmissão de TV, afirmou Monifieth”. Esse lúcido inglês confessou que, em seus momentos sombrios, se sente incomodado com o pensamento de que a humanidade caminhou milhões de anos para voltar ao ponto de partida. Começou magnetizada pelos desenhos nas paredes das cavernas e terminou magnetizada diante das figuras de alta definição nas paredes onde se embutem os aparelhos de televisão” (VEJA, 25 de junho de 1997:126).

CAPÍTULO V

TELEVISÃO, EDUCAÇÃO E CONSUMISMO

TV: SOMBRAS DA REALIDADE

A primeira sessão de cinema nos moldes em que a conhecemos hoje, ou seja, numa sala pública de projeções, aconteceu a mais de dois mil anos, muito antes que Louis Lumière mostrasse as paisagen animadas de La Ciotat no Grande Café de Paris. Ela teve lugar na imaginação de Platão (que, por sua vez, a credita a Sócrates, num diálogo com o discípulo Glauco) e veio a ser conhecida posteriormente como a “Alegoria da Caverna”. “À caverna de Platão, basicamente uma “sala de projeção”, pode ser feita outra alegoria, a da imagem” (RIBEIRO, 1991:79). Fazendo uso dos pensamentos filosóficos de Platão em sua obra “A República”, onde é apresentada sua “alegoria da caverna”, e sobrepondo seus pensamentos à idéia de Monifieth, podemos narrá-la e aplicá-la ao mundo de hoje da seguinte maneira:
Imagine um grupo de pessoas que sempre viveram dentro de uma caverna sem jamais terem saído para ver a luz do sol e o mundo real. Tais indivíduos sempre comtemplaram as sombras que se projetavam para dentro da caverna, oriundas da pouca luminosidade advinda de sua entrada. Esses seres humanos nunca puderam ao menos olhar para a própria entrada da caverna, uma vez que estavam acorrentados de costas para ela, eram obrigados a ver as imagens disformes que se projetavam, uma vez ou outra, na parede logo à sua frente; tais imagens eram produzidas quando algum animal ou pessoa passava do lado de fora, projetando suas sombras para dentro. Nossos personagens sempre acreditaram que as sombras que viam, e os ecos que ouviam, eram a realidade última dos fatos, sem jamais questionar a origem de tais imagens e ecos. A fascinação demonstrada por eles diante das sombras era indescrítivel, permaneciam ali o dia todo, olhando para as imagens em movimento enquanto a vida no mundo real, fora da caverna, a verdadeira fonte de conhecimento e satisfação plena, permanecia inexplorada. Mas um belo dia, um deles conseguiu se libertar das correntes, e olhando para a claridade à entrada da caverna ficou curioso. Começou a andar em direção a única saída. A luz que vinha de fora ofuscava e castigava seus olhos, por um momento ele quase desistiu, mas a sua inteligência o desafiava a prosseguir. Aos poucos ele foi se acostumando com aquela claridade, seus olhos foram se adaptando à nova situação, até que finalmente resolveu pular para fora da caverna; porém, não resistindo à intensa luz do sol caiu por terra, com as mãos cobrindo seus olhos. Jamais em toda sua existência havia entrado em contato com o mundo real, aos poucos foi se recuperando do impacto e seus olhos foram se abrindo para comtemplar a realidade da vida, e não apenas as suas sombras e ecos. Voltou para avisar seus companheiros da sua descoberta, eles riram e disseram que ele estava louco, que a única coisa que realmente dava sentido à vida era comtemplar as sombras projetadas na parede.
Essa alegoria pode representar a situação de muitas pessoas em nossa sociedade, e até mesmo dentro da igreja. São aqueles que vivem limitados pela “caverna” do vício televisual, pessoas que preferem contemplar as sombras e ouvir os ecos, deixando de viver a realidade, pois estão continuamente diante do aparelho das fantasias. São indivíduos que pensam que estão comtemplando o fantástico show da vida, e não conseguem se libertar para uma forma mais nobre de conhecimento e relacionamento. Nesse processo o consumismo é o bem mais idolatrado, oferecido pelo capitalismo, ainda que não consumido. Todavia, quando essa libertação ocorre, ficam por alguns instantes atordoados diante da complexidade dos fatos e da beleza da verdade, até finalmente compreenderem que a vida real está além dos sons e das imagens projetadas na TV. Esses privilegiados que escapam da “caverna”, descobrem novas dimensões, mais complexas e verdadeiras. Para muitos que professam o nome de Cristo, se faz necessário sair da caverna televisiva, perceber as coisas, as pessoas, e viver num mundo real servindo ao próximo e a Deus. Buscando o verdadeiro conhecimento e um relacionamento significativo, tanto no sentido vertical, voltado para as verdades eternas; como no sentido horizontal, voltado para as necessidades educacionais de um mundo sem Cristo.
Em seu livro The Unreality Industry (A Indústria da Irrealidade), Ian Mitroff afirma que,

“a televisão prejudica nossa mente de duas maneiras. Primeiro, ela apresenta a irrealidade eletronicamente de tal forma que o espectador muitas vezes não consegue fazer distinção entre o real e a ficção. Em seguida torna essa distorção tão atraente, que a pessoa não se preocupa mais em distinguir o que é real do que não o é” (MITROFF, 1998:136).

Certa ocasião, após ter falado sobre a influência da TV na vida espiritual e familiar, fui procurado por um membro da igreja. Jamais esquecerei a angústia daquele irmão ao me falar da situação do seu filho: “Pastor”, disse ele, ore pelo meu filho, ele tem 16 anos e sua vida se resume em ver TV. Ele só sai do seu quarto para almoçar e ir ao banheiro, não quer trabalhar, nem estudar. Não tem amigos e só quer ficar preso dentro do seu quarto vendo TV ou ouvindo música Rock.
Alienação, comportamento anti-social e apatia diante das responsabilidades e realidades da vida, estes são alguns efeitos trazidos pela dominação televisual na vida pessoal de muitos. São casos extremos de como uma pessoa pode passar a vida dentro da “caverna”, diante das sombras, perdendo o verdadeiro sentido de sua existência. Ao absorver a filosofia individualista veiculada pela TV, o indivíduo passa a considerar os personagens televisivos como o seu coletivo, na TV ela vê tudo o que precisa ver, por que sair de casa e fazer novos amigos? Por que se preocupar com os semelhantes? Por que sair para construir relações reais num mundo real?
Ao falar da decadência do ensino e da educação nas famílias norte americanas, (o que também pode ser aplicado à nossa realidade) Allan Bloom afirma que,

“não é evidente que alguém cuja leitura regular consiste em Time, Playboy e Scientific American seja senhor de uma sabedoria mais profunda sobre o mundo do que o aluno da escola rural de outrora com seu manual de leitura de McGuffey, o célebre pedagogo do século passado. Quando um rapaz procurava instrução, como Lincoln, o que havia à mão para aprender de imediato era a Bíblia, Shakespeare e Euclides. Seria realmente pior a situação dele do que a das pessoas que tentam abrir caminho por entre a salgalhada técnica do atual sistema educativo...? Pelos padrões atuais, diz Bloom, meus avós eram ignorantes, tanto que meu avô se ocupava com empregos humildes. Mas a casa deles era espiritualmente rica, porque tudo que nela se passava (e não só o que era tipicamente ritual) encontrava origem nos mandamentos da Bïblia e explicação nas histórias bíblicas e nos comentários sobre elas, com seu equivalente imaginário nos feitos de uma miríade de heróis exemplares. Meus avós encontraram razões para a existência da família e o cumprimento de seus deveres em textos sérios...o verdadeiro ensino era respeitado porque tinha uma conexão sensível com a vida das pessoas” (BLOOM, 1987:74-75).


TV, ANAFALBETISMO E MANIPULAÇÃO DE MASSA

As estratégias de controle da opinião pública são bem mais complexas do que se pode imaginar. Não é a televisão o único veículo desse controle, nem tampouco o conjunto dos meios de comunicação. Na imensa maioria dos países capitalistas e democráticos, os meios de comunicação pertencem a empresários que investem neles objetivando lucro. Nos poucos países socialistas que restam, os meios pertencem ao Estado, com o objetivo de controlar todo contéudo transmitido e desta maneira exercer maior controle da opinião pública. Mas, também é comum que nos países capitalistas o governo possua canais de TV educativos sem fim lucrativo. Todavia uma coisa é certa, aquele que controla os meios de comunicação, seja o empresário, seja o governo, tem condições de impor à audiência a visão de mundo do grupo que representa. Porém, numa sociedade democrática, a idéia da manipulação total é absurda. Isso porque existem visões de mundo que sempre estão em conflito, dando liberdade ao telespectador para exercer o direito de escolha. Mas nem sempre essa manipulação é facilmente percebida, não raro ela aparece sob o disfarce de uma orientação sútil à um determinado comportamento, ou mesmo uma indução. Os grupos que detêm o poder, sabem como a TV influencia as pessoas e recorrem a incontáveis artifícios – desde sutis construções de linguagem até evidentes manipulações da realidade – e tudo isso para criar uma “verdade conveniente” por meio da indústria da comunicação. É seguindo este parâmetro que a TV apresenta a mentira disfarçada de verdade ou misturada com ela, o supérfluo como se fosse uma questão de vida ou morte, e propositalmente ignora o essencial, o primordial, o que na realidade importaria.
Indubitavelmente, a TV tem contribuído, e muito, para que predomine entre a população como um todo, essas “verdades convenientes”, que geralmente são opostas a todo e qualquer princípio cristão. Tais “verdades”, têm, dentre os seus objetivos, o de desviar a atenção do público para as realidades sociais, tais como: fome, miséria, corrupções, crises econômicas, etc. É como se o povo fosse eternamente “embalado em berço esplendido”, esquecendo de reinvidicar direitos sociais e exercer a cidadania plena. As verdades convenientes apresentadas pela mídia, funcionam mais como uma “cortina de fumaça”, impedindo que as pessoas realmente pensem e tenham uma visão ampla e crítica dos verdadeiros acontecimentos.
A Televisão, também é um meio eficaz de estabelecer costumes e mudar o padrão de comportamento de milhares de pessoas quase que simultâneamente, e tudo de uma maneira muito sutil e aparentemente ingênua. Isso adquire muito mais importância quando leva-se em consideração o fato de que, no Brasil, a maioria de seus aproximadamente 155 milhões de habitantes não têm uma educação formal adequada, nem acesso à uma formação cultural digna e, consequentemente, a capacidade de fazer uma leitura crítica das informações e conteúdos veiculados pela mídia eletrônica.
O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (MEC), divulgou as seguintes estatísticas quanto ao acesso da população brasileira à educação:

Nível Educacional Ano de 1994 Ano de 1997
Ensino Fundamental 32,4% 34,22%
Ensino Médio 5,07% 6,40%
Ensino Superior 1,66% 1,99%
(Obs: Porcentagem em milhões)

Embora esteja ocorrendo uma evolução no número de matrículas em escolas e universidades públicas e particulares, segundo dados estatísticos da Unesco e Inep/MEC, publicados na revista Istoé (21 a 27 de junho de 1998:39), o Brasil ainda ocupa o segundo lugar em número de analfabetos na América do Sul, perdendo só para a Bolívia (ver tabelas abaixo), o que indica que os livros estão fechados para uma boa parcela da população, que tem na TV sua única fonte de informação.

LIVROS FECHADOS
População Analfabeta da América do Sul ANALFABETOS NO BRASIL
Idade Homens Mulheres
Bolívia 16,9% De 15 a 19 7,9% 4,0%
Brasil 16,0% De 20 a 24 8,7% 5,5%
Peru 11,3% De 25 a 29 10,0% 6,4%
Equador 9,9% De 30 a 39 11,0% 9,4%
Venezuela 8,9% De 40 a 49 15,8% 15,9%
Colômbia 8,7% Mais de 50 28,1% 34,4%
Paraguai 7,9% ************************************
Chile 4,8% ************************************
Argentina 3,8% ************************************
Uruguai 2,7% ************************************

Se o analfabetismo é uma mácula nacional, a situação do ensino no Brasil é vexatória.
“A educação brasileira obtém um desempenho apenas comparável ao de países da África, o continente mais miserável do planeta. Enquanto no mundo civilizado a porcentagem da população que completa o primário é bastante próxima de 100%, no Brasil apenas 39% concluem esta fase do aprendizado crucial para o próprio exercício da cidadania. Faz companhia ao Brasil a pobre Angola (34% de conclusão), devastada por vários anos de uma das mais cruentas guerras civis do mundo” (ARRUDA e PILETTI, 1997:398)

Mesmo quando comparado a outros países da América Latina, o Brasil faz feio. “Segundo estudo realizado pela Unesco, no vizinho Uruguai 94% terminam o primário; em Trinidad e Tobago, 89%; na Venzuela, 86%; no México, 80%; no Paraguai, 70%; na Colômbia, 56%” (IBIDEM)
Infelizmente, no Brasil, a grande maioria da população não tem acesso ao jornal diário escrito. O baixo nível de instrução da população, combinado com o baixo poder aquisitivo, faz com que o número de habitantes que lêem jornal seja um dos mais baixos dentre os países industrializados como revela a pesquisa seguir:
TIRAGEM DE JORNAIS DIÁRIOS EM 1988
País Exemplares por mil habitantes
• Japão 566
• Estados Unidos da América 259
• México 124
• Itália 105
• Chile 67
• Brasil 55
(Fonte: UNESCO)

Se no Brasil o número de leitores é baixo, o número de ouvintes de rádio e de telespectadores é alto. O rádio e especialmente a televisão atingem a imensa maioria da população brasileira. Os telejornais, programas de auditório e principalmente as novelas atingem milhões de pessoas e conquistam a audiência de jovens e adultos.
Desta maneira, sem terem acesso à educação e sem desenvolverem uma consciência crítica da mídia, o padrão de comportamento da grande maioria é elaborado por trás dos bastidores dos meios de comunicação de massa, especialmente da TV. Tudo é feito segundo os interesses econômicos e ideológicos de determinados grupos. Pode estar certo, os comerciais não estão aí apenas para fazer a gente comprar coisas, não. Indiretamente, eles promovem idéias, vendem um estilo de vida, criam “o mito da perfeição”.
Uma ideologia se constitui num conjunto de idéias e pensamentos que estão associados a interesses de uma determinada classe social. Todas as classes, sem exceção, estão ligadas e são movidas por ideologias. Assim, por trás de uma idéia veiculada na TV, sempre estão os interesses de seus mentores. Mas, nem sempre a ideologia apresentada reflete suas verdadeiras intenções.
Por exemplo: quando você assiste a um comercial na TV, no qual aparecem pessoas bonitas, saudáveis e felizes andando de Asa Delta ou praticando algum outro hobby, e tendo o cigarro como companheiro inseparável; a idéia da indústria do fumo é associar o cigarro ao sucesso, à vitória, à felicidade e, por incrível que pareça, à saúde das pessoas. Jamais, a indústria do fumo fará uma propaganda mostrando alguém ligado a um tubo de oxigênio, lutando para poder respirar, por causa de um enfizema pulmonar, muito menos mostrará alguém com a garganta tomada pelo câncer, ou algo semelhante.
No entanto, milhares de telespectadores, principalmente os adolescentes, são levados a associar o cigarro com a beleza e a felicidade, e induzidos a comprar aquela marca para supostamente atingir o mesmo status ou viver as mesmas situações que os atores da propaganda (de maneira falsa e cínica) representaram na TV. Desta maneira, podemos afirmar que as ideologias veiculadas pela TV são mais um fator de mudanças sociais.

TV, CONSUMISMO E MATERIALISMO

Após a revolução e o desenvolvimento industrial, e a inevitável expansão do capitalismo, a diversão e o lazer tornaram-se um grande negócio. Com o surgimento da chamada indústria de entretenimento, surgiu também uma sociedade marcada pela sede do consumo. Esse consumismo, muitas vezes desenfreado e louco, é incentivado constantemente pelos meios de comunicação de massa. Nesse processo de incentivo ao consumo, a TV adquire um papel extremamente importante (do ponto de vista econômico), mas infelizmente, na maioria das vezes, esse papel é manipulador. Há uma espécie de treinamento para que o povo trabalhe e consuma, trabalhe e consuma...vivendo para, e em função do “ter”.
Usando a expresão empregada pelo sociólogo alemão Theodor Adorno (1903-1969), o século XX presenciou o surgimento do que ele denominou “indústria cultural”. Para Adorno, toda manifestação artística e cultural produzida nos últimos cem anos, devia desenvolver um pensamento crítico no homem, mas acabou se degenerando em mera mercadoria dessa indústria cultural. O efeito desse processo nas pessoas, foi a acomodação do senso crítico e a conformidade com os valores e padrões da filosofia consumista. O filósofo Herbert Marcuse (1898-1979), descreve melhor esse processo em seu livro “Ideologia da Sociedade Industrial - O Homem Unidimensional”. Para Marcuse,
“...as sociedades altamente industrializadas caracterizan-se pela produção em larga escala de bens de consumo. Através da propaganda veiculada nos meios de comunicação, é divulgada e estabelecida a idéia de que a realização humana funda-se no ter e não no ser. Quando uma pessoa acredita que sua libertação e realização encontra-se naquilo que a propaganda lhe apresenta, essa pessoa perde sua dimensão crítica, e quanto mais ela acreditar na filosofia do ter, menor será o seu senso crítico” (MARCUSE, 1997:77).

Na sociedade de consumo a “felicidade” é colocada à venda sob as mais variadas formas: roupas, marcas, casas, carros, etc. Para que a pessoa pense assim, a propaganda é usada para agir no sentido de “domesticar” as energias e produções humanas, direcionando-as para o consumo. A liberdade, muitas vezes é sacrificada no altar do consumismo, levando milhares de pessoas a comprar uma necessidade artifial e, de certa forma, imposta pela propaganda. Isso se torna mais grave ainda para as crianças. Deve-se levar em consideração que há um envolvimento emocional entre o público infantil e determinados ídolos televisivos. Os “apelos” ao consumo são feitos baseados nesse envolvimento emocional da criança com seu ídolo, o que é um poderoso estímulo ao consumo de determinados produtos. Esse bombardeio feito pelas diversas formas de propaganda acaba transformando as crianças em consumidores compulsivos. Nos adolescentes isso fica muito mais claro na obsessão que desenvolvem por produtos “de marcas famosas” como tênis, calças, camisetas, etc. E se os pais não podem comprar o que eles viram na TV, está armada a maior briga.
Tudo isso porque o consumismo é o bem mais idolatrado, ainda que não consumido. O consumismo é o bem oferecido pelo capitalismo, todavia, os privilegiados que conseguem escapar de suas garras, descobrem que a vida tem outras dimensões, mais complexas e reais do que os produtos (na maioria das vezes supérfluos) oferecidos na tevê. É fora desse sistema escravista de consumo desenfreado, que a pessoa encontra a verdadeira razão de viver e a mais pura realidade. Mas, infelizmente, a realidade é que, para a grande maioria, a mídia transformou o “Tchan” na expressão mais popular que qualquer livro. Enquanto em um, basta prestar atenção, no outro, é necessário imaginar, refletir e pensar. Um fato banal, é mais importante do que as mais recentes descobertas científicas. A indústria cinematográfica oferece como produto, o mais mágico dos bens de consumo, sonhos, ilusões! A imagem nos mostra a realidade já pronta. A mídia é organizada em grandes monopólios de comunicação e padronizada para pregar o consumo.
Se por um lado a televisão apresenta itens que realmente necessitamos, por outro, ela também apresenta um verdeiro bombardeio daquilo que é supérfluo e muitas vezes até prejudicial. A propaganda tem o poder de transformar aquilo que não é essencial à vida em algo de imediata urgência. Vende, não apenas o produto em si, mas idéias, atitudes e comportamento. Hoje em dia, come-se, veste-se, fala-se e age-se de acordo com uma escala de valores massificada e pré-estabelecida no ambiente sofisticado dos estúdios de TV.
A letra de uma canção de Edson Alencar e Hélio Matheus, em que o assunto é a televisão, ilustra essa questão e chama a atenção para o aspecto comercial da TV, o título é: Comunicação.
Sinto o anúncio e vejo
Em forma de desejo o sabonete
Em forma de sorvete
Acordo e durmo na televisão
Creme dental saúde
Vivo no sorriso o paraíso
Quase que jogado, impulsionado
No comercial
Só tomava chá
Quase que forçado vou tomar café
Ligo o aparelho, vejo o rei pelé
Vamos então repetir o gol

É incontestável que o mundo da publicidade costuma exagerar a importância de novos artigos e estimular os consumidores a vender ou jogar fora bens apenas parcialmente gastos, para abrir caminho para outros, sendo portanto verdade que o consumidor é geralmente pego numa “armadilha consumista”. Com isso, é estabelecido um relacionamento cada vez mais temporário das pessoas com as coisas, que são consideradas descartáveis. Isso ocorre porque o cidadão normal é mal informado e treinado (condicionado), para um sistema de sobrevivência em que ele está empenhado em comprar uma quantidade enorme de quinquilharias, hipotecando o salário do mês seguinte. É desta maneira que as dívidas têm levado milhares de pessoas a uma situação de Stress, angústia e solidão, que geralmente acaba culminando em atos de violência.
É importante resaltar que as coisas são altamente significativas para o ser humano, não somente devido a sua utilidade funcional, mas também por causa de seu impacto psicológico, desenvolvemos relacionamentos com as coisas, há pessoas que resistem em se desfazer de algum objeto por causa de seu valor sentimental. Todavia, a mídia está sempre enfatizando a necessidade de renovar, mesmo quando não é necessário, criando a sociedade do compre-use-e-descarte.
Um exemplo desse ciclo de constantes renovações é a moda. Sustentados pela promoção dos meios de comunicação de massa e por técnicas sofisticadas de marketing, tais modismos atualmente irrompem em cena virtualmente da noite para o dia e desaparecem quase com a mesma rapidez. Essa constante transitoriedade e o desejo de acompanhá-la tem criado uma geração stressada e escravizada por marcas e grifes, e as consequências psicológicas dessa “sociedade do descartável” ainda precisam ser estudadas mais a fundo.
O sistema de valorização do próprio ser humano é imposto pela TV. Com a equação: ter é igual a ser, o sistema de publicidade passa a mensagem de que para “ser alguém” dentro da sociedade, para ser aceito, reconhecido, respeitado e valorizado, você precisa ter. É adquirindo determinados bens de consumo que você ganhará projeção social, é vestindo determinadas marcas, usando produtos anunciados pela mídia que você será reconhecido e terá valor. Todavia, como escreveu William James, “as vidas baseadas no ‘ter’ são menos livres do que as baseadas ou em ‘fazer’ ou em ‘ser’”.
Essa busca de bens, muitas vezes se tranforma na razão de viver da grande maioria, levando-os à uma vida de extremo materialismo e consumismo febril, que inevitavelmente leva ao egoísmo, à ganância, à avareza e à cobiça insaciáveis. São pessoas que nunca estão satisfeitas com o que têm, não desenvolveram um espírito de gratidão e vivem sempre competindo e se comparando com os outros (é na comparação que está a raiz do complexo de inferioridade). Todavia, é bom lembrar que, a Palavra de Deus condena a cobiça (a qual é a raiz de todos os pecados) e recomenda uma atitude de gratidão, generosidade e contentamento.
Enquanto a equação divulgada pela mídia é: ter igual a ser; o cristianismo bíblico ensina justamente o oposto. Jesus, no “sermão do monte”, deixou claro que o mais importante aos olhos de Deus não é ter (embora Deus saiba das nossas necessidades e deseje suprí-las), mas ter não é prioritário. Buscar o Reino de Deus e a Sua justiça está em primeiro plano.
O essencial, no pensamento de Jesus, é primeiro ser, e cada indivíduo é tão inestimável para Deus, que o seu valor se baseia no fato de que Ele fez a maior avaliação do ser humano ao morrer na cruz do calvário. Enquanto a TV ensina que você só terá valor se tiver um carro novo, a cruz de Cristo diz que você, como pessoa humana, como indivíduo, é a coisa mais preciosa que há em todo universo.
Para atrair e manipular de maneira mais eficaz o telespectador, os cientístas da comunicação inventaram ídolos de consumo. Esses ídolos incorporam os valores pré-estabelecidos pelos produtores, se tornam símbolos dos ideais que as massas humanas aspiram. São ídolos considerados heróis e heroínas nacionais que, sob um sofisticado jogo de luzes, sons e imagens, passam a representar pretensiosamente os anseios de todos quantos gostariam de atingir determinado status na vida social, econômica, política e mesmo religiosa.
É dessa maneira que a TV exerce seu papel manipulador, criando indivíduos sem individualidade, incapazes de pensar e decidir por si mesmos, pessoas que são verdadeiros papéis-carbono, cópias e xerox daquilo que vêem na telinha. Uma pessoa que é manipulada dessa maneira, não tem “luz” própria, é apenas um mero refletor do pensamento alheio. E no caso de alguém que professa ser filho ou filha de Deus a situação é ainda pior, não têm a luz da vida e ainda permanece em trevas.
“O pensamento de grupo” imposto de maneira manipuladora pela TV, é responsável pelo controle da consciência de milhares de pessoas que costumam racionalizar assim: “a maioria pensa e age assim; por que não vou fazê-lo também? Agrega-se a isso o fato de que há o interesse de esvaziar toda e qualquer discusão (seja ela econômica, educacional, política, sociológica ou religiosa), e colocar em primeiro plano qualquer outro assunto.
Com raras exceções, a televisão condiciona o indivíduo ao modo de pensar do inimigo. Quando a mente é sobrecarregada com o conteúdo profano da TV, por meio de imagens violentas, apelos à lascívia, desejo de status e poder, ela tende a se conformar com essas mensagens, que vêm emolduradas por imagens, sons e cores fantásticas e deslumbrantes. A pessoa passa a moldar os seus pensamentos e o próprio comportamento, de acordo com o que armazena em sua mente. Esse processo de repetição da mídia pode ser definido como disse alguém, “água mole em pedra dura tanto bate...até que não há mais pensamento próprio”.
Por sua constante insistência em impor “seu pensamento”, é perigoso não ter um senso crítico apurado diante da telinha. E mais perigoso ainda é não ter discernimento espiritual para perceber o perigo do poder massificador da TV, isto é, o poder que ela tem de destruir nas pessoas o exercício da individualidade. Por essa razão, quando o apóstolo Paulo adverte: “E não vos conformeis com este mundo”, ele deseja afirmar que não devemos moldar nossa vida aos padrões de comportamento planejados por pessoas que vivem sem Cristo e distantes das normas eternas. O mesmo apóstolo ainda diz: “...mas transformai-vos pela renovação da vossa mente para que experimenteis qual seja a boa e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12:1-2).

PROPAGANDAS PERIGOSAS E ENGANOSAS

É inegável a importância da publicidade nos meios de comunicação. Numa economia de livre iniciativa e concorrência ela cumpre importantes funções, como a de garantir a pluralidade e a independência dos veículos informativos. A publicidade não deixa de Ter a sua utilidade ao divulgar o lançamento de novos produtos e serviços. Afinal, sem ela seria difícil ampliar as vendas, promover a concorrência e gerar as economias de escala que resultam em produtos e serviços de melhor qualidade e menores preços. Pode-se afirmar que sem imprensa livre não há democracia. E sem propaganda não existe imprensa livre. Todavia, nem toda propaganda é de fato útil, ou mesmo democrática.
A influência dos comerciais que divulgam bebidas alcoólicas, por exemplo, exercem uma pressão quase constante sobre as pessoas. Não é à toa que um dos piores problemas sociais do Brasil e outros países é a doença do alccolismo. David Ogilvy, um dos mestres da publicidade nos Estados Unidos, acusou certa vez a propaganda de Ter persuadido 58% dos americanos adultos a consumir cerveja. Outra pesquisa revelou que “os jovens que assistem muito à TV, especialmente videoclipes, estão mais propensos a se tornar consumidores de bebidas alcoólicas” (VEJA, 11 de Novembro de 1998:46).
Uma pesquisa realizada no Instituto de Psicologia da USP por Ilana Pinsky e Ronaldo Laranjeira, autores do livro O Alcoolismo,

“analisou 2.107 comerciais de TV para defender a tese sobre propaganda e bebidas alcoólicas e constatou que há mais comerciais de bebidas alcoólicas na televisão brasileira do que de bebidas não alcoólicas, cigarros, medicamentos ou automóveis. E quando se analisam vinhetas, ou seja, comerciais curtos de no máximo cinco segundos de duração, bebidas alcoólicas lideram o ranking, à frente de outras categorias fortíssimas como serviços bancários e aparelhos domésticos” (VEJA, 28 de maio de 1997:69).

A conclusão a que se chegou nessa pesquisa é de que hoje, a sociedade por meio da mídia não faz outra coisa senão convidá-lo a beber. E quando você faz parte do grupo de pessoas que se tornarão alcoólatras, essa mesma sociedade que o incentivou a beber, simplesmente o rejeita e discrimina.
Um estudo norte-americano, realizado pela Universidade da Califórnia e diulgado na revista do Instituto Nacional do Câncer dos EUA, constatou que o principal alvo, bem como as vítimas dos comerciais de tabaco, são as crianças e os adolescentes. Eles são alvos fáceis e os mais visados pela propaganda do cigarro. Segundo o “Inca” (Instituto Nacional do Câncer), órgão do Ministério da Saúde, “o momento ideal para transformar uma pessoa num fumante para o resto da vida é na adolescência.” A indústria tabagista também sabe que é nessa fase que se cria a dependência. Na opinião de especialistas, um dos problemas é que a propaganda do cigarro é mais ágil e agressiva do que os programas de informação para os jovens. A influência negativa da publicidade sobre o cigarro, fica confirmada diante das seguintes estatísticas:
“Nos EUA, estima-se que mais de um terço dos adolescentes esteja fumando. Pesquisas do CDC, Centro para o Controle e Prevenção de Doenças indicam que entre 1995 e 1997 o número de fumeantes entre estudantes do segundo grau passou de 34,8% para 36,4%. O governo dos EUA estima que 3 milhões de adolescentes são fumantes e que um terço vai morrer de doenças ligadas ao cigarro. No Brasil, dados do IBGE de 1989 indicavam que 2,8 milhões de jovens até 19 anos eram fumantes; na população em geral o país teria cerca de 40 milhões de fumantes” (FOLHA DE S. PAULO, 8 de abril de 1999:3-4).

A pesquisa norte-americana revelou ainda que, quanto mais cedo a pessoa começa a fumar, mais danos o cigarro vai provocar em seu organismo. Além de o jovem cair na dependência mais rapidamente, é ele quem pagará mais caro pelo vício precoce.

“Analisando o tecido do pulmão não atacado pelo câncer, os pesquisadores observaram que, nas pessoas que não fumavam, havia 32 alterações do DNA em 10 milhões de células. Entre os que começaram a fumar entre 7 e 15 anos, houve 164 alterações. E entre os que iniciaram entre 15 e 17 anos, foram 115, caindo para 81 entre aqueles que só fumaram depois dos 20 anos. As alterações genéticas são causadas pelas substâncias químicas presentes no cigarro” (IBIDEM).

Geralmente quem chega aos 20 anos sem fumar, dificilmente começa. Por isso muitas instituições governamentais e ONGs estão empenhadas em impedir que o adolescente se inicie. Até porque o cigarro serve de porta de entrada para que os jovens queiram experimentar outros tipos de drogas. Um dos meios usados para alertar os adolescentes tem sido a Internet, um exemplo é a página do Centro de Apoio ao Tabagista do Rio de Janeiro, cujo endereço é: htt//jovem.com/cigarro.
Segundo estatísticas, no Brasil, “o uso de cigarros entre adolescentes passou de 22% para 44% nos últimos 10 anos. Já o consumo de bebidas alccolicas passou de 65%, nos anos 80, para mais de 90% nos dias atuais” (A NOTÍCIA, 14 de abril de 1999:B-3). Para muitos profissionais da área da saúde, esse crescimento exagerado deve-se a um fator preponderante: A propaganda de cigarrro e bebidas na televisão direcionada quase que exclusivamente ao público jovem. Pesquisas demonstram que,
“há cerca de 10 anos a indústria de cigarros e bebidas observou que o consumo estava diminuindo. Então direcionaram as campanhas publicitárias ao público jovem. Deu resultado fantástico do ponto de vista financeiro para as empresas. Mas catastrófico do ponto de vista da saúde pública” (IBIDEM).

O fato de aparecer na televisão a observação de que “fumar faz mal à saúde”, é praticamente ineficaz do ponto de vista preventivo. O que é apresentado primeiro acaba exercendo maior influência. Primeiro passam imagens esculturais, com ação e aventura, usando modelos maravilhosamente lindos. Depois aparece a inscrição de advertência em letras minúsculas e descoloridas. O fato da mídia fazer campanha contra drogas mais pesadas como a maconha e a cocaína, e deixar o tabagismo e o alcoolismo de lado, reflete o caráter comercial que está por trás de toda essa publicidade. Acontece que a maconha e a cocaína não são drogas socialmente aceitas e não têm uma indústria legalizada como a do tabaco e do álcool que podem anunciar nos meios de comunicação. Já as empresas de cigarros e bebidas são os principais anunciantes.
Mas, não são apenas os comerciais de bebidas alcoólicas e cigarros que constituem “propagandas perigosas” e prejudiciais. A TV também tem se tranformado num paraíso promocional de jogatinas e apostas, apelos sexuais e convites místicos. É uma fonte perigosa de propaganda de números que levam às práticas pagãs da bruxaria e à lascívia e perversão da sexualidade. Esse marketing abusivo (embora pretenda vedar a participação de menores) acaba atingindo todas as faixas etárias sem discriminação, e muitas crianças e adolescentes são seduzidos por seus apelos.
A televisão tem incentivado o vício do jogo eletrônico por telefone em milhares de telespectadores. Os apelos promocionais incluem televisores, carros, casas, prêmios em dinheiro, caminhões e até helicóptero. Diante desse bombardeio consumista baseado numa constante insistência para ligar imediatamente, o telespectador acaba ficando desarmado e tentado a arriscar na sorte, tornando-se uma vítima fácil.
Os sorteios via 0900 começaram na televisão brasileira em agosto de 1996, e atualmente é o negócio que mais movimenta dinheiro na TV. Segundo dados levantados pela assembléia legislativa de São Paulo, só em 1997 o 0900 movimentou 276 milhões de reais, uma média de 23 milhões por mês, engordando os caixas das emissoras e saqueando o telespectador.
Como se sabe, o jogo “ainda” é ilegal no país, há no entanto uma lei de 1971 que autoriza sorteios feitos por instituições filantrópicas que tenham recebido algum bem como doação. Em 1997, o Ministério da Justiça criou uma portaria autorizando as entidades beneficientes a divulgar esses sorteios pela TV. É com esse amparo legal que as emissoras fazem (até o momento em que escrevo estas linhas) os concursos pelo sistema telefônico 0900.
O problema para a Justiça é que, de acordo com a lei, todo o dinheiro arrecadado, descontados os custos operacionais, deveria ir para instituições de caridade ou associações esportivas. Não é isso que vem acontecendo, o que torna tal prática uma verdadeira propaganda enganosa. Muitas dessas instituições beneficientes cedem seu nome para a “campanha” e acabam não recebendo nada ou quase nada dos milhões arrecadados. Mesmo aqueles que participam com a “boa intenção de ajudar” os necessitados (embora isso não justifique tal vício), acabam na verdade ajudando a enriquecer uma classe de pessoas por demais privilegiada.
Apesar de estar sob os olhos da Justiça e da Procuradoria-Geral da República (por ser uma ameaça ao desempenho das loterias promovidas pelo Governo), a embrulhada dos sorteios televisivos continua a todo vapor. Só em maio de 1998 os números desse “caça níquel” telefônico nas quatro principais emissoras do país eram os seguintes:
Globo* Record Sbt Bandeirantes
Ligações 7 milhões 5 milhões 3,5 milhões 2 milhões
Valor em Reais 27 milhões 20 milhões 14 milhões 8 milhões
(*A Globo começou a operar no dia 17 de maio)

E os números não param por aí não, as previsões feitas para durante a copa do mundo (frança/98) são de que a média mensal de 23 milhões do ano de 1997 quintuplique. Segundo a revista Veja (08 de julho de 1998:129), somente para o cassino telefônico da Globo estava previsto a seguinte estatística:

REDE GLOBO MAIO/98 JUNHO-JULHO/98
Número de Ligações 7 milhões 36 milhões
Dinheiro Movimentado (R$) 27 milhões 142 milhões

Usando as palavras do jurista Ives Gandra da Silva Martins, “esses cassinos eletrônicos geram recursos fantásticos. Mas dão uma premiação ridícula aos apostadores” (VEJA, 08 de julho de 1998:129).
A situação fica mais ridícula ainda quando se leva em consideração que, “em 1995, de acordo com o Banco Mundial, o Brasil era o campeão mundial da desigualdade social, apresentando a maior concentração de renda do planeta” (ver tabela abaixo). Nessa concentração a minoria tem a maior fatia do bolo do capital monetário (ou quase o bolo inteiro), e a maioria fica com as migalhas:
CONCENTRAÇÃO DE RENDA (% DO PIB – PRODUTO INTERNO BRUTO)
País 10% mais ricos 20% mais pobres
Brasil 51,3 2,1
Bolívia 31,7 5,6
Etiópia 27,5 8,6
Suécia 20,8 8,0
(FONTE: ARRUDA e PILETTI, 1997:396).

Outro fator agravante é a concentração da terra em mãos de poucos. “Apesar da imensidão do seu território (850 milhões de hectares),...2,8% de grandes proprietários detêm 56,7% das terras, enquanto 89,1% de pequenos proprietários ficam com apenas 23,4% das terras. E ainda há 4,8 milhões de famílias rurais sem terra” (IBIDEM). Tudo isso sem analizar aqui o problema relacionado aos meninos e meninas de rua, a difícil situação habitacional, o problema da fome e do trabalho precoce, dentre tantos outros que flagelam nossa sociedade.
As questões que deveriam deixar qualquer um intrigado são: como, uma população com tantas dificuldades sociais, econômicas e educacionais, pode se dar ao luxo de esbanjar tanto dinheiro? Por que os poderosos do meio da comunicação não usam ao menos uma pitada de bom senso e param com essa manipulação psicológica abusiva da massa? Na minha opinião, essa fortuna arrecadada gananciosamente, só contribue para deixar o Brasil na classificação de campeão da má distribuição de renda e injustiça social. Como cristãos não devemos jogar, pois essa prática só traz desgraças e incentiva o egoísmo, além de contribuir para a formação de uma super- classe de privilegiados.
Como dissemos, a TV também promove imagens pornográficas e apela para a prática do chamado sexo por telefone. Segundo matéria publicada na revista Veja (26 de julho de 1995:98), só num “serviço” gay da cidade de São Paulo, 1% das chamadas recebidas são feitas por crianças e adolescentes. Apesar das queixas de muitos pais, em estado de inadimplência junto à companhia telefônica, essa propaganda continua incentivando os menores a uma vida de imoralidades. Isso tem contribuído para a formação de uma imaginação pervertida e doentia, uma mentalidade lasciva, voltada para pensamentos de adultério e luxúria. Tal informação promove atitudes egoístas frente à sexualidade humana, incentiva a prática de vícios secretos e promove desvios no comportamento sexual, além de inculcar idéias distorcidas sobre masculinidade e feminilidade. Tudo isso sem mencionar a exploração da mulher como um mero objeto, o que acaba criando um esteriótipo social e reforçando posturas machistas de desrespeito a mulher. Os resultados da pesquisa “A Mulher Retratada pela TV”, realizada pela CPM Market Research de São Paulo, confirmou o que muitos já intuíam: “as mulheres brasileiras sentem-se cada vez menos representadas pela programação e menos identificadas com o modelo difundido pela telinha.” As principais críticas feitas à programação da TV aberta, foram de que o sexo em excesso divulgado na telinha erotiza meninas antes do tempo, transmite imagem irreal e não atende as necessidades da mulher, voltando-se mais para o homem. A pesquisa também indicou quais as personalidades femininas da televisão que refletem uma imagem negativa da mulher; as mais negativas segundo as entrevistadas, foram: “Tiazinha, as mulheres do 0-900, as garotas da banheira do gugu, e a rebolativa Carla Perez” (DIÁRIO CATARINENSE, 8 de abril de 1999:3).

AVALIANDO OS COMERCIAIS DE TV

Não é necessário fazer uma análise muito profunda para perceber que geralmente as pessoas acreditam nos comerciais de TV. É claro que isso deppenderá de muito fatores, tais como a criatividade do anúncio, a qualidade do produto, a credibilidade da emissora, a repetição do anúncio em outros veívculos de comunicação, etc. Todavia, independente desses fatores, pesquisas têm revelado que de um modo geral os telespectadores acreditam.
Para que você não seja uma vítima do consumismo desenfreado promovido pela indústria sofisticada da publicidade, Greg Rumseyu sugere 5 estratégias para se proteger.
1. Avalie os comerciais.
Procure perceber o que está por detrás dos anúncios, quais são as suas “segundas intenções”. Avalie se eles condizem com a realidade, se são realmente úteis e necessários ou apenas uma questão de vaidade e capricho passageiro. Enquanto vê o comercial, tente descobrir qual é a sua estratégia.
2. Procure dosar o tempo dedicado à TV.
Alguns especialistas são enfáticos em afirmar que ver TV de mais deixa a pessoa meio “dopada”, facilitando a aceitação dos produtos anunciados e das mensagens veiculadas.
3. Conheça seus pontos fracos.
Se a mídia pode ajudar a mudar o resultado de uma eleição, ela pode influenciar o seu comportamento. Evite o anúncio dos produtos que você é mais influenciado e tem mais dificuldade para resistir. Para alguns o álcool é uma tentação, para outros os apelos sexuais, a comida, a vaidade, o materialismo, etc.
4. Deternine sua real necessidade do produto.
Como ninguém compra aquilo que não lhe interessa, a propaganda tenta criar uma necessidade física ou psiológica dos seus produtos. Por isso, verifique se a coisa é boa mesmo, se as informações são corretas e se vai ser útil.
5. Se você não gostar do que vê, reaja.
Mantenha sua individualidade resistindo às propagandas enganosas. Uma maneira de protestar é telefonar para os orgãos competentes de direito e defesa do consumidor, ou mesmo para a empresa que pôs o anúncio no ar, protestando e dando a sua opinião. Outra opção mais radical é desligar a TV. De qualquer modo, desenvolva o hábito de ver as propagandas com olhos críticos.

CAPÍTULO VI

TELEVISÃO VERSUS LEITURA

A IMPORTÃNCIA DA LEITURA

Acredito que todos os pais têm aspirações semelhantes para os filhos: boa saúde, felicidade, trabalho interessante e satisfatório, estabilidade financeira, etc. Quando porém consideramos que muitos já não sabem em que acreditam. Perderam a confiança em si próprios para dizer aos filhos senão que desejam vê-los felizes e realizados na sua capacidade potencial. E que consideram os valores como coisas muito discutíveis e relativas. Percebemos a necessidade de prioridades educacionais bem como de uma edução moral bem definida.
Apesar desses pais desejarem o máximo de sucesso profissional e material a seus filhos, o maior presente que podem dar a eles é a paixão pela leitura. Se os pais e professores se preocuparem desde cedo em formar nos seus filhos e alunos o hábito da leitura, eles não perderão seu tempo com as programações impróprias oferecidas pela TV. E também não perecerão por falta de conhecimento, pois saberão pensar por si mesmos e tomar decisões mais sábias.
Ler, escrever e pensar, é justamente isso que o próprio Governo Federal sugere na nova Lei de Diretrizes e Bases da educação brasileira (LDB). Ensinar as crianças e adolescentes a ler, a escrever e a se expressar de maneira competente na língua portuguesa é o grande desafio dos professores do ensino fundamental.
A deficiência na leitura e na escrita é a responsável número um pelo índice de repetência e de abandono nas escolas brasileiras, considerado um dos mais altos do mundo. Segundo a revista Nova Escola (abril de 1998:3), a proposta é que ao longo das oito séries do ensino fundamental, os alunos devem desenvolver as seguintes habilidades:
• “Expressar-se em diferentes situações. Em caráter privado, com a família e os amigos, ou em público, na apresentação de um trabalho em classe ou solenidade escolar.
• Saber expressar-se de diferentes maneiras. Ou seja, usar a linguagem adequada a cada ambiente: a coloquial, em situações de intimidade; ou a formal, que utiliza a forma culta (valorizada socialmente), em situações cerimoniosas. Numa entrevista para obter emprego as expressões usadas e a clareza de expor idéias e pensamentos fazem uma grande diferença.
• Conhecer e respeitar as variedades lingüísticas do potuguês falado. O aluno deve entender que no Brasil existem sotaques, expressões regionais e maneiras diferentes de falar. Nenhum está certo ou errado. Eles são apenas diferentes.
• Saber distinguir e compreeender o que dizem diferentes gêneros de texto. Uma bula de remédio, um bilhete ou um anúncio de venda têm intenções, estilos e vocabulários muito diferentes entre si.
• Entender que a leitura pode ser uma fonte de informação, de prazer e de conhecimento. Ela dá acesso às informações necessárias para o dia-a-dia e aos mundos criados pela literatura e pelas ciências. O aluno deverá saber, ainda, como recorrer a diferentes materiais impressos para atender a diferentes necessidades.
• Ser capaz de identificar os pontos mais relevantes de um texto, organizar notas sobre esse texto, fazer roteiros, resumos, índices e esquemas. Em resumo, ele deve transformar a linguagem em um instrumento de aprendizagem, que lhe dê acesso e meios de usar as informações contidas nos textos que lê.
• Expressar seus sentimentos, experiências, idéias e opções individuais. Também deve ser capaz de ouvir, interpretar e refletir sobre as idéias de outros, sabendo contrapor-lhes suas próprias idéias.
• Ser capaz de identificar e analisar criticamenteos usos da língua enquanto instrumento de divulgação de valores epreconceitos de raça, etnia, gênero, credo ou classe. É o que ocorre nas piadas consideradas ïnocentes”sobre portugueses, judeus, baianos ou negros. No entanto, refletir e debater sobre o real significado preconceituoso delas pode gerar uma interessante oportunidade para aprender a respeitar o ser humano.”
Falar e escutar, além de ler e escrever, são ações que permitem produzir e compreender textos. Cabe à escola e aos pais desenvolver a linguagem oral de suas crianças. Ler e escrever são atividades que se complementam. Os bons leitores têm grandes chances de escrever bem, já que a leitura é que fornece a matéria-prima para a escrita.
Quem lê mais tem um vocabulário mais rico e compreende melhor a estrutura gramatical e as normas ortográficas da Língua portuguesa. bem como o sentido do que está lendo. Quanto mais variados, interessantes e divertidos forem os textos apresentados às crianças, maior será a chance delas tornarem-se leitoras hábeis. Indivíduos que têm pouco interesse pela leitura, têm dificuldades em aprender.
Para as famílias cristãs, essa é uma declaração ainda mais abrangente. Principalmente quando se leva em consideração a urgência em entender o que Deus revelou em Sua Palavra e no Espírito de Profecia, especilamente nas profecias de Daniel e Apocalipse. É a falta de leitura que leva muitos membros a ter um conhecimento superficial das doutrinas da igreja e certa dificuldade em entendê-las. Muitos já foram acometidos de “Dislexia Bíblica” (Dislexia é a inabilidade para aprender a ler, ou dificuldade mental e patológica de ler).
Somos advertidos e admoestados a ler, esse é o primeiro passo para aprender as verdades da Sagrada Escritura. “Bem-aventurado (feliz) aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo.” (Apocalipse 1:3)
Nesse instante você pode estar perguntando: Mas como isso pode ser realizado dentro de casa? Como desenvolver o hábito salutar e cultural da leitura em meus filhos? Como posso incentívá-los a gostar de ler?
Comentando a importância de estimular os filhos para a leitura, Anna Quindlen sugere algumas medidas que poderão servir de base aos pais, para partilhar a alegria de ler, formando assim leitores assíduos. Quindlen afirma que “crianças chegam à leitura de vários modos em diferentes ocasiões” (READER’S DIGEST SELEÇÕES, setembro de 1997:50). Mas os pais podem fazer o seguinte para ajudar os filhos a criar e aproveitar a paixão duradoura pela leitura:
• Comece pelos livros que agradam a você. Até descobrir o que seu filho gosta de ler, escolha livros de que você gostava quando era pequeno, e novas histórias que mexem com sua fantasia. É mais provável que ele goste de um livro que já o tenha empolgado. Vá à biblioteca local e peça à encarregada dos livros infantis para sugerir autores e títulos de que as crianças gostem.
• Faça da leitura uma rotina. Para conseguir que seu filho se habitue a ler, destine uma hora todos os dias para juntos lerem um livro. Bastam de 15 a 30 minutos - ou o suficiente para ler uma história inteira ou um capítulo. Isso dá ao jovem leitor oportunidade para se instalar, focalizar - e aproveitar.
• Comportamento-modelo para boa leitura. Seu filho o observa quando você lê. Se não parece divertir-se, está enviando mensagem dizendo que a leitura não é muito agradável. Por mais cansado que esteja, procure não ser monótono. Leia com entusiasmo. Deixe surgir o ator que existe em você. Se aparentar tédio, não pode esperar que seu filho se interesse.
• Revezem-se na leitura. À medida que os filhos amadurecerem como leitores, anime-os a ler para você de modo ideal, com muita expressão. ‘Ler’ também pode significar pedir a uma criança muito nova para lhe contar uma história conhecida enquanto você vira as páginas.
• Pegue emprestados ou compre livros sempre que possível. Cultive o hábito de levar os filhos à biblioteca. Em casa, procure encher de livros as estantes. Dê um livro de presente de aniversário e nos feriados. Encoraje os amigos e parentes a fazerem o mesmo. Quando for às compras e seu filho pedir um presente, compre um livro. É mais barato do que brinquedo e investimento muito melhor para o futuro de seu filho.
Um dos presentes mais valiosos que os pais podem deixar para os filhos, não é o livro em si, mas é o ato de “ler para”, ou, “com”, os filhos. Ler juntos é a melhor maneira de promover uma duradoura paixão pelos livros. Essa atitude é crucial, principalmente durante as férias, pois de acordo com pesquisas feitas pelo Dr. Harris Cooper (Ph.D.), “as crianças geralmente perdem entre um a três meses de aprendizado durante as férias de verão” (READER’S DIGEST, June of 1998:224). Especialistas concordam que a atitude dos pais para com a leitura é extremamente importante. Os pais deveriam ler todas as noites para seus filhinhos e continuar lendo, mesmo depois que os filhos possam fazê-lo por eles mesmos. O Dr. Cooper sugere que para as crianças mais velhas, seja criado um programa próprio de leitura para o período de férias, o qual pode ser colocado em prática da seguinte maneira: 1- Estabeleça um alvo de leitura. Um livro por semana não é muito. 2- Ao invés de impor, sugira vários títulos. 3- Leve seu filho a uma livraria e o ajude a escolher um bom livro sobre os seus temas favoritos. 4- Depois, prometa a seu filho que você também irá ler o mesmo livro quando ele não estiver lendo. 5- Proponha que após a leitura, no final de semana vocês discutirão juntos o que leram. Outra alternativa para as férias, é aproveitar os programas de leitura e oficinas de arte oferecidos pelas bibliotecas públicas, ou o que estiver disponível em sua comunidade. O mais importante é deixar que suas crianças vejam que você realmente se alegra e sente prazer com a leitura.
A escola, mais especificamente o professor, também pode ser um poderoso aliado na educação das crianças para a boa leitura. Segundo a revista Nova Escola (abril de 1998:7), o professor, em união com os pais, pode desenvolver o hábito da leitura entre seus alunos por meio de duas atitudes básicas:
• Incentivando a leitura diária. Não se formam bons leitores, se eles não têm um contato íntimo com os textos. Há inúmeras maneiras de fazer isso: o aluno pode ler em silêncio, a leitura pode ser feita em voz alta, em grupo ou individualmente, ou o professor pode ler um texto para a turma.
• Usando textos diversificados. Cada vez mais o aluno terá de compreender e escrever textos mais diferenciados, claros e criativos. Não é preciso quebrar a cabeça para conseguir textos diversificados, esses textos estão por toda parte: jornais, folhetos de propaganda, revistas. Até algumas embalagens de produtos alimentícios costumam trazer pequenos textos repletos de informações. O importante é que o material escrito apresentado aos alunos seja interessante e desperte a curiosidade das crianças. Textos literários e poesias também devem ser usados.
Ao lecionar por mais de sete anos para alunos do primeiro e segundo graus, tive a oportunidade de constatar a grande dificuldade de redação e expressão de idéias demonstrada por muitos meninos e meninas. Crianças e adolescentes que detestavam ler, e quando o faziam, era com muita dificuldade e deficiência na entonação, acentuação, expressão e até concordância verbal.
A razão para essa aversão à leitura e para tanta deficiência na comunicação e expressão da língua materna, repousa no universo encantado das imagens televisivas e diversões eletrônicas (os professores de Português que o digam). Grande parte das pessoas hoje, não só crianças, já não lê com tanta freqüência ou já abandonou esse hábito, porque foram conquistados por outro hábito considerado “moderno”, assistir TV. Contudo, vale refletir no que Groucho Marx (comediante americano) disse: “acho que a televisão é muito criativa. Todas as vezes que alguém liga o aparelho, vou para a outra sala e leio um livro.”
Uma consequência natural dessa exposição exacerbada diante da telinha, é a preguiça mental crônica. Diante da TV o telespectador não precisa pensar, nem raciocinar e, muito menos, usar a imaginação e a criatividade. Basta sentar confortavelmente e receber tudo pronto e pensado. Uma grande parte já permitiu que seu cérebro e sua imaginação criativa fossem embotados, por isso detestam ler.
Daniel Scarone, em artigo publicado na revista Decisão, estabelece uma comparação entre o hábito de ver Televisão e o hábito de ler. Um texto escrito “nos oferece códigos imóveis compostos por letras que são decodificadas em imagens de acordo com o ritmo da leitura. Se lemos a palavra ‘casa’, a composição das letras não se assemelha a uma casa, mas ao ler os signos a imaginação cria uma casa em nossa mente” (DECISÃO, setembro de 1994:23). Por outro lado, a televisão trabalha com imagens e, sendo assim, poupa a imaginação. Ela já nos entrega uma imagem em formação, e não necessitamos imaginá-la. Por exemplo: quando um esritor descreve um personagem, cada leitor vai imaginar à sua maneira, mas quando a televisão mostra um personagem, ninguém precisa imaginar nada: ele é aquele e não pode ser outro.
LEITURA, IMAGINAÇÃO E CRIATIVIDADE
Carlos Eduardo Novaes em seu livro, “O Menino Sem Imaginação” (1996:22-149), conta de maneira muito criativa a história de uma família que, obrigada a viver sem a telinha, se vê constrangida a mudar seu dia-a-dia. No meio de toda essa mudança está Tavinho, um garoto que não tem imaginação criativa e que só é capaz de reproduzir aquilo que já viu antes, de preferência na televisão, ou seja: imaginação reprodutiva ou memória visual. O menino adora ver TV, e quando crescer seu desejo é sair da escola para não precisar fazer mais deveres e poder assistir televisão de manhã, de tarde e de noite. Nas férias passa dias interirinhos na frente da telinha, só sai para ir ao banheiro. Só compra aquilo que vê nos comerciais, e adora o sistema de vendas diretas em que o locutor ordena “ligue já!”
Ele tem três aparelhos de TV em seu quarto, os quais chama de Babá, Plim-Plim e Fantástica. Além disso, o garoto se relaciona com eles como se fossem membros da família. Babá é a sua televisão mais antiga, ela o viu nascer e crescer. Tavinho a ganhou quando era ainda muito pequeno, presente de sua mãe. Ela o colocava sentado na frente do televisor para que ficasse ali, horas e horas, quietinho, sem chorar nem perturbar ninguém, apenas consumindo suas imagens. Enquanto Babá é lenta e demora para funcionar, Plim-Plim é uma televisão mais jovem, moderna e dinânica, ela está sempre animada e sente prazer em estar sempre ligada. Ela tem até um sistema de timer capaz de desligá-la sozinha após Tavinho pegar no sono. Fantástica é ultra-moderna, cheia de novidades e recursos tecnológicos de última geração. No dia que a recebeu, o garoto explodiu de emoção, e pegando um controle remoto pela primeira vez em suas mãos estendeu o braço para cima e gritou: “eu tenho a força”! Ele estava feliz por não precisar mais sair do lugar para mudar de canal, “agora ele tinha o controle”.
Tavinho gosta de assitir as três tevês ao mesmo tempo, e passa o tempo todo olhando para elas e se abastecendo de imagens que ele não consegue criar por conta própria. Ele é tão viciado que ao sair na rua não pode ver uma TV ligada. O menino vive muito feliz assim, até o dia em que há uma pane no sistema de telecomunicações (anomalia magnética) e o Brasil interio fica sem televisão. O fenômeno vira o país de pernas pro ar, afinal, como viver sem TV? Provoca uma tragédia nacional e leva a população a manifestar atitudes de dependência da TV. Muitas delas vão ao desespero e à beira da loucura, dentre elas estão aquelas que só conseguem dormir “vendo” televisão. Outras, não suportando a ausência das imagens e a solidão, se suicidam. Surgem novas doenças relacionadas com a falta da TV, e consequentemente novos produtos e serviços para preeencher o vazio deixado por ela. O movimento nas farmácias era intenso, muita gente apresentava sintomas negativos provocados pela falta de TV. A grande maioria não sabe o que fazer sem as imagens da telinha e, num ato de desespero, correm para as locadoras de vídeos (que em pouco tempo ficam vazias) na tentativa de satisfazer suas necessidades audiovisuais.
Essa situação cria um drama na família de tavinho, que estava reunida impacientemente para assitir o jogo do Brasil justamente quando a TV escureceu. Depois, diante dos chuviscos da televisão, ficam esperando em silêncio o retorno das imagens enquanto olham para a TV e ouvem um rádio colocado encima dela, parecendo um bando de malucos dominados pela força de um hábito arraigado durante anos. Quando a TV saiu do ar tiveram dificuldades para dialogar, estavam tão acostumados ao monólogo televisual que foi difícil voltar à prática desse “hábito antigo”. Parecia que além da televisão as pessoas também ficaram fora do ar ao se verem sem as imagens da TV.
A decepção aumenta ao ser anunciado pelo rádio e pelos jornais impressos que o fenômeno é a nível nacional e que não há previsão de quando as imagens voltarão, elas poderão demorar um ano ou até um século para retornar. A tristeza é geral, a grande pergunta que paira na cabeça de todos é: o que faremos sem a TV? A população se recolhe para as suas casas, estão perdidas, outras estão assustadas, muitas não sabem mais como se relacionar e o que falar umas com as outras, o constrangimento é quase geral, mas todas estão esperançosas de que as imagens voltem logo para restabelecer a rotina e segurança de suas vidas.
A hora da novela, acompanhada com fervor religioso por milhares de telespctadores é um problema à parte. Mas não demora muito para surgirem fitas de vídeo vendidas pelos camelôs (via paraguai) contendo capítulos de novelas em chinês. As pessoas não se importam de não entender, o que vale é ver as imagens. Mas nem todos se ressentem da falta de TV, por terem uma imaginação fértil e se interessarem por outras coisas, não reagem como a maioria.
Todavia, Tavinho enfrenta um drama pessoal, e se vê obrigado a fazer sua imaginação funcionar aprendendo a imaginar criativamente sem as imagens da TV. Mas para que isso seja possível, ele tem de passar por um processo de desintoxicação televisual das imagens, armazenadas durante anos assistindo Babá, Plim-Plim e Fantástica. Aos poucos sua família vai percebendo que é possível sobreviver sem televisão e começa a manifestar sintomas positivos. A própria salinha de TV é transformada numa biblioteca e sala de leitura. Finalmente, quando o menino sem imaginação fica desintoxicado, a anomalia magnética acaba, as imagens retornam e a televisão é colocada como item principal nas lojas de eletrodomésticos. Mas, para Tavinho, isso não tem mais importância, ele agora tem imaginação criativa, e não precisa mais de Babá, nem de Plim-Plim e muito menos de Fantástica. Tavinho aprende, finalmente, a ligar sua “telinha interior”.
O fato é que a televisão é capaz de sufocar a imaginação das pessoas, alienando-as e impedindo-lhes o contato com um universo cultural muito mais enriquecedor do que a sua limitada telinha. Ela passa tanta informação em tão pouco tempo que as pessoas apenas absorvem o que vêem sem parar para pensar sobre aquilo tudo. Considerando que olhar à TV produz uma grande concentração, pois envolve a constante composição das linhas de imagens, argumentos e ruídos, e que pode atrofiar nossa imaginação, a leitura parece ser a melhor opção para aqueles que desejam desenvolver a criatividade, alcançar o sucesso profissional e acima de tudo espiritual.
No entanto se não for revelado ao jovem, em casa ou na escola, os encantos da leitura, ele vai preferir sempre assistir televisão. Usando as palavras do autor, “é muito mais fácil formar um telespectador do que um leitor” (NOVAES, 1997:149)
O texto de Apocalipse 1:3 também diz que além de ler é preciso ouvir e guardar as palavras da profecia, e para guardar (observar, seguir) é necessário entender o que se lê. Um princípio básico para reter o conteúdo e entendê-lo é ler sem esquecer. Não basta passar os olhos no texto e fazer de conta que armazenou o conteúdo, é necessário desenvolver algumas técnicas para não esquecer o que foi lido. Como escreveu o salmista: “Escondi (guardei, memorizei) a tua palavra no meu coração (na minha mente)...” (Salmos 119:11- Grifo Nosso). Segundo a revista Você S.A (agosto de 1998:28), há dicas para uma leitura proveitosa. Então, aí vai dez dicas para ler sem esquecer, a primeira vista, muitas podem parecer óbvias. Mas não as subestime. Não é sempre que a gente enxerga o óbvio.
• Não leia cansado nem ansioso. Se for o caso, faça exercícios de respiração antes de começar a leitura. O estresse é o inimigo número um da concentração e, em consequência, da memorização.
• Tenha vontade de aprender o que será lido.
• Se não tiver vontade de antemão, procure criar interesse pelo assunto. A curiosidade é a mola da humanidade.
• Sublinhe as palavras mais importantes e as frases que expressem melhor a idéia central.
• Analise as informações e crie relação entre elas, seja nas linhas de cima ou com tudo o que você aprendeu na vida, trazendo-as para o seu mundo. A associação de idéias é fundamental.
• Leve sempre em conta coisas como: 1- Grau de dificuldade do texto (ler um gibi não é o mesmo que ler sobre filosofia). 2- Objetivo (Só querer agradar alguém, e mais nada, não é o melhor caminho para gravar uma informação. 3- Necessidade (querer ler é bem diferente de depender disso).
• Faça perguntas ao texto e busque respostas nele.
• Repita sempre, desde ler de novo até contar para laguém o que você leu.
• Faça uma síntese mental. Organizar bem as idéias já é meio caminho andado.
• A memória prefere imagens a palavras ou sons. Por isso, tente criar uma história com aquilo que está lendo, com cenas coloridas e movimentadas.
Sammy Pulver comentou muito bem a sensação de quem descobriu e está experimentando os prazeres de uma boa leitura: Na vida nos ensinam a amar, a sorrir, a andar, a lutar, mas quando abrimos um livro, descobrimos que também podemos voar.

LIVROS VERSUS TV

Embora as pesquisas não sejam conclusivas, há fortes evidências de que existe uma relação entre o hábito de ver TV e o abandono da leitura. Melita Cutright, especialista em educação, fez um estudo com crianças e jovens americanos e obteve dois dados:
“Primeiro: o hábito de assistir à televisão está relacionado com a idade (pré-adolescentes e adolecentes assistem a mais horas de programação); Segundo: 54% das crianças americanas afirmam ler diariamente por prazer, ao passo que entre os jovens de 17 e 18 anos o percentual de leitores cai para 28%. Comparando esses dois dados, a pesquisadora oncluiu que há uma relação direta entre o abuso do hábito de ver televisão e o baixo desempenho escolar, aliado ao desprezo pela leitura” (VEJA, 20 de Novembro de 1991:75-76).

Embora a televisão seja culpada, nem todos deixam de ler por causa da televisão. Uma grande maioria de jovens simplesmente não encontram prazer na leitura, porque não desenvolveram esse hábito. Todavia, a criança ou adolescente que assiste constantemente à televisão, não está apenas se expondo a uma programação, mas tmbém se familiarizando com uma linguagem televisual, deixando de se familiarizar com outros tipos de linguagem, como a escrita, por exemplo. Habituado ao tipo de linguagem da TV, dificilmente a criança ou adolescente encontrará prazer na leitura, uma vez que esta utiliza uma forma distinta de linguagem. Isso explica, pelo menos em parte, a aversão de muitos jovens ao estudo diário.
Não fica dúvidas de que há uma disputa entre os livros e a TV, e a dura realidade é que essa disputa é desleal, pois a televisão é mais atraente, sedutora, e não exige qualquer esforço intelectual. As diferenças já começam ao se entrar numa livraria, onde tudo é parado e silencioso, o que é uma experiência bem distinta de entrar numa loja de eletrodomésticos, onde a TV ocupa lugar de honra. Infelizmente em nosso país, o “Tcham” é mais popular que qualquer livro, enquanto em um basta ouvir, olhar e prestar atenção na performance, no outro, é necessário pensar, refletir e questionar. Portanto, o fato da TV afastar os jovens do livro é uma guerra perdida, mas pode-se conquistar uma batalha aqui e ali, e se você está interessado em fazê-lo, então continue a leitura.
Numa edição especial da revista Veja (13 de maio de 1998), foi realizado um trabalho inédito sobre o desenvolvimento da criança desde o nascimento até os cinco anos. Para tanto, escalou uma equipe de 23 jornalistas, que durante três meses entrevistaram 339 especialistas, 120 pais e mães e 55 crianças. Foram ouvidos psicólogos, pedagogos, pediatras, psiquiatras e até zoólogos. Como forma de saber quais eram as principais preocupações de pais e mães, a revista encomendou uma pesquisa de opinião em onze Estados. Para garantir a confiabilidade das informações.
Veja contou ainda com a colaboração de onze profissionais, entre médicos, psiquiatras, obstretas e neurologistas a quem a equipe de reportagem recorreu diversas vezes para tirar dúvidas e conferir informações. Como segurança, todos os textos foram submetidos ao crivo técnico de dois pediatras e uma psicóloga, que atuaram com consultores. (Obs: Vale a pena ler todo o material, é excelente!).
Dentre os temas apresentados, um dos estudos foi sobre: “o que fazer para que os livros sejam mais atraentes do que a televisão”? Primeiramente é necessário se conscientizar de que nunca foi tão fácil incentivar os filhos a ler. Hoje é possível encontrar de tudo um pouco nas livrarias, inclusive nas evangélicas. Há livros de pano, de plástico, com figuras tridimensionais, de montar, de dobrar, etc. tudo para tornar o hábito da leitura cada vez mais prazeroso. Para quem tem filho pequeno, de um, dois ou três anos, é um prato cheio, pois os livros coloridos e diferentes dão um sabor especial na hora de “ler”.
Para as crianças um pouco maiores também existem ofertas de primeira qualidade. Portanto, pare de dar desculpas e saia a procurar o que tem de melhor, afinal, seu filho merece. Lembre-se, ler é como andar de bicicleta, a criança precisa de treino. Mas para que os filhos se interessem pela leitura, cabe aos pais um investimento inicial, e o primeiro passo é óbvio: é preciso comprar livros. Quanto mais variedades tiver melhor, para não cair na monotonia de ler sempre o mesmo livro. Psicólogos afirmam que a criança que não tem livros em casa dificilmente vai se interessar mais tarde pela leitura.
É importante ter em mente que adultos e crianças têm uma relação diferente com a leitura. Portanto, não espere que uma criança de três aninhos proceda como você ao pegar um livro para “ler”. Toda criança pode ser incentivada a ler desde a mais tenra idade, o simples fato de ter um livro em suas mãozinhas já é um estímulo muito grande. Ainda que seu relacionamento com o livro, aparentemente se limite a apomtar para as figuras, raspar o dedo nas páginas e abrir e fechar o livro um sem-número de vezes. É claro que algumas páginas serão sacrificadas, mas os resultados futuros valerão as possíveis perdas. Nessa etapa o livro tem de ser oferecido como qualquer outro brinquedo. Deve estar à mão, assim como os ursos, carrinhos e bonecas.
Na medida que cresce, a relação da criança com o livro e seu conteúdo vai amadurecendo, mas o que realmente faz diferença é quem lê a história. Para os filhos, poucas coisas são tão confortáveis quanto ouvir pai ou mãe ler uma história, se interessando por algo que para elas é importante. É um momento de atenção total. Se quem estiver lendo, usar um pouco de criatividade interpretendo uma história com vários personagens e fazendo uma voz diferente para cada um, o livro ganha uma coloração especial, além de entusiasmar a criança.
O contato da criança com o livro solta a sua imaginação e melhora sua compreensão sobre a vida real, faz descobertas de coisas ainda desconhecidas, além de conhecer palavras novas e enriquecer o seu vocabulário. Para a criança em pré-alfabetização, “ver” livros também serve de porta de entrada para a língua escrita e o desenho das letras.
Investir no interesse de seu filho por histórias exige disposição e energia, já que é mais cômodo chegar em casa e ligar a TV. Porém, com certeza essa opção pode estar privando a criança de momentos valiosos. Diante da televisão, a criança fica muda, fascinada com a postura dos personagens, as imagens, o movimento e as cores. Já com os livros, ela tem a chance de parar a história, perguntar o que não entendeu, rir, usar a imaginação e pedir repetição. Como já abordamos, de acordo com psicólogos e educadores, a TV pode levar a uma atitude passiva, enquanto a leitura abre a possibilidade de a criança questionar, dialogar e se sentir com atenção.
Podemos resumir a resposta à pergunta: “o que fazer para que os livros sejam mais atraentes do que a televisão”?, com a seguinte afirmação: “ler para os filhos”! Conforme pesquisa feita pela Vox Populi e divulgada na edição especial de Veja, 56% dos pais entrevistados costumam ler ou contar histórias para seus filhos, enquanto 62% não compram livros infantis. Estes dados revelam que há, por parte das famílias brasileiras, pouco interesse na aquisição de livros e no companheirismo com seus filhos na hora da leitura. A situação se complica ainda mais, se no momento de que dispõem para as crianças, os pais preferem a televisão. Se isso ocorrer, certamente os pequenos vão associar a TV, e não a livro, à idéia de lazer.
Há, no mínimo, doze motivos importantes para se interessar em desenvolver o hábito da boa leitura. São eles:
1- Quem lê sabe mais.
2- Quem lê sempre tem o que dizer.
3- Quem lê consegue os melhores empregos.
4- Quem lê tem mais amigos.
5- Quem lê tem mais argumentos.
6- Quem lê fala e se comunica melhor.
7- Quem lê tem mais oportunidades na vida.
8- Quem lê descobre o mundo.
9- Quem lê está sempre atualizado.
10- Quem lê desvenda o conhecimento disponível.
11- Quem lê exercita a mente.
12- Quem lê tem mais criatividade.

DICAS PARA UMA BOA LEITURA

Muitas pessoas só conseguem tomar um livro em suas mãos se ele tiver muitas ilustrações, capítulos e letras bem grandes. Geralmente as pessoas não planejam os objetivos da leitura, deixando-a de fazê-la de forma consciente e objetiva. Grande porcentagem da energia humana é consumida através da visão e dentro dessa estimativa está a leitura como fonte maior. É inegável o valor da leitura para a integração humana. Apesar de muitas pessoas assinarem jornais e revistas em busca de informação, jamais chegam a uma leitura planejada e proveitosa. A grande maioria reclama da falta de tempo, são pessoas que gastam o tempo procurando as horas que perdem, enquanto outras simplesmente sabem organizar suas tarefas, trabalhos e atividades.
Há vários tipos de leitores. Uns são ágeis, rápidos tanto com os olhos quanto com a mente. Lêem tudo e aproveitam muito. Outros são vagarosos. Só lêem mesmo o que precisam ou o que lhes interessa. Há aqueles que dão apenas “uma espiada”, olham uma gravura daqui, lêem um parágrafo dali e pronto. Outros ainda lêem apenas por uma questão de sobrevivência. Muitas vezes, sem se dar conta, esses leitores apenas gastaram energia e não alcançaram um objetivo, uma meta. Ter metas ao ler é extremamente importante, mas alcançá-las é muito mais.
O mundo encontra-se em uma verdadeira decadência moral, ética e espiritual. Tal decadência chega a ser assutadora. A leitura é uma arma poderosa no auxílio e na formação de atitudes e valores positivos. Uma boa leitura formará um bom caráter. Muitas leituras boas formarão uma nação mais justa. Por isso é extremamente importante um autoquestionamento: Por que estou lendo? Qual é minha meta com essa leitura? Que objetivos desejo alcançar? Iniciei essa leitura porque a planejei? Sinto alegria e curiosidade com o que leio? Estou concentrado? Sou persistente?
Ao falar sobre a leitura ideal, J. D. Snider escreveu: “Bom é para mim o livro que me desenvolve, que me inspira os mais elevados pensamentos, os impulsos mais nobres, as mais puras emoções, ou que me acena com os mais verdadeiros ideais da virtude e do caráter piedoso.” Outro aspecto que deve ser levado em consideração nessa guerra entre a TV e os livros, são os fatores que ajudam no desempenho da leitura. Ao levá-los em consideração, os benefícios serão incalculáveis. Veja quais são:
• Iluminação adequada.
• Posição correta.
• Anotar, grifar e destacar pontos importantes.
• Voltar à leitura em parágrafos anteriores (recapitulação) para que o assunto fique mais claro e fique melhor retido na memória.
• Escrever resumidamente ou gravar algum ponto importante,
• Anotar termos e palavras estrangeiras para pesquisar no dicionário (que sempre deve estar à mão).
• Ao sinal de cansaço, parar de ler por 15 ou 20 minutos, fazendo outra atividade manual.
• Às vezes, mudar o tipo de leitura ajuda na concentração.
• Levar em consideração o seu estado emocional, para uma leitura mais aproveitável.
• Ler livros que levem a amar a vida e transmitam ânimo, esperança e fé.
Vale lembrar que quem lê tem mais valor, mas não basta ler apenas por ler, é necessário que haja uma causa maior, mais justa. Leia pela real intenção de ler e aproveitar o máximo os benefícios da leitura. Não leia apenas porque as letras são grandes, porque há muitas ilustrações ou porque o livro é fininho. Leia pela razão de uma saúde física, mental, intelectual e espiritual mais feliz.

EPILEPSIA DIANTE DA TELINHA
Outra razão para estimular nas crianças o hábito de ler, é o fato de que há muitas teorias, para muitos não confirmadas, em torno dos males que a TV pode causar às crianças, principalmente pelo excesso de violência na programação. No final de 1997 veio do Japão a confirmação de que os programas infantis podem fazer um mal e tanto.
O fato é que as crianças podem estar correndo o perigo de sofrer crises de epilepsia fotossensível. A proximidade com que muitas crianças assistem TV, juntamente com os flashes e as luzes emitidos na tela, podem provocar convulsões, irritação nos olhos, falta de ar e vômitos. Foi exatamente isso que ocorreu com 728 crianças japonesas numa terça-feira dia 16 de dezembro de 1997. O acontecimento teve repercusão na mídia ao redor do mundo. As crianças estavam assistindo um episódio da série de desenhos animados Pokemon, exibida pela TV Tóquio, quando começaram a passar mal devido aos flashes e as luzes emitidos numa das cenas. Segundo os médicos, foi um surto de epilepsia fotossensível.
Sob o título: “Raios Fulminantes”, Karina Pastore publicou em Veja um artigo comentando o que ocorreu no Japão:

“Milhões de crianças, jovens e adultos acompanhavam mais um apisódio da série Pokemon. Na telinha, mais uma aventura de Pikachu, um monstrinho entre um esquilo e um gato, se alimenta de cogumelo e tem o poder de emitir raios pelos olhos. A missão de Pikachu era entrar num computador e destruir um vírus virtual. Durante a batalha, de apenas cinco segundos, os telespectadores foram submetidos a um festival de explosões e a um bombardeio de cores e luzes potentes que piscavam freneticamente. Em função das cenas, 12.000 pessoas passaram mal e mais de 700 foram internadas nos hospitais japoneses com quadro convulsivo, falta de ar, náuseas ou tontura. Algumas vomitavam sangue, outras haviam desmaiado. Foi o mais assustador e improvável surto já registrado de uma doença pouco conhecida, a epilepsia fotossensível” (VEJA, 24 de dezembro de 1997:20).

Há pelo menos meio século, sabe-se que luzes de grande intensidade podem deflagrar convulsões. A epilepsia fotossensível é uma doença da família das epilepsias reflexas, que pouco têm a ver com a epilepsia comum. Enquanto os ataques epiléticos clássicos são imprevisíveis, as crises de epilepsia reflexa são causadas por estímulos externos, que podem ser conhecidos e evitados. As convulsões podem começar pelas imagens, mas também pelo que se ouve, como o som ensurdecedor de uma cirene, ou pelo que se sente, como o impacto de um tapa. A doença não manda recado, revela-se apenas na hora do ataque.

“No caso do desenho japonês, as pessoas passaram mal porque as luzes não só eram fortes como também se acendiam e apagavam em intervalos superiores a vinte vezes por segundo. Em função do ritmo, as cenas acabaram fazendo com que as pessoas propensas ao ataque ficassem com duas regiões do cérebro desorientadas, a que cuida do registro das imagens e a que processa as informações. É uma espécie de curto-circuito”, explica Esper cavalheiro, professor de neurologia e neurocirurgia da Universidade federal de São Paulo. As crianças são mais suscetíveis aos ataques porque, até o final da adolescência, o cérebro ainda não está completamente amadurecido” (IBIDEM).

O processo da crise de epilepsia fotossensível tem três etapas:
1- Pessoas propensas à epilepsia fotossensível podem sofrer uma crise quando expostas a luzes potentes que acendem e apagam em intervalos curtos.
2- As crianças são mais vulneráveis a esses ataques porque seu cérebro ainda está em processo de amadurecimento. Sentar perto da TV aumenta o risco.
3- Durante o bombardeio de luzes, duas áreas cerebrais entram em curto circuito. Uma cuida do registro de imagens. A outra, do processamento de informação. Resultado: vêm as convulsões.
O caso do Pokemon não foi o primeiro registro de crise diante da TV, mas jamais se havia ouvido falar de um programa que “derrubasse” tanta gente ao mesmo tempo. Diante do problema a TV Tóquio foi obrigada a tirar o desenho do ar e a pagar o tratamento dos que adoeceram, bem como uma indenização às famílias. Como era de se esperar, após o incidente, o Debate em torno dos males da TV para as crianças ressurgiu com força. Muitos pedagogos japoneses criticaram o enredo dos desenhos animados afirmando que é cada vez mais complicado, exigindo que a criança não desgrude os olhos da telinha.

CAPÍTULO VII
EDUCAÇÃO VIA TELEVISÃO

OS CUMPLICES DA TV

Quando se fala dos malefícios da televisão, no entanto, é preciso procurar o responsável não apenas na sede da emissora, mas também em casa, já que cabe aos pais zelar pelo que os filhos assistem. Segundo dados do Ibope, a criança fica diante da telinha duas horas e meia por dia, em média. É muito tempo se se pensar que a maioria delas fica ali sozinha, sem a participação de pai e mãe. É muito mais cômodo para os pais jogarem a culpa pelo fracasso educacional de seus filhos sobre a televisão, em vez de assumir a responsabilidade de cuidar dos filhos e verdadeiramente educá-los. Como já foi abordado, durante a infância assiste-se muito à televisão, e é justamente nessa fase, que a vida e o caráter estão se moldando. Infelizmente a maioria dos pais permite que seus filhos assistam bastante à televisão sem estabelecer regras ou acompanhá-los. Isso acaba excluindo a oportunidade de as crianças eprenderem a se relacionar com outras pessoas, limitando-as a uma oportunidade de aprender a como sentar e ficar olhando para a TV. A oportunidade de treinar e educar as crianças em habilidades sociais básicas, é trocada pela oportunidade de ter a mentalidade das crianças moldada pelas presentadoras de programas infantis.
Numa pesquisa realizada pela Vox Populi, para uma edição especial de Veja (13 de maio de 1998:57-60), sobre a qualidade dos programas infantis na TV brasileira, foram entrevistados 120 pais e mães de onze Estados. O objetivo era saber se os pais limitam o tempo que seus filhos passam diante da TV, ou selecionam os programas a que eles assistem. O resultado revelou que “51% dos pais não se preocupam em limitar o tempo que as crianças ficam diante da TV, enquanto 49% deles se declaram nada rigorosos com a escolha dos programas a que os filhos assistem”. Essa estatística confirma a tese de que não há uma preocupação dos pais em educar a criança para ver tevê.
O desvio do envolvimento paterno na socialização dos filhos se deve a vários fatores. Esses fatores vão desde a crescente ausência dos pais em casa até a crescente emancipação dos filhos fora de casa. O próprio estilo de vida moderno limitou a quantidade de tempo que os pais tinham para supervisionar o desenvolvimento social, emocional e espiritual dos filhos. A televisão, entretanto, tem reforçado essa tendência, pois quando pai e filho encontran-se juntos em casa, estão sujeitos às atrações competitivas do televisor, ou outros aparelhos eletro-eletrônicos de comunicação. Constatar isso deveria estimular pais e mães, a usar da melhor maneira possível o tempo que têem à disposição para educar seus filhos e ensiná-los a fazer uso da mídia. Mas, como foi analisado, uma grande porcentagem de pais não estão preocupados em “competir com o televisor” pelo tempo dedicado aos filhos, e muito menos em colocar limites ao uso da TV.
Algumas vezes a questão dos limites vem à tona após a veiculação de notícias que chegam a tirar o sono. Um exemplo disso ocorreu após a divulgação dos crimes que abalaram a opinião pública mundial, como o que foi cometido pelos garotos americanos Mitchell Johnson, 13 anos, e Andrew Golde, 11; que armados como numa operação de guerra, abriram fogo contra colegas e professores da escola, ou do adolescente no Norte da França que matou um colega numa “roleta russa”. Esses incidentes acabaram gerando muita discusão em torno do aumento da agressividade infanto-juvenil, e do papel dos pais na tarefa de educar e impor limites aos filhos. Preocupada com essa falta de compromisso dos pais na educação dos filhos, a revista Istoé (8 de abril de 1998:58-59), fez uma entrevista com o psicólogo francês Yves de La Taille, professor de Desenvolvimento Moral de Crianças na Universidade de São Paulo e um dos maiores especialistas no assunto no país. Dentre as 20 perguntas feitas por Istoé a Taille, desejo destacar três, são elas:
• Istoé - Os pais de hoje estão com medo de educar?
Resposta de La Taille: “Estão com medo de ser autoritários. Os pais de antigamente não tinham absolutamente esse medo e se tornaram muitas vezes arbítrários. Hoje, se repensa esse autoritarismo. O conhecimento psicológico pôs nos pais muitos medos, como o dos traumas precoces. Isso demonstra sensibilidade, mas acaba caindo na ausência. Os primeiros passos das crainças no mundo dependem deles. As crianças não vão construir a moral sozinhas. Essa abdicação é preocupante. Muitas vezes, pais ficam em casa vendo televisão. Entregam-se ao consumismo. Os pais estão sendo pouco críticos para o que os filhos consumem, sobretudo na televisão.”
• Istoé – A criança absorve a violência da televisão?
Resposta de La Taille: “Ela está absorvendo, mas não é uma esponja. A criança filtra, mas não significa que é imune às influências. Os pais entregam os filhos para a televisão. Eles vêem filmes violentos, desenhos animados violentos, jogam videogames igualmente violentos. Depois da ficção ela muda de canal e assiste à violência real no noticiário. Imagine uma crainça entrando nesse mundo, sem que os país demonstrem alguma crítica. Isso acaba passando uma idéia para a criança de que a violência é natural, um modo de vida perfeitamente aceitável, generalizado e banal.”
• Istoé – Como agir diante desse poder da tevê?
Resposta de La Taille: “Deve-se limitar o tempo da criança na tevê. E os pais também precisam escolher o que ela vai assistir. Um censura interna mesmo. Discute-se se essa censura tem de vir pelo Estado. Acho que não. Mas também não é preciso privar a crainça de ver um filme que todo mundo comenta. Não dá para criar um ET. O filme tem que ser comentado e criticado. Converse com seu filho sobre o que ele assistiu. Principalmente se não concordar com a mensagem. Sem a conversa, as crianças vão achar que matar gratuitamente e matar numa guerra é a mesma coisa.”
Sob o título: “TV, controle nada remoto”, o dramaturgo Dias Gomes, 73 anos, pai de duas filhas, Luana, sete anos, e Mayra, dez, revelou que controla a relação delas com a tevê. O dramaturgo também deu a sua opinião à revista Istoé sobre a participação dos pais na educação das crianças, e a necessidade de impor limites à televisão:
“É uma questão difícil. Não se deve só proibir, é preciso conversar com elas. Não é censurar, mas reconhecer que há um tempo certo para cada coisa. Criança não sabe se defender. Tento evitar que minhas filhas vejam programas de má qualidade, que exploram a miséria humana. Também evito os filmes violentos, onde se matam 30 ou 40 pessoas e continua tudo bem. É a banalização da vida. Não que a tevê seja culpada de todos os males: ela é assim porque a sociedade a quer assim. E sua influência não é tão direta. Mas admito que uma criança saudável pode ser perturbada pela exposição inadequada à mídia” (ISTOÉ, 08 de abril de 1998:99).

Novamente vem à tona a grande necessidade, a de que os pais acompanhem seus filhos na hora em que assistem TV, interferindo na programação quando necessário. É chegada a hora de pais assumirem o comando do controle remoto. Essa alternativa é fundamental se você deseja educar seus filhos para desenvolverem um espírito crítico frente à mídia. Olhar televisão junto com seu filho é tão importante quanto estabelecer limites, porque pode abrir a porta para o diálogo acerca de temas cruciais e difíceis. Isso pode ser colocado em prática da seguinte maneira: Primeiro – se suas crianças estão na pré-escola ou são adolescentes, encontre programas na TV que vocês possam assistir juntos. Segundo – Quando você ver alguma coisa inapropriada, inicie uma discusão, um debate. Pergunte a seu filho: “o que você pensa a respeito do que acabou de ver? Isso poderá conduzí-lo para uma importante conversa e criar uma excelente oportunidade para reforçar seus valores.
Outra alternativa é limitar o tempo diante da telinha, ou ainda selecionar os programas que a criança poderá ver. Especialistas em psicologia concordam que há muitos pais que, mesmo inconscientemente, são demasiado permissivos. Mas também concordam que a falta de limites não é a melhor maneira de demonstrar preocupação e amor. As crianças precisam de limites para ter um desenvolvimento saudável. Uma pesquisa feita com adolescentes americanos entre 12 a 17 anos, revelou que eles esperam alguma forma de controle, “49% deles acreditam e reconhecem que precisam de mais orientação e atenção dos adultos” (READER’S DIGEST, june of 1998:243). Assim, é interessante aproveitar essa pré-disposição e ajudá-los. Lembre-se, nunca é tarde demais para aprender como melhor disciplinar suas crianças, principalmente quando está em jogo a sua educação.
O importante é criar uma dieta balanceada de TV para a família, onde a telinha não seja o “prato principal”, mas uma “sobremessa”. Para escolher uma programação com conteúdo nutritivo, mensagens positivas e papéis que sirvam de modelo, é necessário ter um bom conhecimento dos programas e de sua qualidade. Como já analizamos, os programas infantis na televisão ainda não são ideais. Mas, segundo um estudo realizado por psicólogos e pedagogos, os programas estão começando a trocar a violência por um pouco de educação. A reviravolta nos programas infantis ainda é pequena, é um movimento suave, mas está ocorrendo em algumas emissoras. Segundo o professor José Teixeira Coelho, teórico da comunicação da Universidade de São Paulo,

“o processo começou nos Estados Unidos, onde a grita dos pais resultou na melhoria da programação. E, como os americanos dominam a distribuição dos programas para televisão, acabam influenciando o Brasil e o resto do mundo” (VEJA, 13 de maio de 1998:88).

É evidente que a televisão não mudou da água para o vinho. A programação infantil continua coalhada de filmes violentos, desenhos bobos e outros seriados cretinizantes. E as crianças também seguem podendo ver cenas de sexo e violência na programação da tarde e do começo da noite. As mudanças na televisão podem se processar de maneira mais rápida se, todos os lares cristãos e as famílias que zelam pela ética e a moral, estiverem unidos, e, juntos, reividicarem uma programação de mais qualidade educativa para seus filhos. Isso pode ser feito escrevendo cartas, abaixo assinados, enviando e-mails e mesmo telefonando para a Abert. Outra alternativa é organizar comitês para debater o assunto com representações da sociedade e os próprios publicitários. Ou ainda, estabelecer um fórum permanente de discusão e análise da qualidade dos programas viculados na tevê, na comunidade onde você vive. Esse fórum pode envolver os moradores do bairro, famílias, profissionais ligados à educação, escolas e comunidades religiosoas.

PRECONCEITO E PERIGO NA TELINHA INFANTIL

Os meios de comunicação a todo momento estão empenhados em divulgar em seus noticiários, entrevistas, telenovelas, programas de auditório ou mesmo nas mensagens publicitárias os padrões de comportamento “socialmente valorizados”. Isso pode se dar através do reforço positivo ou da crítica às atitudes ou ações de indivíduos que acupam uma posição social qualquer, seja pai, filho, jovem, idoso, pastor, padre, esposa, criança, etc. Acontece que nem sempre o ideal proposto é um reflexo do que predomina na sociedade ou do que ela aceita. Muitas vezes os responsáveis pela produção cultural e informativa apresentam “o que eles” gostariam que fosse aceito e se tornasse predominante. Nesse caso, os produtores podem oferecer novos modelos e padrões de comportamento, que, uma vez aceitos e interiorizados por uma parte da sociedade, passam a estabelecer o novo padrão a ser seguido. Para dar um exemplo, basta mencionar a influência que os meios de comunicação de massa tiveram para difundir e consolidar a nova imagem da mulher, bem como o seu papel na sociedade. Inspirada no movimento feminista, ao enfatizar e reiterar que a mulher devia trabalhar fora e ter os mesmos direitos que o homem, a mídia construiu uma nova identidade feminina e acrescentou um novo comportamento ao papel da esposa. Quem ousar questionar essa nova identidade e papel feminino, é criticado como machista e retrógrado. Isso é mais um exemplo de como a mídia estabelece novos valores que poderão orientar o comportamento dos indivíduos, especialmente nas crianças.
Um pesquisa feita por P. W. Musgrave, com crianças de uma pequena cidade da Inglaterra, revelou a força da televisão como fornecedora de modelos. Foi feita a seguinte pergunta àquelas crianças: “Se você não fosse você mesmo, quem você gostaria de ser? Do total, 81% dos meninos e 48% das meninas se identificaram com personagens ou artistas da televisão”. Se tal pesquisa fosse feita no Brasil, os resultados provavelmente seriam semelhantes. O fornecimento de modelos oferecido pela TV pode ser negativo, especialmente quando são estabelecidos “esteriótipos” (modelos que servem de base para a discriminação. Não necessariamente para algo concreto. Mas serve de guia , de orientação para um comportamento discriminatório). Por exemplo, há programas humorísticos que difundem a idéia de que os negros vivem exclusivamente para a bebida, samba e pagode; os homossexuais são apresentados como estremamente afetados e caricaturais; os políticos são identificados como corruptos. Quando na realidade isso é uma distorção e exagero. Geralmente os esteriótipos expressam a imaginação popular, mas não se pode negar que a imagem generalizada distorce a realidade. Ao reforçar esteriótipos, a mídia e especialmente a televisão, deseducam o povo, pois incentivam preconceitos.
Os jovens e principalmente as crianças, por estarem ainda em fase de formação da personalidade, são mais propensos a absorver os modelos veiculados na telinha, sejam eles positivos ou negativos. Quando consideramos que a personalidade é um conjunto de influências biológicas (hereditariedade), mas também é um conjunto de influências sociológicas (meio ambiente), tais como crenças, hábitos, valores e padrões de comportamento desenvolvidos por meio da educação, mas estabelecidos pela “identificação”, compreendemos melhor as implicações da influência da tevê. A identificação é um elemento de formação da personalidade. É quando uma pessoa se identifica com alguma coisa ou modelo, que ela assume aquele padrão de comportamento. Por exemplo: escovar os dentes, a princípio é uma norma imposta, com o tempo esse hábito é incorporado e a motivação passa a ser interior, e não mais exterior (norma). Nesse ponto, a pessoa ampliou sua natureza moral. Por outro lado, se uma pessoa olha para os lados e não vê nenhum guarda, e baseada nisso decide passar o sinal vermelho, ela não incorporou, ou interioriozou as normas. Diante disso se faz necessário perguntar: que tipos de normas as crianças têm interiorizado vendo TV? E para ir um pouco mais além, quais as “atitudes” que a televisão está criando nas mentes infantís?
As atitudes a que me refiro, não são comportamentos ou procedimentos, mas as pré-disposições para determinado comportamento, baseadas em ideologias ou crenças. Ou seja, atitudes são pré-conceitos, que são adquiridos, aprendidos e incorporados à personalidade. Assim, no sentido psicosocial, uma atitude é sempre uma pré-disposição (pré-julgamento) para um comportamento. Atitudes são pré-noções, que determinado grupo faz a outro, geralmente às chamadas “minorias”, como judeus, índios, negros, etc. Uma pessoa que age racionameltente dificilmente terá atitudes ou preconceito. Uma atitude é sempre pré-concebida e baseada nas emoções. Por essa razão, a TV é uma geradora de atitudes, pois coloca um véu entre a realidade e o que apresenta. Forma julgamentos, atitudes (pré-conceitos), ao fazer discriminações da minoria. Um exemplo, é a discriminação religiosa feita pelas emissoras de TV. Mesmo não tendo uma religião oficial no Brasil, o Catolicismo é tratado e divulgado pela mídia como sendo a religião adotada pelo Estado.
A força da TV para criar atitudes de preconceito é tão forte que, algumas coisas são aprendidas e incorporadas de tal forma, que as pessoas passam a agir por instintos. Assim, os preconceitos se constroem na infância, e quanto maior for a ligação afetiva que a criança tiver com o adulto, ou com o modelo apresentado na TV, mais ela incorporará suas atitudes e pré-conceitos. Esses pré-conceitos e atitudes se adquirem na infância porque se baseiam nas emoções e na confiança que a criança deposita no modelo apresentado. É dessa maneira que as atitudes aprendidas e passadas à criança farão parte de sua personalidade.
Preocupada com a influência da tevê na formação das crianças, a revista “Claudia” encomendou uma pesquisa à Comunicarte Marketing Cultural e Social, coordenada por Marcio Schiavo, professor de mestrado em sexologia da Universidade Gama Filho, no Rio de Janeiro, e consultor do Fundo das Nações Unidas para a infância (Unicef). Durante uma semana, no período de 25 a 31 de maio de 1997, especilaistas dos cursos de mestrado de Sexologia e de Comunicação da mesma universidade acompanharam e analisaram 151 horas e 30 minutos de programação infantil distribuídas pelas seis principais emissoras do país (Bandeirantes, TVE, Globo, Manchete, Record e SBT).
O objetivo da pesquisa era quantificar a incidência de cenas e situações eróticas na programação infantil, além de analisar seu enfoque, sua linguagem, seus valores e de que forma isso é percebido pela criança. No período pesquisado, que foi de uma semana, registraram-se 308 estímulos e referências a sexo nos programas destinados a crianças, o equivalente a um estímulo ou referência a cada 29 minutos (ver dados abaixo). O mais grave, no entanto, segundo Marcio Schiavo, não é a quantidade, mas sim o conteúdo deles. Com poucas exceções, os programas pesquisados abordam a sexualidade de forma jocosa e discriminatória, reforçando “velhos estereótipos” bem como atitudes, comportamentos e valores impróprios da ética, conduta e vida cristã.
• Estereótipos sexuais: 49 incidências.
Cenas e situações que tendem a generalizar condutas e comportamentos segundo o sexo dos indivíduos. Ex.: Menino não pode sxentir medo nem chorar; flores são coisas de menina.
• Estímulos eróticos visuais: 46 incidências.
Posturas e/ou coreografias sensuais, como a dança do tchan, da garrafa e outras; homens simulando movimentos do ato sexual; close em partes do corpo fortemente associados à sexualidade (nádegas, coxas, seios, órgãos genitais); enquadramento de peças íntimas (calcinhas, sutiãs, cuecas); homens e mulheres seminus ou despindo-se.
• Culto ao corpo: 45 incidências.
Referência ao corpo como objeto de prazer.
• Atitudes sensuais: 43 incidências.
• Relações de gênero: 36 incidências.
Cenas e situações que envolvem os diferentes aspectos sociais e culturais do que significa ser homem ou mulher. Ex.: o homem é agressivo, forte e racional; a mulher é passiva, frágil e sentimental.
• Estímulos eróticos verbais: 18 incidências.
Cenas e situações permeadas por frases ou diálogos referentes aos órgãos sexuais, às suas funções ou, ainda, às relações sexuais. Sons de beijos, suspiros, gemidos, gritinhos e outros ruídos de conotação sensual.
• Carícias eróticas: 15 incidências.
• Piadas maliciosas: 12 incidências.
• Estímulos musicais: 10 incidências.
Letras de canções com conteúdo erótico e/ou pornográfico, entre as quais: O Pão da Minha Prima, Dança da Garrafa e Dança do Striptease, etc.
• Homossexualismo: 09 incidências.
• Fantasias sexuais envolvendo ou não fetiches: 08 incidências.
• Relações sexuais simuladas e insinuadas: 08 incidências.
• Sexualidade: 07 incidências.
Sublimada: cenas ou situações em que fica alaro o desejo ou a atração erótica de um personagem pelo outro, sem concretização em cena.
Realizada: cenas ou situações em que o desejo é satisfeito por meio de contatos físicos (beijos, carícias, etc.) mutuamente prazerosos.
• Amor e sexo: 02 incidências.
Reprodutivo: cenas em que a intenção de ter um filho é explícita.
Não-reprodutivo: “cenas em que o prazer é de alguma forma focalizado como único objetivo da relação” (CLAUDIA, novembro de 1997:26-27).
A pesquuisa ainda revelou quais são os campeões do abuso entre os programas infantis apresentados na TV brasileira:
• Angel Mix (Globo) - Número de estímulos e/ou referências: 69.
Os estímulos eróticos estão presentes nos desenhos animados e nas músicas e danças.
• Os Trapalhões (Globo) - Número de estímulos e/ou referências: 26.
Os episódios apresentados são de cinco a dez anos atrás. Com o intuito de fazer graça, o programa abusa dos esteriótipos. As Mulheres são consideradas feias e os homossexuais são sistematicamente ridicularizados.
• Mundo Maravilha (Record) - Número de estímulos e/ou referências: 24.
Recém-convertida à religião evangélica (Igreja Universal do Reino de Deus), Mara se comporta de maneira bastante discreta e substituiu seu vestuário ousado por roupas mais largas e compridas. Suas auxiliares, no entanto, abusam de roupas curtas e coladas ao corpo. “A maior incidência de estímulos eróticos e referências de gênero aparece nos desenhos animados importados” (IBIDEM).
As insinuações e estímulos começam pelo visual das apresentadoras, que é cuidadosamente elaborado, geralmente com roupas curtas e justas, valorizando as formas do corpo, para apresentá-las com uma imagem produzida para ser o mais bem acabado exemplo de beleza e sensualidade.
Programas como o Xuxa Park e Angel Mix não economizam coreografias e músicas altamente sensuais, muitas vezes com letras obscenas. Não foi por acaso que a apresentadora Angélica, numa entrevista à revista Contigo, afirmou que achava o seu programa bom, mas se tivesse um filho procuraria fzer com que ele assistisse à TV Cultura. Nos desenhos animados, os personagens femininos também se exibem com roupas colantes e em posturas sensuais, como a mulher-gato, da série Batman, da TV Record. Outros como O Máscara, apresentado no Angel Mix, da Globo, e US Manga, da Manchete, vivem um grande número de situações eróticas, com referências, inclusive, a abuso (US Manga) e assédio sexual (O Máscara).
Atrações como “O Cinema em Casa”, do SBT, apresentam referências ao homossexualismo, relações sexuais insinuadas, brincadeiras maliciosas e fantasias sexuais. Embora não seja considerada parte da programação infantil da emissora, a sessão é exibida às 13h30, com a especificação irônica de que pode ser vista pela família inteira.
Outro fato preocupante é que poucos pais fazem restrições ao que seus filhos assistem na tevê. Na pesquisa feita por “Claudia” foi distribuido questionários a 150 alunos da segunda à quarta série do primeiro grau. Das 150 crianças ouvidas pela pesquisa, 60,6% disseram que vêem tudo o que querem na televisão. O restante relatou que as proibições se referem apenas a horários (após as 22 horas) ou épocas (semana de provas, por exemplo) e nunca a algum programa. Diante de tudo isso nasce a necessidade de pais e professores prestarem mais atenção ao que passa na televisão.
Quando consideramos que todo esse bombardeio de apelos e estímulos estão sendo introduzidos semanalmente na mente de crianças, passamos a compreeender melhor o seu comportamento cada vez mais precoce no que diz respeito a sexualidade. Meninos e meninas que deveriam estar preocupados em brincar, são induzidos a proceder como os adultos em sua sexualidade. Do ponto de vista psicológico isso não contribui para a formação de um caráter saudável e equilibrado, pois não respeita os limites e fases do desenvolvimento infantil.
A TV assumiu com esse tipo de programação um papel que não era dela. A sexualidade é construída culturalmente, como a capacidade da fala. Percorre fases e etapas que devem ser protegidas. Certos programas de TV estão quebrando todas as etapas e os resultados ainda são desconhecidos. Enquanto no mundo real a criança vai aprendendo aos poucos a administrar questões relativas à sexualidade, na tevê ela conhece tudo de uma só vez. É a mesma coisa que dar uma feijoada para um bebê que não tem condições de digerí-la.
Embora alguns especialistas não considerem tais programas de TV prejudiciais às crianças, alegando que não há programa infantil que supere pai e mãe (que nem sempre estão presentes) e que a TV influencia aqui e agora, e não a longo prazo, não se pode ignorar que as mensagens são passadas para as crianças na linguagem delas, por personagens com os quais elas se identificam. Mesmo que a família tente preservar um ideal igualitário, essas imagens, às vezes, são mais fortes do que as mensagens de casa.
Além disso, deve-se considerar que as leis que regem o desenvolvimento “biopsicosocioespiritual” do indivíduo não podem ser quebradas. Para o pediatra e psiquiatra infantil Christian Gauderer, autor do livro Sexualidade da Criança e do Adolescente, comenta:

“Enquanto o jovem já desenvolveu capacidade crítica para questionar aspectos éticos e morais, as crianças não têm estrutura neurológica nem informação suficiente para isso. Elas estão totalmente desprotegidas e suscetíveis a mensagens que serão prejudiciais à formação de sua identidade” (GAUDERER, 1997:32).

A pesquisa de “Claudia” ainda demonstrou que os meninos mais que as meninas, tendem a aceitar e a reproduzir os esteriótipos difundidos pela TV. Também se observou, por parte dos meninos, uma visão parcial da sexualidade, reduzida, na maioria das vezes, aos órgãos genitais. Se atribuiu parte da responsabilidade aos programas infantis. Com frequência, o afeto, o romantismo e a sensibilidade são apresentados apenas como atributos femininos. Enquanto as meninas, que participaram do grupo de pesquisa, suspiraram diante de cenas e situações românticas e as consideraram bonitas, os meninos as qualificaram de chatas, perguntando por que não vão logo ao assunto?
Há quem argumente que a criança faz a “leitura”dos programas de acordo com a própria realidade cultural em que vive, ou seja: o que ela vê na telinha tem força, mas essa não é a única fonte de estereótipos na sociedade. todavia é bom lembrar que o problema é que há muito mais sexo e violência do lado de lá do que no mundo real.
Particularmente acredito que enquanto as emissoras de TV não se preocuparem em melhorar a qualidade de seus programas, e enquanto o código de ética da Abert (Associação Brasileira de Emissoras de rádio e Televisão) não for respeitado e seguido, a solução para esse dilema está mesmo em casa e na escola. Todavia, infelizmente, pais e professores não estão preparados ou interessados em discutir a utilização desse veículo de comunicação dentro de uma visão bíblica. Eles têm prestado pouca atenção crítica à TV, e isso é grave. Entretanto, bem feita e bem utilizada, na verdade, a televisão pode se tornar uma aliada poderosa na educação das nossas crianças. É urgente questionar, orientar, aprender e ensinar a ver televisão, ou se for o caso, aprender e ensinar a deixar de assistí-la.

DANDO FÉRIAS À TELEVISÃO

Mas o que fazer se você ainda não tem condições de assinar o canal Adsat? Michel Ashcraft em seu depoimento relatado na revista Seleções, sob o título: “O dia em que desligamos a TV”, nos revela o que pode acontecer na vida de uma família, quando esta se liberta do que ele chama de: a máquina de fazer loucos:
“Foram os Power Rangers quem primeiro nos forneceram autoridade. Há uns dois anos, quando o programa estava no auge da popularidade (1995), nosssos gêmeos - então com 6 anos - eram espectadores ávidos, minha mulher e eu não nos opúnhamos, vendo neles parte da trivialidade do antigo seriado Batman. Para sue crédito, ao fim de todos os episódios violentos, os Power Rangers alardeavam virtudes pacíficas e positivas que qualquer pai teria orgulho de transmitir aos filhos. Mensagens como: ‘Não desista’. ‘Há esperença para o mundo se cada um fizer a sua parte’. ‘A maior realização é transformar o inimigo em um amigo’. Apesar desses conselhos, o que as crianças faziam era trocar pontapés até alguém gritar. Incapazes de interromper as dolorosas representações dos gêmeos com a barreira de ameaças e castigos, suspendemos o privilégio de assistirem aos Power Rangers durante uma semana, carregando a TV para o porão. A primeira reação dos gêmeos, assim como da irmãzinha caçula, foi perplexidade. Vieram os pedidos de desculpas e, em seguida, dois dias de pirraça e súplicas para ver algo na TV. Qualquer programa. Por favor! Durante algum tempo, os meninos ficavam em pé no alto da escada do porão, ou desciam só para olhar a TV. fora da tomada, e coberta pela capa protetora. As crianças não estavam sozinhas em sua angústia. Quando a televisão foi embora, abandonou a todos nós. tínhamos apenas um aparelho de TV. É claro que minha mulher e eu, de vez em quando, assistíamos a algum programa ou alugávamos um filme quando as crianças estavam dormindo. O desejo de ver TV, no entanto, diminui quando é necessário arrastá-la até o alto da escada. Na verdade, afastar a TV funcionou tão bem que posso afirmar: a ausência realmente faz o coração gostar mais. Não da TV, mas de ficar sem ela. Provavelmente não no primeiro dia, e talvez nem no segundo. Mas no terceiro dia você poderá perceber, com surpresa, novo desejo de ler um livro, conversar com a família, convidar os vizinhos ou até soltar pipa. Na ausência da televisão, redescobrimos nosso quintal. Os meninos estão felizes na cama elástica. A irmãzinha adora sentar-se na casa da árvore com as bonecas ou fazer piquenique. Durante os dias frios ou tempestuosos, a pequena fica satisfeita dentro de casa, desenhando, montando quebra cabeças ou inventando canções. Os meninos brincam de jogos de cartas e tabuleiro. Em certa ocasiãocriaram uma peça de teatro: espontaneamente e sem ajuda, desenvolveram roteiro, providenciaram roupas, representaram e fizeram profunda reverência ao terminar. Algo que nunca teriam pensado em fazer, se estivessem vendo TV. A televisão tornou-se tão difundida que as pessoas a ligam por reflexo, imediatamente ao entrar em casa. É como acender as luzes ou verificar a caixa de correio. Quando confrontados com estudos que os acusam de ver televisão durante número absurdo de horas por dia, muitos argumentam que , na verdade, não a estão assistindo tanto assim: a TV simplesmente está ligada como ruído de fundo ou luz estroboscópica. É como o fumante que diz: ‘Na verdade, eu não fumo três maços por dia. A maior parte dos cigarros só fica apoiada no cinzeiro e me faz fumar passivamente até a morte’. Nessa perspectiva, quando o ato de ver televisão ultrapassa a fronteira entre hábito e vício? Há forma de descobrir: desligue-a durante uma semana e veja o que ocorre. Se necessário, grave a novela preferida ou aquele seriado especial, mas assista a eles em algum momento das 51 semanas restantes do ano. Quando perceber que a máquina de fazer loucos não está mais pensando por você, vai se descobrir pensando por si mesmo” (READER’S, DIGEST SELEÇÕES, outubro de 1997:119-120).

Talvez o que esteja faltando em muitos lares cristãos seja uma verdadeira volta às origens. Uma volta à família “tradicional”, onde a criatividade imperava nas horas de folga. Em todas as famílias há problemas e conflitos, talvez a grande maioria deles comece a ser resolvido quando a televisão permanecer por muito mais tempo desligada, e passe a existir mais diálogo, companheirismo e amizade entre os seus componentes. Mas dar férias à TV deve ter uma objetivo superior, o de passar mais tempo buscando o conhecimento e a informação. Quem sabe aproveitar melhor o tempo para colocar aquele ano bíblico em dia. Ou ser mais sistemático e dedicado nos estudos. Ou ainda, aproveitar para visitar museus e galerias de arte.
No livro, The Television Time-Bomb, os autores Lonnie Melashenko e Tim Crosby, oferecem 38 coisas para fazer em vez de ver televisão. A criativa lista deles inclui “jogos, leitura de bons livros, exercícios, pintura, fazer pão em família, conversar, fazer uma boa ação, jardinagem, limpar a casa, etc.; e se todos falham, dormir" (DIÁLOGO UNIVERSITÁRIO, 5:1-1993:33).
Joe Wheeler, em Remote Controlled, acrescenta discusões familiares durante a refeição (Debates), ouvir boa música, visitar um museu ou galeria de arte, estudar a natureza, aprender uma língua, escrever cartas, “ler a Bíblia e orar em família, etc. Ironicamente, estas eram precisamente as atividades que as famílias cristãs desfrutavam a muitos anos atrás antes da televisão” (IDEM:22).
A pergunta que deve ser feita é: a vida em família é mais saudável sem televisão? Parece que a resposta é positiva. Não é por acaso que nos Estados Unidos existe um projeto realizado todo ano, a nível nacional, no qual as famílias norte-americanas são convidadas a participarem voluntariamente. O projeto denomina-se: “Semana Anual da TV Desligada”.

“Só em 1999 (durante a semana de 22 a 28 de abril), cerca de sete milhões de pessoas deixaram seus televisores completamente desligados. A “Semana da TV Desligada”, coordenada pela TV-Free America e apoiada por mais de 56 organizações nacionais, visa encorajar os americanos a reduzirem a quantidade de tempo diante da telinha e estimular a comunhão em família. Segundo Mim Noorani, diretor do TV-Free America, uma organização sem fins lucrativos, a “Semana da TV Desligada” faz sucesso porque é um evento interessante. Ao invés de ficarem assistindo à TV, as famílias estarão fazendo muitas atividades bem juntas” (INTERNET, Home Page: www.ichtus.com.br).

Analisando friamente, a televisão funciona como uma faca de dois gumes. Ao mesmo tempo em que serve para entreter e informar – pelo menos deveria ser assim – é capaz de distanciar as pessoas na medida em que diminui o tempo para as conversas e atividades em família. Idéias como a da TV-Free America merecem ser “importadas”. Diante do baixíssimo nível em que anda a programação televisiva aqui no Brasil, não seria difícil conseguir uma adesão em alta escala. Que tal defender e divulgar essa idéia!

DICAS PARA CONTROLAR A TELEVISÃO

Como poucos são aqueles que conseguem viver sem televisão, e nem todos estão dispostos a dar férias à telinha ou se desfazer de sua TV por algum tempo, se faz necessário considerar alguns conselhos práticos para que você e sua família possam assegurar um melhor uso da televisão em sua casa. Todavia, se você já tem opinião formada sobre o uso da TV, considerando intocavelmente válidas as justificativas para ter seu televisor ao alcance dos filhos, e usá-lo a seu bel-prazer, sem nenhum critério de seleção, não leia esse tópico. Entretanto, se você está insatisfeito com o modo como a TV vem sendo usada dentro de seu lar, vá em frente. Mas, lembre-se que, a influência da televisão na vida de sua família tem muito que ver com o lugar e o papel que você destina a esse aparelho, primeiramente em sua vida e, depois, dentro do seu lar. Embora as razões para que seja feito um controle do uso da TV, sejam bastante plausíveis e convincentes, não pense que controlá-la seja uma tarefa fácil, prepare-se para uma verdadeira guerra. Eis algumas sigestões práticas, que espero, sejam de grande utilidade:
1. Determine quanto tempo você e seus filhos poderão assistir televisão durante o dia ou durante a semana.
Tomar essa decisão exige coragem moral. Mas também requer planejamento, estudo e critérios bem definidos. É extremamente importante, que toda a família participe da decisão e defina as prioridades de cada um, elaborando a seguir um manifesto das prioridades da família como um todo. Deve haver consenso quanto ao tempo que a TV permanecerá ligada durante a semana e, especialmente, nos finais de semana. Todos devem se comprometer a respeitar os limites impostos as decisões tomadas em conjunto.
2. Os pais devem “fiscalizar” os programas de televisão e ver o que é conveniente para seus filhos.
É comum pais ficarem “abismados” ao descobrir que seus filhos estavam assistindo a programas demasiado violentos ou imorais. Antes que isso ocorra, é melhor verificar o que eles andam assistindo. Pense no futuro espiritual de seus filhos. No caso de filhos adolescentes é bom ter mais cautela e partir para a troca de idéias e muito, muito diálogo.
3. Decida quanto à localização do televisor em sua casa.
O local onde fica o aparelho de TV é extremamente importante para que os itens acima sejam mais facilmente cumpridos. O lugar onde a TV será colocada, determinará o grau de importância que lhe é atribuído, além de facilitar ou difilcultar o seu controle. Se o aparelho estiver localizado em um ponto central da casa, pode converter-se no centro das atividades da família. Por exemplo, se estiver próximo à mesa de refeições provavelmente reduzirá de forma acentuada a conversação familiar. É interessante ter o aparelho em localização onde os pais possam estar a par do que seus filhos estão assistindo. Por essa razão, televisão no quarto das crianças, nem pensar. Essa regra também vale para os adultos, viu?! Possuir mais de um aparelho também não é uma boa idéia. Que tal vender os que estão “sobrando” e comprar livros? Se você realmente deseja controlar a TV, jamais deveria ter uma salinha especial só para ela em sua casa. No lugar da sala de TV, tenha uma sala de leitura bem diversificada, uma biblioteca particular, e incentive seus filhos a frequentá-la. É válido transpor o aparelho para um local menos saliente da casa. Esse procedimento impedirá que a TV se transforme em fator dominante na família, tanto no que se refere ao uso do tempo livre, como nas relações familiares. Também facilitará que a televisão seja desligada quando entrar uma visita em sua casa. Infelizmente há pessoas que dão mais valor a uma palhaçada no vídeo do que à presença de um amigo. Todavia, é sempre bom lembrar que, continuar com a TV ligada ao chegar um visitante se constitui a mais grosseira falta de educação.
4. Evite usar sua televisão como babá.
Já foi analisado como o uso da TV, como babá regular, pode causar danos às crianças, e a conclusão é que não vale a pena transferir para a TV a tarefa de “cuidar” de seus filhos. Embora haja programas educativos que valham a pena, geralmente as crianças “se amarram” mesmo é nos programas violentos ou inadequados. Converse muito com seus filhos e desenvolva neles um profundo senso crítico frente aos conteúdos da telinha. Busque outras opções de atividades que seus filhos possam fazer sem a TV, isso exigirá criatividade, tempo e um pouco mais de esforço do que simplesmente jogá-los na frente da telinha. Os resultados lhe mostrarão que seus esforços valeram a pena.
5. Como alternativa para o uso exagerado e impróprio da TV, ofereça oportunidades para que seus filhos desfrutem de boas experiências religiosas, sociais e culturais.
Quando o assunto é o sucesso dos filhos, todo investimento, seja em educação ou tempo junto a eles, não é desperdício. Um dos segredos para manter seus filhos longe da telinha por mais tempo, é mantê-los sempre ocupados em atividades que proporcionam senso de realização, como por esemplo, um cursinho de inglês, aulas de música, etc. Não permita que seus filhos deixem de estudar por causa da TV. Considerando que muitos adultos e crianças recorrem à televisão como meio de preencher um vazio cultural e social em suas vidas, se faz necessário planejar atividades educativas, culturais, recreativas e religiosas que ofereçam oportunidades prazerosas para o desenvolvimento da personalidade. Jamais sacrifique passeios com a família ou as horas de lazer, por causa da televisão. Muito menos permita que ela substitua, ou ocupe o horário do culto familiar, ou ainda, tome o lugar de sua vida devocional. Se de fato você deseja fortalecer a vida familiar e manter a televisão desligada por mais tempo, comece agora a buscar alternativas que coloquem a TV em segundo, terceiro ou mesmo, último lugar em importância, dentro de sua casa e na rotina diária de sua família.

CONCLUSÃO

Com o advento da televisão e sua rápida popularização, a maneira de ver o mundo se ampliou drasticamente. Diante da constante evolução tecnológica deste veículo de comunicação de massa, e do futuro da informação cada vez mais real e interativa, se faz necessário que as instituições socializadoras, ou seja: família, igreja e escola, promovam reflexões sobre os impactos que a tecnologia informativa está causando em crianças e adolescentes e o que pode ser feito para promover uma educação contínua para a mídia.
É fato que a geração pós-TV experimentou mudanças sociais profundas, causadas em grande parte pela influência dos programas de TV. Ao mesmo tempo que a televisão é considerada um instrumento socializador (porque ensina a olhar o mundo e o telespectador aprende popr meio de suas informações), a TV também é considerada um instrumento alienador. Todavia, essa alienação não está no aparelho em si, mas na atitude de quem assiste sem o mínimo de visão crítica.
Com relação a família o que se percebe é uma falta de comprometimento e interesse em desenvover nas crianças e adolescentes o senso crítico diante da informação recebida. Na maioria dos casos o que se percebe é uma interferência na comunicação familiar e uma verdadeira transferência de responsabilidade diante da televisão. Isso tem l;evado a questionamentos sobrte a quantidade de tempo dedicada por crianças e adolescentes ao “aparelho das fantasias”. O resultado não poderia ser outro além de uma verdadeira inversão de prioridades, prejudicando e muito o rendimento escolar.
Ao consoiderar a exposição intensa diante da TV, inúmeros estudos e pesquisas comprovaram o fato de que a criança não precisa dela para o seu pleno desenvolvimento enquanto ser humano. Pelo contrário, a situação ideal para a criança em fase de desenvolvimento é um ambiente que lhe proporcione inúmeros estímulos, pois no processo de humanização é fundamental a interação com o meio e com os que cercam o indivíduo. Vimos também que o próprio desenvolvimento da linguagem sofre uma defasagem quando estimulado diante da telinha em detrimento da socialização.
Se não bastasse esse atraso no desenvolvimento infantil, o consumo exagerado de TV várias horas por dia e sem nenhum critério de julgamento ou processo educativo de leitura crítica da mídia, tem contribuído para que crianças a edolescentes tenham problemas de saúde como o stress e a obesidade. O caso é ainda mais grave quando é levado em consideração o grau de escolaridade. A publicidade de alguns produtos e serviços veiculada na TV também tem dado sua parcela de contribuição para desenvolver em crianças e adolescentes hábitos nada saudáveis, como é o caso da propaganda de cigarros e bebidas alcoólicas. Diante disso também, se faz necessário desenvolver uma avaliação mais crítica da publicidade.
Diante da realidade de que várias horas são passadas todos os dias na frente da telinha, é inevitável que haja uma concorrência desleal com relação ao hábito da leitura. Considerando que a leitura é essencial ao desenvolvimento do pensamento criativo, e diante de inúmeros estudos sobre os benfícios do hábito de ler, está mais do que comprovado que televisão em excesso não combina com pensamento criativo. Todavia, muitas vezes os responsáveis maiores por essa concorrência desleal, são os próprios pais, que acabam se tornando cúmplices da TV ao desprezarem ou não priorizarem a leitura com seu principal lazer.
Diante de todas as observações feitas e dos aspectos positivos e negativos analisados neste trabalho, fica o desafio de educar para a mídia, ensinar a criança a fazer bom uso da TV, desenvolver nela uma visão mais crítica dos conteúdos veiculados na TV e priorizar outras atividades que proporcionem interatividade, sociabilidade e amadurecimento intelectual. Isso se torna ainda mais necessário quando constatamos o perigo que as crianças correm diante de certos programas de televisão, que nada mais são do que lixo televisual apresentado de forma colorida e atraente, porém perniciosa. Daí também nasce a necessidade de desenvolver projetos e processo de educação para a mídia, e a necessidade da família e da escola estarem unidas neste processo.

SOBRE O AUTOR

Jorge Schemes é Teólogo, Psicopedagogo, Escritor e Palestrante do Projeto MVC –Desenvolvimento Humano Global. Formado em Bacharel em Teologia Línguas Bíblicas – Grego e Hebraico – pelo SALT (Atual UNASP) em São Paulo, SP. Trabalhou como professor de Ensino Religioso por mais de 10 anos em escolas particulares e públicas lecionando para o Ensino Fundamental e Médio. Foi professor de Relações Humanas e Ética e professor Alfatizador para as Séries Iniciais. É formado em Pedagogia com habilitação em Administração Escolar e Licenciatura para as Séries Iniciais. É pós graduado em Interdisciplinaridade na Educação Básica (IBPEX/UNIVILLE), e pós graduado em Psicopedagogia Clínica e Institucional (IBPEX/FACINTER). É licenciado em Ciências da Religião (Licenciatura Plena em Ensino Religioso) pela FURB – Blumenau, SC. Atualmente trabalha como Técnico Pedagógico na Gerência da Educação e Inovação de Joinville, SC, responsável pelas Ações Integradas, envolvendo a coordenação do PETI, APÒIA, e projetos educacionais voltados para a prevenção às drogas. Também é membro conselheiro do COMEN/COMAD de Joinville.

Pesquisa personalizada

Mais Postagens: